Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Guia ensina a identificar mamíferos aquáticos do Brasil

Guia ensina a identificar mamíferos aquáticos do Brasil

18/04/2019 Divulgação

Publicação mostra diferenças entre baleias, golfinhos e peixe-boi.

Guia ensina a identificar mamíferos aquáticos do Brasil

O Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Aquáticos (CMA), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), acaba de lançar o Guia Ilustrado de Identificação de Cetáceos e Sirênios do Brasil. A publicação mostra as principais diferenças físicas entre baleias, golfinhos e peixe-boi.

No guia, o interessado encontrará os tipos de nadadeiras (dorsal, caudal, peitoral), as características da cabeça, o peso, as medidas, além de hábitos alimentares de cada espécie. A publicação traz ainda as principais ameaças e o mapa de distribuição dos mamíferos aquáticos no Brasil.

O objetivo é permitir que leigos, amantes da natureza e pessoas que trabalham próximo ao habitat dos animais (turistas, pescadores, mergulhadores, salva-vidas, estudantes e outros) possam identificar, de forma rápida e eficiente, os cetáceos e sirênios.

Confira algumas curiosidades contidas no guia:

- Baleias são enormes, mas se alimentam de pequenos peixes ou krill (pequenos crustáceos). Algumas pessoas têm medo de baleias, pois pensam que elas podem atacar para se alimentar. Na verdade, a entrada do esôfago (garganta) não é larga o suficiente para engolir um humano.

- Peixe-boi não é peixe. É mamífero aquático (mamam quando filhotes). Possuem pulmões e por isso precisam ir a superfície para respirar. O nome peixe-boi vem da associação com dois outros animais: peixe, por viveram na água, e boi, por serem gordinhos e comerem apenas capim e plantas aquáticas.

Fonte: Ministério do Meio Ambiente



Saneamento básico é aliado na guerra contra pandemias

Mais que corpo e mente saudáveis, ambientes limpos contribuem para que doenças sejam evitadas.

Saneamento básico é aliado na guerra contra pandemias

Queimadas no Pantanal: ameaça à biodiversidade

Pantanal é Patrimônio Natural Mundial e Reserva da Biosfera pela Unesco.

Queimadas no Pantanal: ameaça à biodiversidade

Pequenos negócios podem se inscrever para o Prêmio ANA 2020

Inscrições para o Prêmio ANA 2020 são prorrogadas até 15 de agosto.

Pequenos negócios podem se inscrever para o Prêmio ANA 2020

O esgoto pode ser um aliado no diagnóstico do novo coronavírus?

Falar sobre esgoto nos remete principalmente a situações de vulnerabilidade social e às condições precárias para a destinação de dejetos.

O esgoto pode ser um aliado no diagnóstico do novo coronavírus?

Poluição de plástico em oceanos pode triplicar até 2040, alerta estudo

Pesquisa oferece soluções para reduzir poluição em mais de 80%.

Poluição de plástico em oceanos pode triplicar até 2040, alerta estudo

Um olhar apurado no nosso ambiente

"O mundo como nós o conhecemos não existe mais."

Um olhar apurado no nosso ambiente

Tampinha Legal ultrapassa 254 milhões de tampinhas plásticas coletadas

O material foi arrecadado em quase três mil pontos de coletas distribuídos por sete estados.

Tampinha Legal ultrapassa 254 milhões de tampinhas plásticas coletadas

A praga dos gafanhotos

Aumento da temperatura no planeta tem efeitos sobre o metabolismo dos insetos.

A praga dos gafanhotos

Distrito Federal infestado por escorpiões

As grandes cidades apresentam um excelente habitat para os escorpiões.

Distrito Federal infestado por escorpiões

Metade dos lares brasileiros passa a contar com serviço de esgoto

Entretanto, segundo a pesquisa, 34 milhões de domicílios seguem sem o serviço, ou seja 49,2% da população.

Metade dos lares brasileiros passa a contar com serviço de esgoto

O compromisso com o futuro do planeta por meio dos investimentos verdes

A procura por investimentos verdes vem crescendo nos últimos anos.

O compromisso com o futuro do planeta por meio dos investimentos verdes

Urso-polar pode ser extinto até 2100, diz estudo

Mudanças climáticas são a principal ameaça para a espécie.

Urso-polar pode ser extinto até 2100, diz estudo