Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Necrochorume

Necrochorume

16/08/2011 Divulgação

Aquecimento global, poluição atmosférica, poluição hídrica, poluição do solo, contaminação global! O que estamos fazendo com nosso planeta? É a ação do homem, querendo produzir, crescer, prosperar.

Mas, será que podemos crescer e prosperar sem agredir com tamanha gravidade nosso planeta? É claro que sim! E é com este enfoque que falamos aqui da poluição hídrica, ou contaminação de nossas águas. A água é o nosso bem mais precioso e estamos destruindo-a, achando que não terá fim, mas tem! Sabe-se hoje, que a água é um bem finito e que, se não nos atentarmos em reduzir ou até mesmo eliminar os dejetos que jogamos em nossos rios, lagos e lençóis freáticos, estaremos comprometendo a vida na terra. Em toda atividade humana ou na maioria delas há um descarte de água contaminada com algum rejeito, até mesmo os dejetos humanos, os esgotos, são capazes de destruir um corpo hídrico, se não forem tratados eficientemente antes de serem lançados na natureza.

Até mesmo após a morte, o ser humano é capaz de gerar compostos contaminantes através da decomposição de seu corpo. Esse é um problema muito relevante e de saúde pública, e tem-se que despertar para esta realidade, verificando o que está sendo realmente realizado nos cemitérios de uma maneira geral. Um corpo quando enterrado, entra em estado de decomposição e através do trabalho de microorganismos, um líquido é gerado nesta transformação como também gases tipo gás carbônico. Tal líquido gerado é denominado de Necrochorume. Sabendo que a referida decomposição leva em média de 2,5 a 3,0 anos, essa substância pode começar a ser eliminada durante um ano após o sepultamento. A sua principal característica é ter um escoamento viscoso, de coloração acinzentada, composta de 60% de água, 30% de sais minerais e 10% de substâncias orgânicas, sendo duas delas altamente tóxicas, a putresina e cadaverina, que em contato com a água da chuva, podem percolar pelo solo e atingir o lençol freático, podendo desta forma contaminar seriamente as águas subterrâneas e quem delas consumir.

Desta forma, se verifica a necessidade urgente de se ter um maior e melhor controle desses cemitérios e seus sepultamentos, pois já foi constatado que em torno de 90% das necrópoles tidas como irregulares, 3/4 delas estão com solo e lençol freático comprometidos. As principais causas são: Despreparo no sepultamento e localização em terrenos inadequados. Segundo a Legislação Ambiental vigente (Conama 368 de 28 de março de 2006), o limite entre a cova e o lençol freático não pode ser menor que 1,5 metros. Mesmo com a existência de tal legislação, a fiscalização ainda é lenta e difícil, haja vista as condições de tempo e estrutura dos cemitérios existentes, os quais devem atender a população com visão social, incluindo assim os indigentes, enterrados sem qualquer critério de proteção ambiental. E que critério é esse? É necessário se realizar uma avaliação de Condições Geológicas (tipo de solo) e Hidrogeológicas (profundidade do aquífero).

E o mais importante, elaborar um projeto adequado das disposições dos caixões, instalando uma retenção ou uma captação do líquido gerado na decomposição do corpo, seguindo por sistemas de drenagem específicos para encaminhar o necrochorume captado a um sistema de tratamento que permita tratar com eficiência suas toxinas, lançando no ambiente um líquido livre de compostos tóxicos para a saúde. Tal tecnologia pode ser desenvolvida e adaptada ao sistema de acordo com estudos específicos de cada empreendimento, verificando caso a caso as necessidades reais da região e das condições hidrogeológicas do terreno em que se encontra. Sistemas anaeróbios, processos de desinfecção devidamente dimensionados para atender às reais necessidades de cada empreendimento.

Implantando um sistema de tratamento de necrochorume estará se prevenindo doenças com uma tecnologia que custa muito menos que tratar as enfermidades. Isso faz parte do comprometimento de todos, a priorização e prevenção da saúde da comunidade. Somos todos responsáveis por um meio ambiente mais limpo e próprio a uma boa qualidade de vida em nosso planeta.

Maria Rosí Melo Rodrigues* é engenheira sanitarista da TEGEVE Ambiental.



Réptil de 225 milhões de anos não é pterossauro, mostra estudo

Conclusão é de pesquisadores brasileiros em artigo na revista PeerJ.

Réptil de 225 milhões de anos não é pterossauro, mostra estudo

Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento

Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Conspiração Mineira pelo Plantio de Árvores é apresentada pela ACMinas.

Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Estudo avalia a situação hídrica da Bacia do Rio da Prata, em Presidente Olegário

Diagnóstico de Zoneamento Ambiental Produtivo (ZAP) faz parte das ações do Programa Restaurar, estruturado pelo Sebrae Minas, no noroeste do estado.

Estudo avalia a situação hídrica da Bacia do Rio da Prata, em Presidente Olegário

Brasil registra reciclagem de 98,7% de latas de alumínio em 2021

Índice é o maior já alcançado pelo setor.

Brasil registra reciclagem de 98,7% de latas de alumínio em 2021

Onça-parda é vista em área onde era considerada extinta no Rio de Janeiro

Reserva ambiental fica em Maricá, na região metropolitana.

Onça-parda é vista em área onde era considerada extinta no Rio de Janeiro

Livro mostra biodiversidade do Parque Nacional do Iguaçu

Publicação tem imagens e infográficos para explicar como é o trabalho de conservação na região e curiosidades sobre espécies.

Livro mostra biodiversidade do Parque Nacional do Iguaçu

Acordo prevê remuneração para conservação de florestas

Estudo de viabilidade será feito em duas etapas.

Acordo prevê remuneração para conservação de florestas

Copasa prevê investir R$ 34 milhões na recuperação de nascentes em 2022

Investimento no programa Pró-Mananciais é recorde; nos últimos cinco anos, companhia empregou R$ 62 mi na revitalização de minas, córregos e rios.

Copasa prevê investir R$ 34 milhões na recuperação de nascentes em 2022

Inmet lança documento com informações meteorológicas de 30 anos

Dados do Inmet mostram elevação das temperaturas e maior frequência de chuvas intensas no Brasil.

Inmet lança documento com informações meteorológicas de 30 anos

Apenas 7% dos rios da Mata Atlântica apresentam água de boa qualidade

Dados são divulgados no Dia Mundial da Água, comemorado neste 22 de março.

Apenas 7% dos rios da Mata Atlântica apresentam água de boa qualidade

São Paulo inaugura programa que plantará um milhão de árvores pelo Brasil

União Química, em parceria com a ONG Ipê e o Centro de Educação Ambiental de Guarulhos, já começa a plantar 100 mil mudas de árvores nativas no estado.

São Paulo inaugura programa que plantará um milhão de árvores pelo Brasil