Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Nobel de Economia premia especialistas em clima e inovação

Nobel de Economia premia especialistas em clima e inovação

08/10/2018 Deutsche Welle

Americanos William Nordhaus e Paul Romer receberão prêmio por integrarem mudanças climáticas a análises macroeconômicas.

Nobel de Economia premia especialistas em clima e inovação

Os americanos William Nordhaus e Paul Romer venceram o Prêmio Nobel de Economia de 2018 por seu trabalho de integração das mudanças climáticas e das inovações tecnológicas a análises macroeconômicas, anunciou a Academia Real das Ciências da Suécia nesta segunda-feira (08/10).

"As descobertas [dos pesquisadores] ampliaram significativamente o escopo da análise econômica através da construção de modelos que explicam como a economia de mercado interage com a natureza e com o conhecimento", disse a academia em comunicado.

Nordhaus, de 77 anos, é professor da Universidade de Yale, e foi honrado especificamente por "integrar as mudanças climáticas à análise macroeconômica de longo prazo".

Em meados dos anos de 1990, o pesquisador se tornou a primeira pessoa a criar um modelo de avaliação integrado que relaciona teorias e resultados empíricos da física, química e da economia para simular a coevolução da economia e do clima. O modelo é utilizado para examinar o efeito de políticas climáticas como, por exemplo, taxas sobre as emissões de gases de efeito estufa.

Romer, de 62 anos, é ex-economista-chefe do Banco Mundial, e atualmente leciona na Stern School of Business da Universidade de Nova York. Segundo a Academia, ele foi premiado por "integrar as inovações tecnológicas à análise macroeconômica de longo prazo".

Em 1990, Romer foi responsável por estabelecer a base do que hoje é conhecido como teoria do crescimento endógeno, que explica as diferenças entre ideias e outros tipos de bens e como elas exigem condições específicas para serem bem sucedidas no mercado.

Pesquisas anteriores à de Romer identificavam a inovação tecnológica como o principal catalisador do crescimento econômico, mas não tinham conseguido ainda produzir um modelo econômico sobre como as forças econômicas regulam a disposição das empresas de produzir novas ideias e inovações.

Embora Norhaus e Romer não tenham fornecido respostas conclusivas para os problemas que abordaram, "suas descobertas nos deixaram consideravelmente mais perto de responder a questão sobre como é possível atingir o crescimento econômico sustentado e sustentável", afirmou a Academia.

No valor de 9 milhões de coroas suecas, ou 1 milhão de dólares, o prêmio será repartido igualmente entre os dois pesquisadores.

Diferentemente dos outros prêmios, concedidos pela primeira vez em 1901 em cumprimento do testamento do inventor e filantropista sueco Alfred Nobel, o Nobel de Economia foi criado em 1968 pelo banco central da Suécia, o Riksbank, para marcar seu tricentenário.

O Nobel de Economia do ano passado havia sido concedido a Richard Thaler, da Universidade de Chicago, por mostrar como aspectos humanos relacionados à psicologia afetam decisões econômicas.

Os vencedores do Prêmio de Economia de foram os últimos deste ano a serem anunciados, após a divulgação dos prêmios de Medicina, Física, Química e da Paz. Na semana passada, o médico congolês Denis Mukwege e a ativista da minoria yazidi Nadia Murad foram anunciados como os vencedores do Nobel da Paz por seu trabalho combatendo a violência sexual em conflitos ao redor do mundo.

O prêmio de Literatura não foi concedido neste ano devido a uma crise interna na Academia Sueca, causada por acusações de corrupção e abuso sexual. 



Colecionador doa 2 mil insetos ao Museu Nacional do Rio

Material vai compor acervo de museu destruído por um incêndio em setembro de 2018.

Colecionador doa 2 mil insetos ao Museu Nacional do Rio

Abrolhos passa a oferecer trilha subaquática noturna

Trajeto de 140 metros entre chapeirões e anêmonas gigantes permite ao visitante contato incrível com o mundo marinho.

Abrolhos passa a oferecer trilha subaquática noturna

Insetos estão desaparecendo, com efeitos catastróficos

Agricultura intensiva e uso de pesticidas são principais causas.

Insetos estão desaparecendo, com efeitos catastróficos

2018 foi o quarto ano mais quente já registrado

Relatório da ONU mostra ainda que os últimos quatro anos foram os mais quentes desde o início das medições.

2018 foi o quarto ano mais quente já registrado

Rompimento de barragem da Vale destruiu 269,84 hectares

Análise feita pelo Ibama aponta que os rejeitos da mineradora devastaram vegetação nativa de Mata Atlântica.

Rompimento de barragem da Vale destruiu 269,84 hectares

Eventos climáticos colocam o mundo em risco

Pesquisa global constata fracasso nas políticas ambientais em todo o mundo.

Eventos climáticos colocam o mundo em risco

Ave ameaçada inspira modelo de negócio para preservá-la

Projeto ajuda a ampliar recursos para a proteção de áreas naturais e espécies em extinção.

Ave ameaçada inspira modelo de negócio para preservá-la

Cerrado é o bioma com a maior taxa de desmatamento

Estudo mostra que 45% da superfície original do bioma é ocupada por pastagens e cultivos agrícolas.

Cerrado é o bioma com a maior taxa de desmatamento

Fauna brasileira tem mais de mil espécies com risco de extinção

Livro Vermelho da Fauna 2018 registra 1.173 espécies sob risco de desaparecer.

Fauna brasileira tem mais de mil espécies com risco de extinção

Hábitos e atitudes que ajudam a combater o aquecimento global

É cada vez mais nítida a influência dos níveis de poluição da atmosfera da terra no aumento da temperatura do planeta nas últimas décadas.

Hábitos e atitudes que ajudam a combater o aquecimento global

Prepare-se para o único eclipse lunar total de 2019

Espetáculo no céu será visível no Brasil na madrugada de domingo para segunda-feira.

Prepare-se para o único eclipse lunar total de 2019

Compostagem doméstica: fácil e sustentável

Especialista ensina a realizar em casa o processo de transformação do lixo orgânico em adubo.

Compostagem doméstica: fácil e sustentável