Portal O Debate
Grupo WhatsApp


“O Frango Global”: quem come, quem ganha e quem perde

“O Frango Global”: quem come, quem ganha e quem perde

18/07/2007 Deutsche Welle

Com baixo teor de gordura e livre de tabus religiosos, a produção industrial de aves é o setor de carnes que mais cresce mundialmente.

Carne magra do peito para europeus e norte-americanos, pés e cabeça para asiáticos, coxas para latino-americanos, entranhas para africanos. DW-WORLD conversou com Francisco Mari, que, juntamente com Rudolf Buntzel, escreveu o livro Das Globale Huhn (O Frango Global, Brandes & Apsel, 2007), mostrando as conseqüências do comércio globalizado do frango.

DW-WORLD: O que é o "frango global"?

Francisco Mari: O "frango global" é o marca-passo e pioneiro da globalização na agropecuária. É líder no comércio de carnes. Em nenhum lugar a concentração internacional e a interdependência das empresas de agronegócios são tão grandes como na produção de aves. Em nenhum outro ramo da agropecuária a produção é tão globalmente homogênea como aqui.

Os frangos consumidos no Rio, Xangai ou Berlim provêm, em sua maioria, das mesmas matrizes originárias das poucas granjas de criação espalhadas pelo mundo. Mundialmente, existem somente algumas poucas raças que estão à disposição da produção industrial.

As partes dos frangos, produzidos e abatidos mundialmente com as mesmas estruturas industriais, são vendidas para Ásia, América do Sul e Europa, conforme o gosto do consumidor. Pode acontecer que, enquanto se come peito de frango em Colônia, alguém está comendo a cabeça do mesmo frango em Hong Kong e a coxa em Acra (Gana).

Qual é a peculiaridade do frango como exemplo de globalização?

Não existe até agora nenhum outro produto agropecuário, cujas etapas (criação, produção, processamento e comercialização) sigam, mundialmente, as mesmas regras. O "frango global" mostra a unilateralidade da agropecuária do futuro, pois as especificações de raças, tamanho de gaiolas em bateria, tempo de criação, aplicação de medicamentos, abate e preços são os mesmos em todo o mundo.

O sucesso do "frango global" se explica também porque satisfaz os mais diferentes hábitos alimentares: carne magra de frango para as européias adeptas da dieta, pés de frangos tostados em Xangai ou uma boa coxa em um churrasco no Rio de Janeiro.

Dos cinco pintos no quintal de uma camponesa de Mali aos cinco milhões de uma fábrica de produção em massa na China, todos fazem parte do comércio globalizado de carne de frango e todos são afetados por epidemias. O surgimento mundial da gripe aviária afeta a todos.

Existe uma correlação entre epidemias, como a gripe aviária, e a globalização?

Sim, claramente. O comércio mundial de ovos para chocagem e de matrizes vivas para criação representam 5% de todas as taxas de frete aéreo. Este comércio global de produtos aviários é ideal para a propagação de epidemias. Milhões de toneladas de fezes de frango são jogadas no mar para produção de peixes. Aves migratórias comem estes peixes. Com grande probabilidade, esta é a origem da disseminação da gripe aviária na Ásia.

As fábricas de frangos com seus milhões de aves são responsáveis por mutações perigosas como o vírus H5N1. As aves dos quintais de pessoas pobres não sofrem mutação tão facilmente. É o "frango global" que primeiro espalhou estes vírus perigosos por todo o mundo, tornando-os cada vez mais perigosos.

Quem são os perdedores e ganhadores do "frango global"?

Os que ganham são, com certeza, as grandes firmas de abate e as grandes empresas agropecuárias, e, naturalmente, a indústria de criação, de onde saem todos os pintos, e as fábricas de ração.

Os perdedores são os frangos locais. Principalmente os pobres camponeses dos países do Hemisfério Sul que vendiam seus animais normalmente vivos. São sobretudo milhões de mulheres asiáticas e africanas, que começaram sua produção com algumas centenas de pintos.

Produzido em grandes gaiolas em bateria, o frango industrial é vendido em partes e, devido à aplicação tecnológica, é muito mais barato que os produzidos pelos pequenos camponeses. Cada vez mais a indústria obriga os camponeses a assumir este tipo de técnica, onde o excedente é comercializado entre os pobres.

Perdedor também é o consumidor que é obrigado a consumir um produto sem gosto, mas fácil de preparar e condimentado, geralmente, quimicamente. Perdedor também é o meio ambiente: no Brasil, florestas são devastadas para a plantação de soja, na Ásia, fezes de frango poluem esgotos e mares.

O Brasil é um dos maiores exportadores mundiais de frango. Como é a relação entre a grande indústria e os pequenos avicultores?

Em apenas cinco anos, o Brasil duplicou sua produção avícola. A indústria levou milhares de camponeses a fazerem empréstimos e investirem na produção de aves. Para isto, indústrias fecharam contratos com os camponeses, obrigando-os a comprar pintos, ração e medicamentos de sua fabricação e a entregar-lhes os frangos a preços por ela estipulados. Assim funciona a produção agrícola em quase todo o mundo.

Os riscos de criação ficam por conta dos pequenos avicultores. Empresas de abate como a Sadia ou a Frangosul, no Sul do Brasil, cuidam do que vai acontecer depois. No Brasil, no entanto, tais empresas de abate fazem contratos injustos com preços fixos para os avicultores. Devido aos empréstimos adquiridos, nada mais resta a estes do que aceitar o preço imposto. Para baixar o preço, as empresas exigem um número cada vez maior de gaiolas, o que provoca cada vez mais dívidas.

Famílias inteiras trabalham na criação de frangos, não tendo mais tempo para a lavoura. Se, por medo da gripe aviária, por exemplo, seus frangos não mais forem vendidos, os camponeses estão arruinados. Tudo isso é conseqüência da globalização. Há poucas semanas, presenciei em Santa Catarina uma barricada de pequenos avicultores que queriam chamar a atenção para sua situação desesperadora, exigindo contratos mais firmes com a indústria e créditos mais baratos do Estado.

Como os países mais pobres e os pequenos camponeses podem ser ajudados e por que escreveu O Frango Global?

Eu trabalho para o Serviço das Igrejas Evangélicas [de confissão luterana] na Alemanha para o Desenvolvimento (EED). Ajudamos muitas camponesas, na África, a construírem cooperativas de produção de frangos que não sobreviveram à concorrência das exportações de frango congelado da Europa, Brasil ou Estados Unidos.

Damos dinheiro e crédito para a execução de pequenos projetos e, ao mesmo tempo, os dizimamos através da exportação de nossos excedentes aos africanos. Tais países não podem se proteger, porque as regras da Organização Mundial de Comércio os proíbem de aumentar a alíquota de importação de tais produtos.

Nós exigimos que existam mecanismos de proteção para os países mais pobres contra este comércio injusto com mercadorias subvencionadas ou excedentes da União Européia. É necessário que os governos de tais países apóiem os pequenos camponeses. Como vivenciei há pouco, o governo brasileiro tem um bom programa de apoio a pequenos avicultores. Cantinas públicas só são subvencionadas se comprarem produtos destes avicultores.

Isto também deveria ser permitido aos países africanos, onde 70% da população ainda vive da agropecuária e ela é tudo o que têm para sobreviver. Criar uma consciência de que estas pequenas estruturas camponesas têm que ser mantidas, mas que são ameaçadas pelo agronegócio é a meta de O Frango Global.

Mais informações sobre a Alemanha e a Europa no site www.DW-WORLD.DE/brasil



Brasil gera 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano

Brasil é o campeão de geração de lixo na América Latina.

Brasil gera 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano

Projeto no Cerrado recupera área de 110 mil campos de futebol

Ação ensinou 7,8 mil produtores rurais a usar práticas sustentáveis.

Projeto no Cerrado recupera área de 110 mil campos de futebol

A necessária educação ambiental à sociedade civil

A obrigação de conservação da natureza é de todos nós.


IBGE lança mapa com biomas brasileiros

O bioma da Amazônia ocupa 49,5% do território. Em segundo maior bioma é o Cerrado (23,3%),

IBGE lança mapa com biomas brasileiros

UFSCar e Cefet-MG produzem canudos biodegradáveis a base de amido da mandioca

Trabalho conjunto acontece no âmbito do Instituto Midas de Tecnologias Ambientais e aliou experiência na área de Química à Engenharia de Materiais.

UFSCar e Cefet-MG produzem canudos biodegradáveis a base de amido da mandioca

Equipe de vendas da Cerveja Corona vai ajudar a limpar as praias do nordeste

Marca de cerveja libera seus colaboradores de áreas litorâneas para mobilização, que acontece no dia 24 de outubro, em parceria com o IBAMA.

Equipe de vendas da Cerveja Corona vai ajudar a limpar as praias do nordeste

As dificuldades dos municípios no saneamento

A expansão da infraestrutura na área de saneamento é essencial para melhorar a qualidade de vida da população.

As dificuldades dos municípios no saneamento

Bioeconomia é tema de nova página digital da Embrapa

Bioeconomia é um modelo de produção que alia sustentabilidade e renda.

Bioeconomia é tema de nova página digital da Embrapa

Agenda 2030

Qual o papel da tecnologia no plano de ação mais importante do planeta?


Petrobras recolhe 200 toneladas de resíduos de óleo nas praias do Nordeste

Cerca de 1700 agentes ambientais contratados pela companhia atuaram na limpeza das áreas impactadas.

Petrobras recolhe 200 toneladas de resíduos de óleo nas praias do Nordeste

Minas consolida planos diretores em 90% das bacias hidrográficas

Até 2020, todas as 36 bacias presentes no estado serão contempladas.

Minas consolida planos diretores em 90% das bacias hidrográficas

A Gestão da Educação Ambiental

A gestão pública por meio da Educação Ambiental necessita difundir o conceito de futuras gerações.

A Gestão da Educação Ambiental