Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Poluição do ar mata mais que cigarro, diz estudo

Poluição do ar mata mais que cigarro, diz estudo

14/03/2019 Deutsche Welle

Pesquisa aponta que poluição atmosférica causa quase 9 milhões de mortes por ano no mundo, o dobro do estimado anteriormente.

Poluição do ar mata mais que cigarro, diz estudo

A poluição do ar mata anualmente mais pessoas do que o tabagismo, de acordo com uma pesquisa divulgada. Cientistas da Alemanha e do Chipre estimaram que a poluição do ar causou 8,8 milhões de mortes em 2015 – quase o dobro dos 4,5 milhões anteriormente estimados.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que o tabagismo mate cerca de 7 milhões de pessoas por ano em todo o mundo.

Os pesquisadores constataram que na Europa – o foco principal da pesquisa da Sociedade Europeia de Cardiologia – a poluição do ar resultou em 790 mil mortes, sendo que entre 40% e 80% delas ocorreram em decorrência de doenças cardiovasculares, como ataques cardíacos e derrames.

"Como a maior parte do material particulado e de outros poluentes atmosféricos na Europa provêm da queima de combustíveis fósseis, precisamos mudar para outras fontes de geração de energia com urgência", disse Jos Lelieveld, coautor do estudo e membro do Instituto Max-Planck de Química em Mainz, na Alemanha, e do Instituto Cipriota de Nicósia.

"Quando usamos energia limpa e renovável, não estamos apenas cumprindo o Acordo de Paris para mitigar os efeitos das mudanças climáticas, mas também podemos reduzir as taxas de mortalidade relacionadas à poluição do ar na Europa em até 55%", disse Lelieveld.

O estudo, divulgado na publicação científica European Heart Journal, se concentrou no ozônio e nas menores partículas poluidoras, conhecidas como PM2.5, que são particularmente prejudiciais à saúde, pois podem penetrar nos pulmões e até mesmo entrar na corrente sanguínea.

Os cientistas aplicaram o novo Modelo de Exposição Global de Mortalidade a um amplo banco de dados epidemiológico – com números atualizados de densidade populacional, idade, fatores de risco de doença, causas de morte – para simular a maneira como produtos químicos naturais e artificiais interagem com a atmosfera.

Os pesquisadores relataram que novos dados indicam que o impacto danoso à saúde das PM2.5 – a principal causa de doenças respiratórias e cardiovasculares – foi muito pior do que se pensava anteriormente. Eles defenderam uma redução na União Europeia (UE) do limite máximo para as PM2.5, que atualmente é de 25 microgramas por metro cúbico – 2,5 vezes maior do que recomenda a OMS.

"Na Europa, o valor máximo admissível é alto demais", disseram Lelieveld e o coautor Thomas Munzel, do Departamento de Cardiologia do Centro Médico Universitário de Mainz, em comunicado conjunto. "Nos EUA, na Austrália e no Canadá, a diretriz da OMS é tomada como base para a legislação, o que também é necessário na UE."

Em todo o mundo, a poluição do ar vem causando 120 mortes a cada 100 mil pessoas por ano.

Europa, apesar de haver controles de poluição mais rigorosos do que na maioria das outras regiões, o número é maior – 133 mortes por 100 mil habitantes.

"Isso é explicado pela combinação de má qualidade do ar e densidade populacional, o que leva a uma exposição que está entre as mais altas do mundo", disse Lelieveld.

As taxas são ainda mais altas no Leste Europeu, em países Bulgária, Romênia e Croácia, onde foram registradas 200 mortes por ano a cada 100 mil pessoas. Tais números foram atribuídas a cuidados de saúde menos avançados.

"Para colocar isso em perspectiva, isso significa que a poluição do ar causa mais mortes por ano do que o consumo de tabaco", disse Munzel.

Fonte: Deutsche Welle



Governo vai contratar mais de mil brigadistas

Eles vão atuar na prevenção e combate ao fogo em unidades de conservação do ICMBio

Governo vai contratar mais de mil brigadistas

DESPERDÍCIO: evite na vida e na carreira

Especialista dá dicas de como combater 5 desperdícios fatais.

DESPERDÍCIO: evite na vida e na carreira

Guia ensina a identificar mamíferos aquáticos do Brasil

Publicação mostra diferenças entre baleias, golfinhos e peixe-boi.

Guia ensina a identificar mamíferos aquáticos do Brasil

Plano de Segurança Hídrica prevê investimentos de R$ 26,9 bilhões

Plano pretende reduzir de 50% para 11% risco de segurança hídrica no país até 2035

Plano de Segurança Hídrica prevê investimentos de R$ 26,9 bilhões

Pesquisadores registram imagens de buraco negro pela 1ª vez

O buraco negro está a 55 milhões de anos-luz da Terra

Pesquisadores registram imagens de buraco negro pela 1ª vez

Primeiro parque nacional marinho do Brasil completa 36 anos

Abrolhos guarda a mais rica biodiversidade do Atlântico Sul, além de contribuir para o desenvolvimento da economia local

Primeiro parque nacional marinho do Brasil completa 36 anos

Campanha volta a recolher óleo de cozinha em várias cidades do País

A ação conta com mais de 350 revendas parceiras na coleta de óleo de cozinha usado para produção de sabão biodegradável e biodiesel.

Campanha volta a recolher óleo de cozinha em várias cidades do País

Estudo prevê crescimento de 24% do consumo de água até 2030

Somente a agricultura irrigada é responsável por 52% de toda a água retirada no país.

Estudo prevê crescimento de 24% do consumo de água até 2030

10% do lixo plástico nos oceanos vêm de pesca fantasma

São os equipamentos de pesca abandonados que ameaçam as espécies, diz ONG

10% do lixo plástico nos oceanos vêm de pesca fantasma

Plano visa proteção da Mata Atlântica em Minas Gerais

Foram assinados termos de parceria para fortalecimento dos conselhos municipais de meio ambiente para conservação e recuperação do bioma da Mata Atlântica

Plano visa proteção da Mata Atlântica em Minas Gerais

Parlamento Europeu aprova banir plástico descartável

Medida proíbe produtos plásticos descartáveis aos quais existem alternativas no mercado, como canudos, copos e cotonetes.

Parlamento Europeu aprova banir plástico descartável

Inscrições abertas para o Prêmio de Boas Práticas Ambientais

Para premiação, serão analisados trabalhos com resíduos sólidos agropecuários, industriais e minerários