Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Sistemas alternativos são a solução para áreas rurais

Sistemas alternativos são a solução para áreas rurais

13/06/2007 Da Redação

Desde 1999, a Cemig possui um projeto que eletrifica áreas rurais de Minas Gerais. Cerca de 1.380 escolas já foram beneficiadas com energia elétrica, mas a meta da empresa é levar luz a 7000 pessoas até o final de 2008.

Nas áreas em que a extensão da rede elétrica fica inviável, a Cemig instala sistemas fotovoltaicos de geração de energia. São equipamentos que transformam a luz solar em eletricidade. A engenheira eletricista da Cemig e professora da PUC Minas, Antônia Sônia Alves Cardoso Diniz (foto), explica como funcionam esses sistemas alternativos e sua importância social e ambiental.

“O Debate”: Como funcionam os sistemas foto-voltaicos de geração de energia?

Antônia Sônia Diniz: Basicamente é a conversão da energia solar em eletricidade. O fóton entra no equipamento e movimenta os elétrons, gerando a corrente elétrica. O equipamento é composto de um gerador de energia, um banco de baterias, no caso dos sistemas isolados, controlador de carga e um inversor, que converte energia elétrica em corrente contínua para a corrente alternada.

“O Debate”: Existem variações desse sistema?

Diniz: Sim. Existem três tipos de sistema fotovoltaico: os sistemas isolados, muito utilizados em áreas rurais onde a rede elétrica não chega, os interligados à outra fonte de energia ou rede elétrica, muito utilizados para abastecer grandes áreas, e em equipamentos, como calculadoras. Nos sistemas interligados, a eletricidade não é gerada na carga, mas na rede elétrica. Pode ser em forma de plantas, ou seja, grandes subestações e usinas geradoras, ou diretamente no imóvel. Enquanto o sistema interligado complementa a rede elétrica, o isolado está ligado às baterias que ajudam a gerar energia quando a luz solar está fraca ou ausente.

“O Debate”: A produção de energia é constante, mesmo em dias nublados?

Diniz: Sim, pois no caso dos sistemas isolados, em dias de pouco sol ou na parte da noite, as baterias geram a energia, substituindo a energia solar. No caso dos sistemas interligados, a rede elétrica supre essa demanda.

“O Debate”: Os equipamentos fotovoltaicos geram algum tipo de impacto ambiental?

Diniz: Não possui impacto ambiental, a produção é muito controlada e os equipamentos não emitem qualquer tipo de substância nociva. No caso dos isolados, as baterias podem sim causar algum impacto, mas suas carcaças são reaproveitadas justamente devido a essa preocupação.

“O Debate”: Quais são as limitações técnicas e econômicas desses sistemas? Exige algum tipo de manutenção?

Diniz: As limitações são mais econômicas do que técnicas, uma vez que o sistema pode ser do tamanho que for preciso. O equipamento pode ser modelado dependendo da potência que deseja gerar. Quanto a manutenção, é um equipamento que dá defeito, como qualquer outro, mas o gerador não dá, já o inversor e o controle da bateria, sim. A manutenção é pouca se for bem instalado.

“O Debate”: Esses equipamentos são realmente vantajosos, uma vez que o que o consumidor economiza de energia é bem menos do que o investido no aparelho durante os 25 anos de vida útil?

Diniz: No caso do Brasil, os sistemas isolados são utilizados quando fica impossível estender a rede elétrica à região. Já no Japão e Alemanha os sistemas interligados são muito utilizados já que a energia elétrica deles é gerada através da queima de carvão, tornando-se muito cara. Hoje é lei no Japão, se você for reformar a casa tem que instalar um sistema fotovoltaico. É um projeto governamental. Para eles é lucrativo, pois economizam combustível fóssil, reduzindo a emissão de carbono na atmosfera.

“O Debate”: Como funciona o programa da Cemig de eletrificação rural?
Diniz: Desde 1999 a Cemig já vinha eletrificando áreas rurais, em 2004 foi criado o projeto Luz do Saber por que ainda havia 1200 escolas sem eletricidade. Esperamos alcançar a meta de 7000 beneficiados até 2008. Nós damos prioridade para áreas rurais do Norte e Leste de Minas Gerais.

“O Debate”: Quais os critérios de seleção das comunidades beneficiadas? Quais os custos do projeto?
Diniz: Antes de instalar os sistemas nas áreas rurais, a Cemig faz uma avaliação técnica e econômica. A limitação em Minas é econômica, pois deve-se diminuir o custo do sistema e do programa para que haja redução de tarifa, pois é toda a sociedade que paga por esses novos usuários. Então a Cemig tenta todas as opções que gerem menos custos possíveis. O consumidor desse projeto é de baixa renda e a tarifa paga por eles não remunera o investimento, então o pagamento é realizado através do subsídio cruzado, ou seja, a sociedade inteira paga.

“O Debate”: Esses sistemas são populares no Brasil?
Diniz: Os sistemas interligados ainda estão em fase de teste na Cemig. No caso dos isolados, não são nada populares. A dificuldade em popularizar os sistemas é que as comunidades rurais querem a rede elétrica que eles conhecem, não querem limitações. Essas limitações são a forma que encontramos de viabilizar o programa e atender o maior número de pessoas possível. Não adianta instalar um sistema que forneça mais do que 40KWh/mês (o que é gasto pelas populações rurais em Minas). É desnecessário instalar um sistema que gere 70 a 80 KWh/mês para uma casinha que possua apenas uma geladeira e uma TV. O mais popular é a utilização desses sistemas para o bombeamento de água. Na região do Vale do Jequitinhonha existem muito poços e sistemas de bombeamento que trazem grandes benefícios para a comunidade local.

“O Debate”: No território Brasileiro  quais são os principais fabricantes desses equipamentos?
Diniz: Não temos fabricantes nacionais, apenas a montadora Heliodinâmica, mas muito pequena e que não agüenta a concorrência que vem de outros países.

“O Debate”: Então quais empresas produzem os sistemas fotovoltaicos?
Diniz: São muitas, multinacionais de renome como a Kiocera, Solar Fabrik e a Shell. Nota-se que grandes petrolíferas estão investindo no setor. Elas têm o interesse de colocar a fabricação de sistemas fotovoltaicos como segunda opção de negócio delas.



Projeto no Cerrado recupera área de 110 mil campos de futebol

Ação ensinou 7,8 mil produtores rurais a usar práticas sustentáveis.

Projeto no Cerrado recupera área de 110 mil campos de futebol

A necessária educação ambiental à sociedade civil

A obrigação de conservação da natureza é de todos nós.


IBGE lança mapa com biomas brasileiros

O bioma da Amazônia ocupa 49,5% do território. Em segundo maior bioma é o Cerrado (23,3%),

IBGE lança mapa com biomas brasileiros

UFSCar e Cefet-MG produzem canudos biodegradáveis a base de amido da mandioca

Trabalho conjunto acontece no âmbito do Instituto Midas de Tecnologias Ambientais e aliou experiência na área de Química à Engenharia de Materiais.

UFSCar e Cefet-MG produzem canudos biodegradáveis a base de amido da mandioca

Equipe de vendas da Cerveja Corona vai ajudar a limpar as praias do nordeste

Marca de cerveja libera seus colaboradores de áreas litorâneas para mobilização, que acontece no dia 24 de outubro, em parceria com o IBAMA.

Equipe de vendas da Cerveja Corona vai ajudar a limpar as praias do nordeste

As dificuldades dos municípios no saneamento

A expansão da infraestrutura na área de saneamento é essencial para melhorar a qualidade de vida da população.

As dificuldades dos municípios no saneamento

Bioeconomia é tema de nova página digital da Embrapa

Bioeconomia é um modelo de produção que alia sustentabilidade e renda.

Bioeconomia é tema de nova página digital da Embrapa

Agenda 2030

Qual o papel da tecnologia no plano de ação mais importante do planeta?


Petrobras recolhe 200 toneladas de resíduos de óleo nas praias do Nordeste

Cerca de 1700 agentes ambientais contratados pela companhia atuaram na limpeza das áreas impactadas.

Petrobras recolhe 200 toneladas de resíduos de óleo nas praias do Nordeste

Minas consolida planos diretores em 90% das bacias hidrográficas

Até 2020, todas as 36 bacias presentes no estado serão contempladas.

Minas consolida planos diretores em 90% das bacias hidrográficas

A Gestão da Educação Ambiental

A gestão pública por meio da Educação Ambiental necessita difundir o conceito de futuras gerações.

A Gestão da Educação Ambiental

Processos de outorga de uso da água passa a ser 100% digital em Minas

Portaria do Igam também consolida normas em um só instrumento e padroniza prazo para apresentação de informações complementares.

Processos de outorga de uso da água passa a ser 100% digital em Minas