Portal O Debate
Grupo WhatsApp


4 coisas que seu filho nunca deve fazer na internet e como protegê-lo

4 coisas que seu filho nunca deve fazer na internet e como protegê-lo

18/09/2019 Divulgação

As crianças e adolescentes passam muito tempo na internet, mas a navegação pode ser segura e útil.

4 coisas que seu filho nunca deve fazer na internet e como protegê-lo

Veja aqui 4 coisas que seu filho nunca deve fazer na internet e saiba como protegê-lo!

Além de curtir, crianças e adolescentes postam conteúdos, sendo que a maior parte possui conta pessoal nas redes sociais. De acordo com dados coletados pelo Unicef, cerca de um terço dos usuários da web é formado por crianças. Além disso, os jovens são os que possuem maior presença online.

Os riscos que circulam esse público são grandes, mas se tornam ainda maior pelo fato de que alguns pais desconhecem as novas tecnologias. Por essa geração ser formada por crianças e adolescentes mais curiosos, desde muito cedo já utilizando diferentes aplicativos.

Como forma de proteger os filhos da exposição à internet, os pais precisam se atentar a alguns pontos. Veja aqui o que seu filho nunca deve fazer na internet e monitore-o, a fim de protegê-lo!

Coisas que as crianças não devem fazer online

Embora muitos aplicativos possuem restrições de idade, ainda assim é possível ver contas de menores de 12 anos. Isso ocorre muito nas redes sociais, especialmente, porém, em plataformas de jogos online também.

Mas como se pode perceber, as classificações etárias existem, porém, é dever dos responsáveis supervisionar as atividades online das crianças e adolescentes. E para monitorar celular dos filhos, os pais podem contar com apps de controle parental.

Além disso, é importante orientá-los sobre os perigos de navegar em redes sociais e utilizar outros apps. Confira a seguir, uma lista de coisas que seu filho nunca deve fazer na internet!

1. Participar de desafios online

Os desafios online vão muito além da “Baleia Azul”. Somente o YouTube disponibiliza muitos conteúdos voltados a desafios virtuais. Ou seja, vídeos que oferecem atividades e jogos para serem reproduzidos. E para conseguir popularidade, muitas crianças e adolescentes acabam por se envolver. Porém, a maioria das brincadeiras não são saudáveis, tampouco seguras.

2. Divulgar informações pessoais

A internet oferece muitos riscos às crianças e adolescentes e, por meio da divulgação de dados pessoais, elas ficam ainda mais vulneráveis. Publicar o endereço, nome da escola, número de telefone e outros, é uma exposição perigosa. Assim como o seu filho criou uma conta com data de nascimento falsa, muitas pessoas mal-intencionadas também possuem perfil falso. Ou seja, não dá para saber quem realmente está do outro lado da tela. 

3. Acessar plataformas não recomendadas

É bastante comum ver o perfil de crianças nas redes sociais e para conseguir entrar, elas o ano de nascimento. Facebook, WhatsApp e o YouTube são as que lideram esse tipo de usuários. Porém, a idade legal para acessar essas e outras redes sociais é, em sua maioria, a partir dos 13 anos. Além das redes sociais, muitos outros apps também solicitam a idade antes do primeiro acesso. Essa proibição se dá por conta de proteger as crianças e adolescentes de alguns riscos online.

4. Exceder o limite de tempo de navegação

Criança precisa brincar e se socializar, no mundo real. Passar horas conectadas à internet resulta em impactos negativos na vida dos pequenos. Além de comprometer o sono, também prejudica a alimentação e interação social. De acordo com um estudo levantado pela Academia Americana de Pediatria, crianças de 8 a 12 passam uma média de 32h semanais conectadas à internet. Esse estudo ainda apontou que a maioria delas não tem acompanhamento de um adulto.

Como proteger os filhos na internet

Existem muitas formas de permitir que o seu filho navegue na internet, sem expô-los. Veja algumas!

• Para se proteger de pedófilos e outras pessoas mal-intencionadas, alerte sobre o perigo de fazer amizades online com desconhecidos.

• Aconselhe-o sobre não postar informações pessoais.

• Alerte-o sobre o perigo de combinar se encontrar com alguém que só conhece virtualmente.

• Além de conversar e impor regras, os pais podem contar com aplicativos diversos, como o Find My Kids que definem o tempo online.

• Fique sempre atento ao histórico de navegação e tenha a senha das redes sociais dos seus filhos.

Saiba mais!

O aplicativo de monitoramento parental Find My Kids, por exemplo, além de contribuir com esse controle, ainda permite aos pais, saber a localização exata dos filhos. Ou seja, você instala no celular ou relógio inteligente do seu filho e fica tranquilo. Além disso, conta com vários outros recursos, como histórico de navegação e botão de emergência, caso ele esteja em perigo, aciona o botão para alertar os pais.

Vale a pena investir nessas dicas e se atentar a todas essas 4 coisas que seu filho nunca deve fazer na internet.

Fonte: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/quem-defende-os-direitos-das-criancas-na-era-digital,385536f4ca40f8d22e5bb3a231220be7i1fxis1n.html



A evolução da IoT e os desafios de segurança

A IoT ainda está em desenvolvimento e precisamos de uma solução de segurança que aprenda junto com ela.


Conheça o primeiro app brasileiro de chá de bebê online

A BBchow foi disponibilizado no Google Play e App Store já contabiliza 10 mil downloads.

Conheça o primeiro app brasileiro de chá de bebê online

Google será o responsável por mais uma crise mundial

Com a pandemia da covid-19, o lockdown e o isolamento impostos a boa parte da população na tentativa de conter o vírus, o mundo inteiro se vê frente a um cenário de desaceleração econômica, desemprego e crise financeira generalizada.


Startup Day 2020 abordará inovação pós-crise

Além de palestras com especialistas, o evento trará um espaço virtual para exposição de cases de sucesso, oficinas, demoday e muita interação entre os participantes.

Startup Day 2020 abordará inovação pós-crise

Vendas de brinquedos e jogos pela internet crescem mais de 400%

Pandemia antecipou tendências que levariam anos para se consolidarem, aponta especialista.

Vendas de brinquedos e jogos pela internet crescem mais de 400%

Rede social indeniza por bloqueio de conta de usuária

Para o relator, faltou justificativa plausível para desligamento

Rede social indeniza por bloqueio de conta de usuária

Coronavírus faz disparar procura por tutoria online

Busca pelo serviço desde o começo do distanciamento social confirma a tendência de consolidação de novas formas de EaD.

Coronavírus faz disparar procura por tutoria online

Números de acessos à plataforma de telemedicina dobra em abril

Com a tecnologia, através da telemedicina é possível expandir a capacidade de atendimento.

Números de acessos à plataforma de telemedicina dobra em abril

Justiça mineira isenta empresas de internet

Justiça mineira isenta empresas de internet.

Justiça mineira isenta empresas de internet

Quais os limites da privacidade em tempos de pandemia?

É tempo de reavaliar e usar sim a tecnologia a favor do bem comum.

Quais os limites da privacidade em tempos de pandemia?

E-commerce cresce 35% em período de pandemia

Especialista explica que alta se dá devido ao isolamento social.

E-commerce cresce 35% em período de pandemia

Instagram cresce 57% como plataforma de vendas nos últimos meses

Atualmente, 78% das empresas brasileiras estão presentes em pelo menos uma mídia social.

Instagram cresce 57% como plataforma de vendas nos últimos meses