Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Inteligência artificial também precisa ser justa e transparente

Inteligência artificial também precisa ser justa e transparente

28/05/2019 Frank Coelho de Alcantara

As corporações da vida real já estão gerando insegurança entre a população.

Inteligência artificial também precisa ser justa e transparente

O governo brasileiro subscreveu, junto com 41 países, os princípios definidos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para a adoção de sistemas baseados em inteligência artificial (IA). Logo, a partir do último 22 de maio, o Brasil se compromete a utilizar a IA de forma que estes sistemas sejam justos, transparentes e responsáveis. Isso tem pouco efeito sobre a tecnologia em si, mas impacta a forma com a qual ela será utilizada.

A inteligência artificial induz medo. Principalmente por causa de nosso desconhecimento sobre seus limites e pelo estímulo da ficção científica cinematográfica — tememos HAL 9000 de 2001: Uma Odisseia no Espaço, Ultron dos Vingadores e até mesmo Auto, de Wall-e. As corporações da vida real já estão gerando insegurança entre a população, o que motivou a OCDE, juntamente com a Comunidade Europeia e o governo americano, a tomar essa iniciativa.

Em um caso recente e impactante, a empresa inglesa Cambridge Analytica mostrou como os dados recolhidos pelo Facebook poderiam ser utilizados para controlar o comportamento do público. Usando dados e algoritmos de inteligência artificial, seria possível até mesmo alterar o processo democrático — que deveria ser espontâneo. Por conta disso, a gigante mídia social está sofrendo forte oposição do governo americano.

Há uma charge excelente circulando na rede, em que um garotinho diz para Mark Zuckerberg: “meu pai disse que você está espionando a gente”. Ao que ele responde: “ele não é seu pai”.

Por isso, o documento da OCDE destaca que os países se comprometem a garantir que os sistemas de inteligência artificial tenham como base cinco pontos. O primeiro é o crescimento inclusivo e o desenvolvimento sustentável. Devem também respeitar o estado de direito, os direitos humanos, os valores democráticos e a diversidade (permitindo a intervenção humana). Precisam ser transparentes e seguros. Seu funcionamento deve acontecer de maneira robusta, com avaliação contínua de riscos. Por último, devem ter como responsáveis as organizações e indivíduos que as desenvolvem, implantam ou operam.

Em outras palavras, devem ser justos, amplos, democráticos, seguros e responsáveis.

Caberá a cada país introduzir esses conceitos nas leis que regulam o desenvolvimento de sistemas eletrônicos e sua relação com os seres humanos. Do ponto de vista da humanidade em geral, não poderiam existir melhores intenções. E, como se diz popularmente, “de boas intenções o inferno está cheio”.

Precisamos criar o quanto antes o arcabouço legal que vai garantir esses princípios — o que não será tarefa fácil. Para além das boas intenções, esses cinco princípios precisam ser regulamentados de forma clara, sem gerar dúvidas ou interpretações equivocadas ou dúbias.

Tomemos por exemplo Israel, que já faz parte da OCDE e também subscreve esses princípios. Nesse pequeno país do Oriente Médio, com menos de nove milhões de habitantes, já existem 950 startups voltadas apenas ao desenvolvimento de sistemas de inteligência artificial em áreas que vão da venda de legumes à exploração espacial. Não há transparência sobre o que está sendo desenvolvido e como isso deve impactar na vida das pessoas.

Caberá às instituições de ensino superior aprofundar a discussão ética sobre a inteligência artificial e ver como é possível progredir sem denegrir. Fazer com que sistemas inteligentes sejam criados sem destruir empregos, vidas e países. A tarefa é árdua, mas possível e urgente.

* Frank Coelho de Alcantara é engenheiro, mestre em Ciência, Gestão e Tecnologia da Informação pela UFPR e coordenador do curso de Engenharia da Computação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Uninter / Pg1 Comunicação



Mais de 60% dos jovens admitem enviar ou receber nudes

Pesquisa mostra que jovens entre 16 e 24 anos são os que mais enviam imagens íntimas uns aos outros

Mais de 60% dos jovens admitem enviar ou receber nudes

Fim do suporte para o Windows 7

Uma chance para modernizar as empresas.


Você sabe quais são os tipos de Startups?

Conheça dois modelos de empreendimento e suas características

Você sabe quais são os tipos de Startups?

Locadoras digitais e o ‘espectador sob demanda’

A mudança de hábitos dos usuários está obrigando às empresas focadas em produção audiovisual a repensar sua estratégia.

Locadoras digitais e o ‘espectador sob demanda’

Existe privacidade na internet?

A privacidade na internet não é um mito, mas é praticamente impossível

Existe privacidade na internet?

Digitalização e humanidade

Como olhar para o futuro e ver um mundo que ainda não existe? Não há tecnologia que possa fazer esse trabalho.


Mobilidade digital: transformação e oportunidade

Os desafios do futuro encorajam as fábricas a repensar seu papel no presente.

Mobilidade digital: transformação e oportunidade

Por que a cibersegurança é estratégica para profissionais de TI e negócios?

Evitar falhas, ataques cibernéticos e vazamento de informações é uma preocupação de todos os departamentos e da alta cúpula das empresas.


Concurso da Alemanha busca jovens inovadores no Brasil

Candidatos de todas as áreas do conhecimento podem se inscrever no Falling Walls Lab até 31 de julho

Concurso da Alemanha busca jovens inovadores no Brasil

Estudo mostra que o Brasil é pouco ou muito pouco inovador

Em pesquisa da CNI, quase metade dos entrevistados concorda que o Brasil carece de inovação na indústria

Estudo mostra que o Brasil é pouco ou muito pouco inovador

Afinal, Neymar cometeu “crime digital”?

O principal assunto dos últimos dias é o caso Neymar.

Afinal, Neymar cometeu “crime digital”?

Brasil já tem 138 milhões de celulares 4G

A cobertura de 4G já está em 4.503 municípios, onde moram 95,8% da população brasileira

Brasil já tem 138 milhões de celulares 4G