Portal O Debate
Grupo WhatsApp

LinkedIn se torna aliado na recolocação profissional

LinkedIn se torna aliado na recolocação profissional

28/05/2018 Divulgação

Presente em 200 países, conta com 500 milhões de usuários no mundo e 45 milhões no Brasil

LinkedIn se torna aliado na recolocação profissional

No primeiro trimestre de 2018, a taxa de subutilização da força de trabalho no Brasil chegou a 27,7 milhões de pessoas que se dividem entre desempregados, subocupados, desalentados e pessoas que não podem assumir uma vaga de trabalho no momento, de acordo com o IBGE.

Este cenário desafiador e incerto de desemprego, faz surgir uma maior procura por ferramentas que ajudam na recolocação profissional, e uma delas são as redes sociais, mais precisamente o LinkedIn, – presente em 200 países, conta com 500 milhões de usuários no mundo e 45 milhões no Brasil – que se tornou o principal espaço para o desenvolvimento de projetos, divulgação de artigos e estímulo de contatos profissionais.

Com o objetivo de intensificar a construção de uma interação mais próxima entre candidatos a vagas de emprego e headhunters ou profissionais de Recursos Humanos no LinkedIn, a consultora e diretora da empresa Leaders HR-Consultants, Astrid Vieira aponta algumas funções da plataforma e as principais atitudes que devem ser tomadas por parte dos profissionais, para que consigam notoriedade e visibilidade dentre os recrutadores.

Astrid explica que uma pequena parcela das pessoas se habituaram a acessar e fazer uso das ferramentas do LinkedIn de maneira cotidiana, mas que a inclusão na rede vem aumentando.

“Trabalho há mais de 20 anos com profissionais que estão desempregados e nos últimos anos realizo workshops sobre o LinkedIn. O que percebo claramente é que a rede social se tornou mais um grande instrumento na área de recolocação, pois contribui de forma direta para a geração de contatos profissionais consistentes e eficientes”, afirma.

Segundo a consultora, apesar do aumento do uso dessa rede social, alguns recursos ainda são poucos conhecidos pela maioria dos usuários no Brasil. “Algumas pessoas veem a plataforma como uma forma de divulgação de currículo, outras já sabem interagir nos grupos do LinkedIn, mas a maioria ainda não sabe usar a rede social para a busca de uma nova colocação profissional”, pontua.

De acordo com Astrid Vieira, as pessoas que procuram transformar o perfil do LinkedIn em um currículo, podem fazer uso da ferramenta Resume Builder. Além desse recurso, a rede social também dispõe de outros aplicativos e abas funcionais, que podem facilitar a divulgação de qualificações profissionais e a interação assertiva entre usuários.

Astrid ressalta que o LinkedIn também permite a segmentação e organização de contatos, por meio do uso da aba “Conexões”; a busca por vagas de emprego na área de formação do candidato, por meio do uso da aba “Empregos”; e a inserção de palavras-chave relacionadas a área de trabalho do candidato. “O LinkedIn também é uma ferramenta de buscas baseada em palavras-chave. Então, quanto mais o usuário fizer uso de palavras-chave relacionadas a sua área de trabalho, maiores serão as possibilidades do seu perfil ser encontrado por algum recrutador”, explica.



Como proteger o infoproduto e o conteúdo digital e ficar seguro na Internet

A opção clássica é fazer o registro na Biblioteca Nacional garantindo uma proteção mais efetiva.

Como proteger o infoproduto e o conteúdo digital e ficar seguro na Internet

Plataformas digitais faturam equivalente a 48,8% do PIB brasileiro

FENAJ apresenta proposta de taxar parte para financiar jornalismo.

Plataformas digitais faturam equivalente a 48,8% do PIB brasileiro

WhatsApp testa no Brasil funcionalidade de indicação de negócios

Recurso é, por enquanto, exclusivo para usuários de São Paulo.

WhatsApp testa no Brasil funcionalidade de indicação de negócios

Brasília e Uberlândia são as ganhadoras do Prêmio Cidades Amigas da Internet

Divulgado no Painel Telebrasil 2021, prêmio reconhece as ações dos municípios para incentivar a implantação de infraestrutura de telecomunicações e a expansão da conectividade.

Brasília e Uberlândia são as ganhadoras do Prêmio Cidades Amigas da Internet

WhatsApp vai parar de funcionar em mais de 40 modelos de smartphones. Veja a lista

Se o seu celular estiver na lista, a solução é utilizar outro serviço para mensagens ou trocar de aparelho.

WhatsApp vai parar de funcionar em mais de 40 modelos de smartphones. Veja a lista

Conheça algumas fraudes que utilizam o PIX e como prevenir

Após mais de seis meses de início do uso do PIX, já surgiram diversas estratégias de golpes registradas utilizando essa ferramenta.

Conheça algumas fraudes que utilizam o PIX e como prevenir

Qual será o futuro do mobile marketing?

O celular se tornou uma extensão dos nossos corpos. No Brasil, o número de pessoas que usam tal aparelho principalmente para acessar a internet, vem crescendo cada vez mais – tendo chegado a 99% em 2019, segundo dados do TIC Domicílios.

Qual será o futuro do mobile marketing?

SMS pirata: como essa prática pode prejudicar o seu negócio?

O SMS é um canal de comunicação muito versátil, sendo altamente eficaz no envio de mensagens rápidas, curtas e de forma praticamente instantânea.

SMS pirata: como essa prática pode prejudicar o seu negócio?

Nova certificação digital gera economia de 73% a Minas Gerais

Assinatura on-line de documentos contribui para eficiência na prestação de serviços e facilita acesso pelo cidadão.

Nova certificação digital gera economia de 73% a Minas Gerais

Os novos golpes virtuais: saiba como se prevenir

Boletos bancários, venda de veículos, atualização de dados, vacinas e outras iscas utilizadas pelos bandidos.

Os novos golpes virtuais: saiba como se prevenir

Brasileiro gastou mais na internet no primeiro semestre de 2021

Com a necessidade de isolamento social, as pessoas passaram a comprar mais pela internet.

Brasileiro gastou mais na internet no primeiro semestre de 2021

Anúncios no YouTube: cinco segundos que tem tirado muita gente do sério

Numa sociedade ansiosa a nível de desequilíbrio, os anúncios no YouTube tornam-se um tormento e os anunciantes perdem ao invés de ganharem, revela neurocientista.

Anúncios no YouTube: cinco segundos que tem tirado muita gente do sério