Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Sete motivos para jogar xadrez on-line

Sete motivos para jogar xadrez on-line

18/08/2020 Divulgação

Além da estratégia, jogo reforça respeito, resiliência, desenvolvimento, foco e concentração. Saiba por onde começar e por que é tão benéfico para crianças.

Sete motivos para jogar xadrez on-line

Com esportes e atividades em grupo suspensas devido à pandemia, cresce a procura por atividades que possam ser realizadas em casa e on-line. O xadrez é um desses casos, já que pode ser jogado on-line e ainda traz diversos benefícios para quem pratica.

De acordo com o professor de xadrez do Colégio Marista Santa Maria, Alberto Paulo Fedeszen Lapuch, tanto a versão de tabuleiro como o jogo on-line são bons exercícios para a mente. “Seja qual for o meio, o xadrez vai sempre trazer benefícios para o jogador”, afirma. “O jogo tradicional estimula a socialização e as amizades, mas no atual cenário, o mundo virtual permite jogar com pessoas do mundo inteiro. E especialmente durante a pandemia, é importante exercitar a mente e usar o tempo em casa para evoluir o pensamento estratégico e o xadrez é uma ótima alternativa para isso”.

Confira algumas dicas e motivos para começar a praticar o xadrez na rede:

Aproveite o mundo virtual
Existem diversas plataformas e aplicativos que ensinam a jogar xadrez. Eles oferecem facilidades como apresentar partidas e oponentes no seu nível de desenvolvimento, por exemplo. Além da facilidade de jogar em smartphones e tablets, que torna o esporte mais acessível.

Faça amigos
A prática do xadrez estimula a socialização e a formação de amizades. Seja um professor, um colega ou pessoas que apenas se encontram durante os jogos e torneios, o jogo tende a reunir pessoas que tem o esporte como hobby.

Linguagem universal
Na internet, é possível jogar com pessoas do mundo inteiro, mesmo sem saber falar outros idiomas. “A linguagem do xadrez é universal. Desde brasileiros, até russos, japoneses ou australianos, todos os jogadores podem interagir e se conectar por meio dos tabuleiros virtuais”, explica o professor.

Respeito mútuo
Acima de tudo, o xadrez é um jogo social. É preciso ter respeito com o outro jogador, empatia e resiliência para lidar com as diferentes situações e resultados. “Por mais que se esteja perdendo, não se deve abandonar um jogo, em respeito à outra pessoa”, comenta Lapuch. “Essa é uma lição valiosa que o xadrez nos traz, tanto no mundo virtual como no real. Saber perder e ganhar no tabuleiro nos prepara para muitas situações cotidianas”.

Desenvolvimento
Aprender com a evolução do jogo é o que mantém o interesse de jogadores experientes em todo o mundo. Para Alberto Lapuch “Assim como na vida, o xadrez nos mostra que se perdemos uma partida, é preciso estudar mais, praticar e tentar novamente. E o mesmo acontece com as vitórias, pois nos mostra que é possível encarar desafios maiores”.

Concentração
Durante o jogo é preciso formular uma estratégia e reavaliá-la a cada jogada. Isso exige concentração e foco do jogador de uma maneira constante e ativa. Com a prática, essas características vão sendo incorporadas também nos estudos e na leitura, por exemplo.

Foco na inteligência
Aprender e praticar xadrez desenvolve e amplia conhecimentos, bem como a inteligência, e o pensamento. O jogo forma pensadores críticos e analíticos, do ponto de vista social e esportivo, além de ajudar na formação do caráter.

Fonte: Página 1



O que fazer ao cair em um golpe virtual?

A pandemia foi um prato cheio para crimes cibernéticos. Desde março, a quantidade de golpes virtuais cresceu exponencialmente.

O que fazer ao cair em um golpe virtual?

Seis propostas de aplicativos do CEFET-MG são aprovadas em maratona nacional

Protótipos, selecionados entre 314 propostas de todo o país, usam tecnologia para auxiliar aprendizagem de Química, Energia Sustentável, História e Biologia nas escolas públicas.

Seis propostas de aplicativos do CEFET-MG são aprovadas em maratona nacional

Pós-pandemia: 30% das empresas devem manter home office, diz pesquisa

O estudo foi realizado em 17 países e contou com a participação de diretores de TI de empresas com mais de 2.500 funcionários.

Pós-pandemia: 30% das empresas devem manter home office, diz pesquisa

Vendas por aplicativo ganham força com Super-App da Zanthus

O Zapp agrega praticidade à rotina do consumidor, com self scan que permite escanear os produtos, gerar carrinho e finalizar a compra sem passar no caixa.

Vendas por aplicativo ganham força com Super-App da Zanthus

O que você tem feito para ingressar em um mercado mutante cada vez mais digital?

Bem-vindo (a) ao novo momento do mercado mutante digital e suas amplas possibilidades.

O que você tem feito para ingressar em um mercado mutante cada vez mais digital?

Startup unicórnio: saiba o que é e como criar uma

Menos de 10 anos atrás, os jovens pensavam em ser médicos, advogados e engenheiros.

Startup unicórnio: saiba o que é e como criar uma

Número de lojas exclusivamente virtuais cresce 40,7% em 2020

Isolamento e quarentena impulsionaram formas digitais de comércio.

Número de lojas exclusivamente virtuais cresce 40,7% em 2020

Qual será o futuro do TikTok?

Os dias parecem estar contados para o TikTok nos Estados Unidos.

Qual será o futuro do TikTok?

Pesquisa revela que 84,1% dos produtores rurais acessam tecnologias digitais

O estudo realizado pelo Sebrae, em parceria com Embrapa e Inpe, mostrou que o processo produtivo da agricultura brasileira conta com participação ativa de insumos tecnológicos.

Pesquisa revela que 84,1% dos produtores rurais acessam tecnologias digitais

Mercado Livre triplica lucro no 2º trimestre de 2020

Mercado Livre mantém para 2020 o plano de investimentos de 4 bilhões de reais no país.

Mercado Livre triplica lucro no 2º trimestre de 2020

Cultura organizacional e o sucesso das estratégias de segurança digital

As pessoas são o maior patrimônio de uma empresa.


Empreendedores menos escolarizados têm mais dificuldade de digitalizar os negócios

Pesquisa mostra resistência ou desinformação desses empresários sobre vendas pela internet.

Empreendedores menos escolarizados têm mais dificuldade de digitalizar os negócios