Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Startup cria aplicativo para evitar o uso do whatsapp

Startup cria aplicativo para evitar o uso do whatsapp

04/09/2019 Divulgação

O aplicativo PROH oferece privacidade por meio de uma interface entre clientes e profissionais que elimina o uso de telefone ou programas de mensagens instantâneas.

Startup cria aplicativo para evitar o uso do whatsapp

Já pensou em como é a rotina de um médico que recebe mensagens no Whatsapp dos pacientes a qualquer hora do dia ou da noite? Ou de um arquiteto que passa pela mesma situação? O Whatsapp transmite mais de 60 bilhões de mensagens ao dia e ao mesmo tempo que em que facilita a comunicação pessoal e profissional, criou um dilema sobre o controle da intimidade e a disponibilidade em tempo integral. Só no Brasil são 120 milhões de usuários cadastrados no Whatsapp utilizando de forma intensa o programa de troca de mensagens.

A startup curitibana PROH com apenas R$ 50 mil reais de investimento criou um aplicativo que está transformando a vida de profissionais de diversas áreas. Por meio dele é possível bloquear o contato fora do horário e impor limites sobre as demandas de trabalho. O aplicativo é uma interface entre os profissionais e os clientes, tornando o contato exclusivo pela plataforma e com ativação via Tecnologia NFC (Near Field Communication).

A tecnologia NFC é utilizada por meio de um cartão que funciona por aproximação. O profissional faz o cadastro no PROH e ganha um cartão NFC que ao ser escaneado pelo cliente é ativado. Com a ativação o cliente pode enviar ao profissional suas dúvidas e tem um prazo de até três horas para receber a resposta.

Criado pelos empreendedores Bruna Cavalli Reis, Pietro Maués e Lucas Mengarda, o PROH já está em negociação com grandes empresas do segmento de saúde e a projeção é finalizar o semestre com mais de 50 mil usuários cadastrados e mais de 10 mil profissionais.  Com o app, o usuário não tem mais acesso ao profissional por outro meio que não seja a ferramenta.

E o melhor: o cadastro na plataforma é gratuito, não há taxa de mensalidade e o serviço é cobrado pelo uso, debitado no cartão de crédito. Somente no primeiro mês de ativação do PROH a média é de que cada profissional cadastrado na plataforma recebeu R$ 500 pelas interações.

“Através do app o profissional oficializa o contato e fideliza os clientes, além de poder cobrar pelos atendimentos prestados. Para os clientes, geramos economia, comodidade e satisfação”, explica Pietro Maués.

O PROH está disponível em todo o Brasil, com download gratuito da plataforma pela Apple Store ou Google Play.

Fonte: Agência Souk



Cultura organizacional e o sucesso das estratégias de segurança digital

As pessoas são o maior patrimônio de uma empresa.


Empreendedores menos escolarizados têm mais dificuldade de digitalizar os negócios

Pesquisa mostra resistência ou desinformação desses empresários sobre vendas pela internet.

Empreendedores menos escolarizados têm mais dificuldade de digitalizar os negócios

Faça backup das conversas do WhatsApp de Android para iPhone

Você comprou um novo iPhone e pretende copiar todas as suas conversas do seu antigo android para este novo smartphone?

Faça backup das conversas do WhatsApp de Android para iPhone

Startups em logística: um novo negócio

No meio acadêmico, universidades já orientam os estudantes para essa tendência.

Startups em logística: um novo negócio

Brasil, o país do podcast

Já sabemos que podcasts estão em alta.

Brasil, o país do podcast

Twitter lança ferramenta de combate à violência doméstica

Recurso pode ser usado por vítimas e por testemunhas.

Twitter lança ferramenta de combate à violência doméstica

Inbound x Outbound: qual o melhor para o seu negócio

Venha descobrir neste post sobre as maiores vantagens e desvantagens do Inbound e Outbound Marketing para o seu negócio!

Inbound x Outbound: qual o melhor para o seu negócio

Brasil teve mais de 1,6 bilhão de ataques cibernéticos em três meses

OMS, Departamento de Saúde dos Estados Unidos e outras organizações também foram alvos dos hackers nos últimos meses.

Brasil teve mais de 1,6 bilhão de ataques cibernéticos em três meses

Consumidores que compraram alimentos pela internet chegam a 53%

Isolamento social causado pela covid-19 influencia pesquisa.

Consumidores que compraram alimentos pela internet chegam a 53%

A crise no boicote ao Facebook

O problema disso é que a única forma de monetização do Facebook é com anúncios.

A crise no boicote ao Facebook

TikTok, Covid-19 e Cyberwar: nunca fomos tão vigiados

Como no filme “A vida de Truman”, o cidadão comum é cada dia mais vigiado, não só no Brasil, mas, de modo geral, em todos os lugares do mundo.


Os avanços da tecnologia antifraude para as transações on-line

Em tempos de coronavírus e de isolamento social, estamos utilizando mais do que nunca o comércio eletrônico.

Os avanços da tecnologia antifraude  para as transações on-line