Portal O Debate
Grupo WhatsApp


30 anos da Constituição Federal de 1988

30 anos da Constituição Federal de 1988

04/10/2018 Pedro Vitor Melo Costa

No ano em que se “comemoram” os seus 30 anos, há de fato o que comemorar?

No dia 05 de outubro de 2018, a Constituição da República Federativa do Brasil completará 30 anos de sua promulgação. Quando elaborada, por meio de uma Assembleia Nacional Constituinte, a Constituição Cidadã inovou em diversos aspectos, fazendo os olhos do povo brilharem ante o fim dos 20 anos de Regime Militar no comando nacional.

Com a nova Constituição e a redemocratização do Brasil, o país voltou a ter esperança, com possibilidades de limitação do poder político e garantia dos direitos fundamentais, tão caros ao povo brasileiro. E agora, no ano em que se “comemoram” os seus 30 anos, há de fato o que comemorar?

No preâmbulo da CF/88, constituiu-se um novo Brasil: democrático destinado a assegurar os direitos fundamentais e garantir uma sociedade livre, justa e solidária, sempre pautada no desenvolvimento nacional. Além disso, estabeleceu em diversos dispositivos constitucionais, dentre eles como um dos fundamentos da República (art. 1º, III, CF), o valor da dignidade humana, reforçando o caráter nuclear do ser humano dentro do Estado brasileiro.

A constituinte de fato inovou, mas suas intenções demonstradas no preâmbulo até hoje não foram alcançadas. Vemos uma sociedade que não é livre nem solidária, e o desenvolvimento nacional cresce a passos muito lentos. Além disso, quando se fala em direitos fundamentais, o problema aumenta e toca em uma das principais feridas da nação brasileira: o descaso do poder público.

A Constituição de 88 mantém um rol extenso desses direitos e ainda permite que outros, decorrentes de tratados internacionais, possam ser incorporados à ordem jurídica brasileira. Mas o problema surge quando da concretização desses direitos. Só para se ter uma ideia, depois das duas Guerras Mundiais, surge um novo olhar para as Constituições, e o Brasil acompanha esse movimento.

A Constituição de 88 garante um extenso rol de direitos individuais, coletivos e sociais, uma ordem econômica muito bem estruturada, mas quando tudo isso vai ser colocado em prática, visando dar efetividade ao texto constitucional, como pretendeu a teoria neoconstitucionalista do pós-guerra, os problemas aumentam. Basta olhar para a situação da segurança nacional, educação, moradia, saúde, dentre tantos outros “direitos-problemas” que permeiam a sociedade brasileira. Dizer que a Constituição não os garante é faltar com a verdade; mas colocá-los em prática... aí, mais uma vez, o Estado tem falhado.

Então o que pensar de tudo isso? Sim, devemos comemorar os 30 anos da Constituição, com seus 250 artigos e 99 emendas, lembrando que de todas as Constituições da República, desde 1891, ela é a que completa o mais longínquo aniversário, representando o maior período de estabilidade constitucional brasileiro.

* Pedro Vitor Melo Costa é professor de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas.

Fonte: Imprensa Mackenzie



Entenda como funciona a LGPD na relação de emprego

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) determina regras e critérios sobre coleta, armazenamento e tratamento de dados pessoais.


Reforma Tributária e seus impactos no setor da saúde

Em 21 de julho de 2020 foi encaminhada ao Congresso Nacional a primeira proposta de Reforma Tributária, feita pelo ministro da economia Paulo Guedes.


Depoimento de presidentes da República – Tratamentos distintos

O ministro Celso de Melo, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, de forma inusitada, na sexta-feira (11), que o presidente da República prestasse depoimento de forma presencial, e não por escrito, à autoridade policial no inquérito que apura se houve interferência na Polícia Federal, segundo declarações do ex-ministro Sergio Moro.


O exercício da telemedicina antes e depois da pandemia

Com a necessidade do isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19, a telemedicina, prática que fomenta o exercício da medicina à distância, utilizando-se de meios tecnológicos para tanto, ganhou notoriedade.


Holding familiar é uma boa alternativa

Devido a pandemia do novo coronavírus e suas consequências negativas, o brasileiro passou a refletir mais sobre planejamento sucessório, ocasionando um aumento de 134% de testamentos em cartórios.


Como aumentar a eficiência da Justiça brasileira?

A sobrecarga do Judiciário é um antigo problema no Brasil.


5 pontos sobre Direito Ambiental que a sua empresa precisa saber

O mau uso do meio ambiente por parte das empresas é algo já não mais aceito diante do mercado.


Imposto de Renda deveria ser justo, proporcionar retorno ao cidadão e diminuir a pobreza

A melhor solução para o Brasil passaria por uma revisão completa da tributação das pessoas jurídicas e físicas, incluindo a tributação de dividendos, adotando-se sistemáticas de imputação há décadas utilizadas por países membros da OCDE para evitar a dupla tributação.


Empresas que desistem de contratar após exame admissional podem ter implicações

O advogado André Leonardo Couto, que tem mais de 25 anos de experiência na área trabalhista, alerta que os contratantes devem se pautar pela boa-fé e honrar ofertas e compromissos, pois a responsabilidade civil do empregador não está limitada ao período contratual.


LGPD e os condomínios

Seus reflexos para os condomínios, edifícios e empresas terceirizadas (administradoras de condomínio, empresas terceirizadas de portaria virtual e remota, entre outros).


Fux, um STF discreto, imparcial e justo

Quando, em seu discurso de posse na presidência do Supremo Tribunal Federal, o ministro Luiz Fux condenou a “judicialização vulgar e epidêmica” de temas que os outros poderes República – Legislativo e Executivo – deveriam resolver dentro dos seus próprios limites, suas palavras ecoaram pelo Brasil inteiro.


Sisbajud: o novo sistema de busca de ativos pela Justiça

Em agosto de 2020, entrou em funcionamento o Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário (SisbaJud) em substituição ao BancenJud.