Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A celeuma do Passaporte Sanitário

A celeuma do Passaporte Sanitário

11/01/2022 Bady Curi Neto

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.

Agora inicia-se outra discussão, infelizmente, apaixonada, cheia de viés político e ideológico, a respeito da legalidade e da Constitucionalidade do Passaporte Vacinal imposto aos cidadãos contra a Covid-19.

Permito-me distanciar da política partidária para discorrer sobre o tema, embasando, apenas e somente apenas, em nossa legislação.

Digo isto, porque a obrigatoriedade do dito Passaporte tem obtido contornos ideológicos, fugindo da razão jurídica. Pessoalmente, sou desfavorável ao Passaporte, mas vejo que sua obrigatoriedade é lícita e jurídica.

Em observância ao princípio Constitucional de que todos somos iguais perante a lei, a minha opinião ou de quem quer que seja, não pode ir em confronto com a legislação imposta, indistintamente, a todos os cidadãos.

Não restam dúvidas que o nefasto Covid-19 é caso de saúde pública. A Constituição Federal/88, em seu artigo 196, estabelece que a saúde é um direito de todos e um dever do Estado. Sendo assim, entende-se como dever um pressuposto obrigatório na sua efetivação pelo Estado.

Já o artigo 197, preceitua “São de relevância pública as ações e serviços de saúde, cabendo ao Poder Público, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle…”.

Depreende-se pelos artigos supra referidos que o Estado tem a imposição Constitucional de atuar, positivamente e obrigatoriamente, no desiderato de fornecer todo o tipo de prestação à saúde dos cidadãos, atuando, também, na redução ou prevenção de doenças, a exemplo das campanhas de vacinação.

Tendo o Estado o dever/obrigação de zelar pela saúde pública, pode impor, de acordo com a necessidade, aos cidadãos a obrigatoriedade da vacinação contra doença que coloque em risco a saúde da população.

Destaca-se que a lei 13.979/20, no caso do Coronavírus, autorizou ao Estado decretar as seguintes medidas, em seu artigo 3º, incisos I- Isolamento, II- quarentena, III- determinação compulsória de: a) exames médicos; b) Testes de laboratórios; d) vacinação e outras medidas profiláticas.

Portanto, a teor da legislação citada, pode o Estado impor a obrigatoriedade da vacinação, entre outras medidas, não há por que negar ao Estado maneiras de fazer cumprir sua determinação, sob pena de não haver sanção para o descumprimento.

A ausência do poder coercitivo de uma norma ou medida estatal, tornam-nas natimortas, é curial. A exigência do Passaporte Vacinal contra o nefasto Covid-19, nada mais é do que o Estado fazendo cumprir sua determinação de vacinação, com medidas administrativas, portanto, dentro da legalidade.

A competência da exigência do Passaporte pode ser adotada pela União, Estados e Municípios, em conjunto ou isoladamente, a teor do assentado no julgamento da ADPF 672 pelo STF:

“…a Constituição Federal consagra a existência de competência administrativa comum entre União, Estados, Distrito Federal e Municípios (art. 23, II e IX, da CF), bem como prevê competência concorrente entre União e Estados/Distrito Federal para legislar sobre proteção e defesa da saúde (art. 24, XII, da CF), permitindo aos Municípios suplementar a legislação federal e a estadual no que couber, desde que haja interesse local (art. 30, II, da CF); (…) com a consequente descentralização da execução de serviços, inclusive no que diz respeito às atividades de vigilância sanitária e epidemiológica (art. 6º, I, da Lei 8.080/1990)”.

Por conseguinte, nossos representantes do Poder Executivo, têm a competência de exigir o Passaporte Sanitário da Covid-19.

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre Passaporte Vacinal clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Os três anos da tragédia de Brumadinho/MG

Hoje, dia 25 de janeiro, o desastre de Brumadinho/MG completa três anos.


Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.


Quando uma empresa é excluída do Simples Nacional?

Irregularidades fiscais e alto faturamento resultam em penalidades e mudanças no regime de tributação.