Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância da elaboração de testamentos para a gestão da vida e do patrimônio

A importância da elaboração de testamentos para a gestão da vida e do patrimônio

06/10/2020 Viviane Limongi

É certo que, de modo geral, as pessoas não possuam o costume de refletir a respeito da gestão do seu patrimônio.

Particularmente, profissionais e estudiosos da área do Direito Civil percebem que este não é um hábito que faz parte da vida dos brasileiros.

Não, pelo menos, até agora. Alguns marcos da vida civil, importantes para a fixação de contornos patrimoniais, passam quase que despercebidos no dia a dia.

No casamento, é comum que as pessoas não reflitam, de modo aprofundado, sobre o regime de bens a ser adotado pelo casal, o que pode resultar, no futuro, em possíveis dúvidas e litígios. Já ante a hora da morte, a omissão quanto à destinação do patrimônio e questões existenciais é ainda maior.

No entanto, com a pandemia da Covid-19, sobreveio uma preocupação maior com a sucessão. Cartórios revelam que a procura por testamentos durante a crise sanitária cresceu 134%, segundo dados do Colégio Notarial do Brasil – Conselho Federal (CNB-CF).

Os números dizem respeito aos meses de abril a julho, e foi realizado um comparativo com o mesmo período do ano passado. Ao todo, houve um aumento de 1.249 testamentos em abril para 2.918 em julho deste ano.

O Colégio Notarial ainda aponta que a procura tem sido acentuada em relação a testamentos para idosos e profissionais de saúde, mais expostos na pandemia, mas também entre os jovens.

Desde o final de maio, tem sido permitido que os testamentos sejam realizados de forma online, por meio da plataforma e-Notariado, o que facilitou o acesso a esse instrumento.

A despeito do momento difícil que seguimos enfrentando, é positivo e necessário que o planejamento sucessório e, mais do que isso, que a elaboração de testamentos passe a fazer parte da vida das pessoas.

É preciso que todos tenham em mente que há instrumentos jurídicos disponíveis para que se delibere sobre o seu patrimônio tanto na sua vida, quanto após a sua morte.

Vale lembrar que os testamentos, por si só, também constituem instrumentos úteis para a deliberação de outras questões que não sejam patrimoniais.

Conquanto o Direito Civil, sob o ponto de vista histórico, estivesse relacionado estritamente a questões patrimoniais - pois remonta ao período da Revolução Francesa que culminou com o Código Civil Napoleônico de 1804 -, seu movimento de “personalização” é perene e atual.

Nesse sentido, o testamento também funciona como um instrumento para disposição sobre questões existenciais da vida humana, tais como reconhecimento de paternidade; nomeação de tutor ou, ainda, disposições para proteção de um filho com deficiência.

Essas questões existenciais podem e devem ser objeto de deliberação em testamento. Caso contrário, questões íntimas e pessoais que poderiam ser deliberadas de forma autônoma pelo testador, em atenção às particularidades e necessidades de sua família, passam a ser resolvidas pelo Estado sem nenhuma influência da vontade de quem parte.

Afinal, quem você quer que faça a gestão da sua vida: você ou o Estado?

* Viviane Limongi é mestre e doutoranda em Direito Civil e sócia do escritório Limongi Sociedade de Advogados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.