Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A influência da mídia no tribunal do júri

A influência da mídia no tribunal do júri

19/07/2021 Alexia de Castro Oliveira e Kamila Fernandes Lopes

Todos possuem acesso aos meios de comunicação e a mídia explora bastante os casos criminais.

Por vezes, extrapolando limites, infringindo os direitos individuais do réu, bem como a presunção de inocência. A população acaba sendo influenciada por preceitos midiáticos.

Os crimes dolosos contra a vida têm atraído a mídia, com o intuito de levar informação para a população. Às vezes, atrapalha o andamento do devido processo legal, por, em suas reportagens, criar comoção e revolta contra o suposto acusado.

Isso ocorre também com os jurados ali presentes para julgar o caso, sendo influenciados em suas decisões, podendo condenar um inocente.

O intuito do tribunal do júri é buscar a democracia para o sistema jurídico. Sua composição é de pessoas comuns e leigas em direito, que devem julgar apenas pelo seu próprio ponto de vista. O direito penal visa julgar o ato cometido pela pessoa e não a pessoa em si.

A Constituição não admite utilização de provas ilícitas no processo, porém, não dispõe sobre a divulgação dessas provas pela mídia.

Quando invadem a privacidade, os meios de comunicação extrapolam, causando danos irreparáveis na vida do ser humano.

Devendo ser questionado até que ponto é lícito invadir a privacidade com o mero pretexto de levar informação para a sociedade.

Outro requisito é o potencial de risco trazido pelas notícias do resultado do julgamento no Tribunal. As decisões dos jurados não precisam de fundamentação.

Decidem somente pela exposição do caso pela acusação e pela defesa, e em diversas vezes pela exposição midiática. Por esta razão, os julgamentos devem acontecer em lugar seguro e adequado.

A atualidade do julgamento é uma causa crucial porque as pessoas possuem mais acesso a quaisquer tipos de informações, podendo a mídia prejudicar ainda mais a vida de quem está sendo julgado no tribunal do júri.

Os meios de comunicação geram instabilidade no processo legal, uma vez que o acusado entra no julgamento condenado, sem que seja de fato julgado corretamente.

O direito penal foi criado com o objetivo de julgar o fato cometido pela pessoa e não a pessoa em si, devendo ser respeitado o princípio da presunção de inocência, que aduz: “ninguém será considerado culpado, antes do trânsito em julgado da sentença condenatória”.

A atuação da mídia sensacionalista viola também o Estado Democrático de Direito, atingindo os direitos e garantias fundamentais.

O estado deve comprovar a culpa dos acusados, respeitando os direitos constitucionais e garantindo que estes se tornem culpados somente após o trânsito em julgado.

Alguns casos de grande repercussão e influência midiática: Daniella Perez (1992), o maníaco do parque (1998), rebelião em 1992 no Carandiru (2001), Suzane Von Richthofen (2002), Isabella Nardoni (2008), Eloá Cristina Pimentel (2008), Elisa Samudio - Bruno Fernandes (2010), canibais de Garanhuns (2012).

Eles ficaram conhecidos pela forma como os crimes foram cometidos. Na maioria, por pessoas que eram próximas ou possuíam algum tipo de vínculo com as vítimas.

Os meios de comunicação em todo tempo fizeram a cobertura. Em alguns casos, os próprios advogados das partes, delegados de polícia e outras autoridades responsáveis, deram entrevista para a imprensa. Sendo o acusado exposto e condenado pela sociedade por um crime em que o processo ainda estava em curso.

O tribunal do júri se mostra cada vez mais frágil e manipulável, coisa que jamais poderia acontecer. Os julgamentos viram espetáculos, podendo atingir até o profissional do direito que atua no caso.

Salienta-se que a vida é o maior bem jurídico tutelado, o que leva a ser o tribunal do júri um dos mais importantes órgãos, responsável por julgar crimes dolosos contra a vida e a liberdade dos indivíduos.

Diante de tamanha importância, por julgar crimes gravíssimos e por serem responsáveis pela absolvição ou condenação de pessoas, é necessário que o processo em trâmite ocorra de forma imparcial, uma vez que o acusado pode acabar sendo condenado por ocorrer influência externa.

* Alexia de Castro Oliveira e Kamila Fernandes Lopes são graduandas em Direito pelo Centro Universitário Una Betim.

Para mais informações sobre tribunal do júri clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Karina Motta



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.