Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A natureza jurídica do cachimbo

A natureza jurídica do cachimbo

18/05/2021 Wagner Dias Ferreira

No mês das mães, não foi possível evitar a lembrança de minha avó materna (Maria Figueiredo Gomes).

Da convivência com ela, lembro-me do paladar pelo café amargo e do cheiro do cachimbo ocupando toda a casa nas noites em que ela dormia conosco, beneficiando-nos com suas maravilhosas histórias.

Talvez por isso eu goste de acender um charuto em raras ocasiões impregnando no escritório aquele cheiro de cachimbo que me arvora lembranças tão vívidas.

Poucas pessoas palmilharam o planeta sem ouvir ao menos uma centena de vezes ditados populares. Eles estão por toda parte em todas as culturas humanas.

Muitos de nós já ouvimos: “O cachimbo faz a boca torta”. Com certeza, denota como um hábito pode gerar resultados que sejam permanentes.

E é dessa compreensão de que um determinado uso ou comportamento reiterado que advém o sentido de que os costumes são no plano sociológico fonte do direito.

Há países pelo mundo que utilizam o sistema denominado de common law onde a reiteração de decisões judiciais é considerada regra de aplicação obrigatória. Ou seja, o costume de determinadas decisões é lei.

No Brasil, a Emenda Constitucional 45/2004 instituiu, entre outras alterações no direito brasileiro, a sistemática da súmula vinculante.

Onde uma decisão do Supremo Tribunal Federal com repercussão geral ou sumulado de forma vinculante obriga a todos os jurisdicionados.

Atingindo processos em andamento e afetando o pré-exame de causas a ser realizado pelos advogados antes da propositura das ações judiciais.

Antes da Emenda Constitucional, as decisões dos Tribunais eram jurisprudência sem força vinculativa. Havia a uniformização de jurisprudência para produzir a segurança jurídica nas relações humanas e sociais, mas não uma força vinculante cogente como hoje há.

O advento desta já não tão nova emenda constitucional abre possibilidade criativa para o operador do direito. É que a existência da ideia de vinculação das decisões judiciais torna o Brasil um país de sistema misto. Ou seja, a jurisprudência também passa a adquirir força legislativa.

Por isso, cada vez mais o STF assume um protagonismo na sociedade, como se tem visto nestes tempos. Assim, é importante perceber que estamos em pleno uso da Emenda Constitucional 45/2004. Como aquela pessoa que usa cachimbo.

Com o tempo, acostumaremos e teremos incorporado mais ao cotidiano do trabalho jurídico o sentido de repercussão geral e vinculação de súmulas.

Colhendo na árvore de sabedoria do Catedrático professor Edgar de Godoi da Mata Machado, “a ideia de costume está naturalmente vinculada à de usos, hábitos, modas, processos de agir e de fazer, observados com certa continuidade e constância por uma comunidade”.

Assim como a pessoa que vai usando o cachimbo e vai tornando irreversível o formato da boca torta. É certo que se tomarmos o costume como uma fonte do direito, não somente nos países do sistema de common law, mas também em nosso país, que adota o sistema codificado, e porque usos, hábitos, modas, processos de agir e de fazer quando emergem enraizados na cultura de um povo, de fato permitem falar na jurisdicidade do costume e via de consequência na jurisdicidade do cachimbo.

* Wagner Dias Ferreira é advogado criminalista.

Para mais informações sobre direito clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.