Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A nova era da segurança cibernética no setor marítimo

A nova era da segurança cibernética no setor marítimo

24/12/2021 Dra. Eliane Octaviano

O boom tecnológico que tem marcado o século 21 vem impactando de forma positiva praticamente todos os setores da economia, obrigando-os a se adaptarem rapidamente às novidades da era digital.

No entanto, um efeito colateral desse avanço tem se notado de forma preocupante em face dos prejuízos causados e dos riscos à segurança de dados: os ataques cibernéticos, que apenas em 2018 causaram prejuízos estimados em cerca de R$ 600 bilhões.

Com a indústria marítima não é diferente. Os últimos anos têm sido de intensos desafios. Além dos ataques promovidos por hackers, o setor também vem sendo confrontado pelas mudanças trazidas pela evolução da indústria 4.0 e pela pandemia mundial da covid-19.

No setor marítimo, os ataques cibernéticos têm tido impactos consideráveis em portos e transportadoras, principalmente.

Um exemplo é o caso da Maersk Line, uma empresa de logística voltada para serviços marítimos que em 2017 sofreu um grande ataque cibernético que afetou de forma bastante negativa, resultando em um prejuízo aproximadamente USS$ 300 milhões de dólares à operadora.

Outro caso ocorreu em 2018, quando a Cosco Shipping, empresa chinesa de navegação, sofreu um ataque que afetou serviços de e-mail e telefonia em suas operações no continente americano.

No ano passado, a francesa CMA CGM S.A., organização do segmento marítimo e de conteinerização, foi alvo de um ataque com o ransomware Ragnar Locker, que afetou seus escritórios na China, paralisando toda a utilização de equipamentos tecnológicos da empresa no mundo.

Três dias após o ataque cibernético à CMA CGM S.A., a International Maritime Organization (IMO), vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de promover segurança marítima e de tráfego, anunciou que havia sido atingida por um ataque sofisticado que provocou a inatividade dos serviços de internet por alguns dias.

Devido a essas ocorrências, a IMO recomendou, em 2017, atuação direta para melhorias na segurança cibernética marítima por meio de documentos oficiais, tendo como marco dessa nova era a data de 1º de janeiro de 2021.

Desse dia em diante todas as empresas e navios passaram a ter, obrigatoriamente, um processo de gestão e riscos cibernéticos em seus sistemas de gestão e segurança que estejam de acordo com o ISM-CODE, adotado pela IMO em 1993 com o fim de assegurar a segurança no mar, prevenir injuria humana ou perda de vida e evitar danos ao meio ambiente e à propriedade.

De acordo com a Resolução MSC.428 (98), da IMO, a entidade reconhece as necessidades de urgência na conscientização das ameaças e vulnerabilidades que o risco cibernético pode causar e de oferecer suporte para um transporte seguro.

A entidade também alerta a todos os envolvidos na indústria marítima para acelerar o trabalho de modo a salvaguardar o transporte marítimo de ameaças e vulnerabilidades cibernéticas atuais e emergentes, garantindo que os riscos cibernéticos sejam tratados nos sistemas de gestão de segurança existentes, segundo o ISM-CODE.

Diante desse cenário, a nova era de segurança cibernética no setor marítimo será marcada pela implementação de medidas de gestão de riscos para combater esses ataques.

Isto significa criar e aplicar processos para a identificação, análise, avaliação e comunicação de possíveis riscos que possam prejudicar a segurança cibernética do setor e o direcionamento das ações da indústria marítima em relação aos riscos.

* Dra. Eliane Octaviano é advogada especialista em Direito Marítimo e diretora da Maritme Law Academy (MLAW).

Para mais informações sobre ataques cibernéticos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Grupo Partners Pro Business



Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.


Inventário negativo: proteção dos herdeiros de dívidas do falecido

Quando ocorre o falecimento de uma pessoa, há a necessidade de se promover o inventário e a partilha de bens a serem transmitidos ao cônjuge e aos herdeiros do falecido.


Trabalhador com sequela tem direito a auxílio-acidente mesmo que volte à função

É bastante comum que o trabalhador desconheça o direito básico de receber o auxílio-acidente durante toda a vida profissional, sempre que sofra algum tipo de ocorrência que gere sequela e torne a realização da atividade laboral um pouco mais difícil.


Prorrogada suspensão de desocupações e despejos até outubro

O Ministro Luís Roberto Barroso do Supremo Tribunal Federal prorrogou até 31 de outubro a suspensão de despejos e desocupações coletivas, para áreas urbanas e rurais, devido a pandemia da covid-19, conforme os critérios estabelecidos na Lei nº 14.216/2021.


LGDP e o uso de dados privados por bancos e instituições financeiras

O impacto das diretrizes da LGPD no uso de dados privados por bancos e instituições financeiras.


Quais são as principais orientações para que as investigações sejam bem-feitas?

Diferentes leis preveem o dever de investigar internamente e os reguladores consideram a importância da implementação e aplicação de políticas internas antes de impor quaisquer sanções por conduta imprópria ou até ilegal.


Dano moral da pessoa jurídica perante as Redes Sociais

É de notório conhecimento que as redes sociais não são somente um local de interação e compartilhamento do dia a dia, agora, é um local que cria oportunidade de divulgação de grandes marcas e empreendimento.


Autos de infração: atuação na fase administrativa evita conflitos jurídicos

O grande volume de tributos cobrados das empresas brasileiras e sua constante modificação ocasionam frequentes interpretações divergentes quanto ao pagamento de impostos.


Judicialização não é o remédio adequado para a saúde

Um em cada quatro brasileiros utiliza os planos de saúde.