Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A nova era da segurança cibernética no setor marítimo

A nova era da segurança cibernética no setor marítimo

24/12/2021 Dra. Eliane Octaviano

O boom tecnológico que tem marcado o século 21 vem impactando de forma positiva praticamente todos os setores da economia, obrigando-os a se adaptarem rapidamente às novidades da era digital.

No entanto, um efeito colateral desse avanço tem se notado de forma preocupante em face dos prejuízos causados e dos riscos à segurança de dados: os ataques cibernéticos, que apenas em 2018 causaram prejuízos estimados em cerca de R$ 600 bilhões.

Com a indústria marítima não é diferente. Os últimos anos têm sido de intensos desafios. Além dos ataques promovidos por hackers, o setor também vem sendo confrontado pelas mudanças trazidas pela evolução da indústria 4.0 e pela pandemia mundial da covid-19.

No setor marítimo, os ataques cibernéticos têm tido impactos consideráveis em portos e transportadoras, principalmente.

Um exemplo é o caso da Maersk Line, uma empresa de logística voltada para serviços marítimos que em 2017 sofreu um grande ataque cibernético que afetou de forma bastante negativa, resultando em um prejuízo aproximadamente USS$ 300 milhões de dólares à operadora.

Outro caso ocorreu em 2018, quando a Cosco Shipping, empresa chinesa de navegação, sofreu um ataque que afetou serviços de e-mail e telefonia em suas operações no continente americano.

No ano passado, a francesa CMA CGM S.A., organização do segmento marítimo e de conteinerização, foi alvo de um ataque com o ransomware Ragnar Locker, que afetou seus escritórios na China, paralisando toda a utilização de equipamentos tecnológicos da empresa no mundo.

Três dias após o ataque cibernético à CMA CGM S.A., a International Maritime Organization (IMO), vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de promover segurança marítima e de tráfego, anunciou que havia sido atingida por um ataque sofisticado que provocou a inatividade dos serviços de internet por alguns dias.

Devido a essas ocorrências, a IMO recomendou, em 2017, atuação direta para melhorias na segurança cibernética marítima por meio de documentos oficiais, tendo como marco dessa nova era a data de 1º de janeiro de 2021.

Desse dia em diante todas as empresas e navios passaram a ter, obrigatoriamente, um processo de gestão e riscos cibernéticos em seus sistemas de gestão e segurança que estejam de acordo com o ISM-CODE, adotado pela IMO em 1993 com o fim de assegurar a segurança no mar, prevenir injuria humana ou perda de vida e evitar danos ao meio ambiente e à propriedade.

De acordo com a Resolução MSC.428 (98), da IMO, a entidade reconhece as necessidades de urgência na conscientização das ameaças e vulnerabilidades que o risco cibernético pode causar e de oferecer suporte para um transporte seguro.

A entidade também alerta a todos os envolvidos na indústria marítima para acelerar o trabalho de modo a salvaguardar o transporte marítimo de ameaças e vulnerabilidades cibernéticas atuais e emergentes, garantindo que os riscos cibernéticos sejam tratados nos sistemas de gestão de segurança existentes, segundo o ISM-CODE.

Diante desse cenário, a nova era de segurança cibernética no setor marítimo será marcada pela implementação de medidas de gestão de riscos para combater esses ataques.

Isto significa criar e aplicar processos para a identificação, análise, avaliação e comunicação de possíveis riscos que possam prejudicar a segurança cibernética do setor e o direcionamento das ações da indústria marítima em relação aos riscos.

* Dra. Eliane Octaviano é advogada especialista em Direito Marítimo e diretora da Maritme Law Academy (MLAW).

Para mais informações sobre ataques cibernéticos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Grupo Partners Pro Business



Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.


Quando uma empresa é excluída do Simples Nacional?

Irregularidades fiscais e alto faturamento resultam em penalidades e mudanças no regime de tributação.