Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Acidente com animal bovino gera indenização

Acidente com animal bovino gera indenização

03/05/2006 Divulgação

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em decisão dada pela 15ª Câmara Cível, condenou um fazendeiro, residente em Campanário, interior do Estado, a indenizar, por danos materiais, outro fazendeiro da cidade de Itambacuri, que teve danos causados em seu veículo ao atropelar uma vaca que fugiu da fazenda de seu proprietário.

Em 12 de maio de 2002, por volta das 22h, o filho do fazendeiro de Itambacuri conduzia uma caminhonete pela BR-116, quando foi surpreendido por uma vaca que atravessava a estrada. Como ele não conseguiu se desviar do animal acabou atropelando-o.

O carro ficou bastante danificado. Segundo nota fiscal da oficina mecânica onde os consertos foram realizados, o veículo passou por reparos de funilaria, parte elétrica, pintura, e vidros, sem os quais o carro não teria condições de continuar a ser utilizado.

Após o acidente, o filho do fazendeiro se dirigiu para a cidade de Campanário para registrar boletim de ocorrência e soube, através de testemunhas, de quem era o animal. Ao procurar o proprietário da vaca, este lhe disse que, se quisesse receber alguma coisa, que procurasse a Justiça.

O pai do condutor do veículo, então, ajuizou ação de indenização por danos materiais, alegando ausência de cuidados necessários para evitar a saída do animal da propriedade e assim evitar acidentes, já que a cerca na beira da rodovia estava em péssimo estado de conservação. 

O fazendeiro de Campanário, embora tenha confirmado que a cerca que margeia a estrada é de sua propriedade, alegou, em sua defesa, que no processo não foram anexadas fotos que mostrassem o animal atropelado, a fim de comprovar que se tratava de cria da sua propriedade, pois todos são marcados com suas iniciais. Alegou ainda que o veículo estava em alta velocidade.

Porém, o juiz de Itambacuri condenou o proprietário do gado ao pagamento de indenização no valor de R$ 8.720,66. O fazendeiro recorreu. No entanto, os desembargadores Guilherme Luciano Baeta Nunes (relator), Unias Silva e D. Viçoso Rodrigues entenderam que, se o fazendeiro assumiu não fazer a devida manutenção da cerca que protege sua propriedade, deve responder pela sua omissão. Partindo dessa premissa, os desembargadores confirmaram, integralmente, a decisão de primeira instância.

O relator destacou, em seu voto, que a alegação de não comprovação de que o gado foi o causador do acidente não afasta a responsabilidade do fazendeiro, pois várias testemunhas viram os restos do animal na estrada e outros animais de igual raça pastando próximos à cerca rompida, paralela ao local do acidente.

Fonte: TJMG



Redes sociais: limites da liberdade de expressão e crimes contra a honra

As manifestações de opiniões nas redes sociais têm limites.


Um ano após a reforma da Lei de Recuperação de Empresas

No último domingo, 23 de janeiro, a reforma da Lei 14.112 de 2020, denominada “Nova Lei de Recuperação e Falência”, completou seu primeiro aniversário.


PEC dos Precatórios e o Direito de Propriedade no Brasil

Senhoras e senhores congressistas, cidadãs e cidadãos, imagino que alguns estejam com sérias dúvidas sobre a discussão da PEC dos Precatórios, perguntando-se:


As inovações trazidas pela Lei nº 14.195/2021

A Lei nº 14.195/2021, em vigor desde 27 de agosto do ano passado, tem por objetivo contribuir para uma melhor posição do Brasil no ranking “Doing Business”, plataforma que mede, analisa e compara as regulamentações aplicáveis às pequenas e médias empresas nacionais com demonstrações de suas captações de investimento.


Difal é regulamentado, mas uma nova novela pode estar começando

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou no dia 5 de janeiro o PLC 32/2021, que regulamenta a cobrança do diferencial de alíquota (Difal) de ICMS em operações envolvendo mercadoria destinada a consumidor final em outro estado não contribuinte do imposto.


Os três anos da tragédia de Brumadinho/MG

Hoje, dia 25 de janeiro, o desastre de Brumadinho/MG completa três anos.


Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.