Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Acidente com animal bovino gera indenização

Acidente com animal bovino gera indenização

03/05/2006 Divulgação

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em decisão dada pela 15ª Câmara Cível, condenou um fazendeiro, residente em Campanário, interior do Estado, a indenizar, por danos materiais, outro fazendeiro da cidade de Itambacuri, que teve danos causados em seu veículo ao atropelar uma vaca que fugiu da fazenda de seu proprietário.

Em 12 de maio de 2002, por volta das 22h, o filho do fazendeiro de Itambacuri conduzia uma caminhonete pela BR-116, quando foi surpreendido por uma vaca que atravessava a estrada. Como ele não conseguiu se desviar do animal acabou atropelando-o.

O carro ficou bastante danificado. Segundo nota fiscal da oficina mecânica onde os consertos foram realizados, o veículo passou por reparos de funilaria, parte elétrica, pintura, e vidros, sem os quais o carro não teria condições de continuar a ser utilizado.

Após o acidente, o filho do fazendeiro se dirigiu para a cidade de Campanário para registrar boletim de ocorrência e soube, através de testemunhas, de quem era o animal. Ao procurar o proprietário da vaca, este lhe disse que, se quisesse receber alguma coisa, que procurasse a Justiça.

O pai do condutor do veículo, então, ajuizou ação de indenização por danos materiais, alegando ausência de cuidados necessários para evitar a saída do animal da propriedade e assim evitar acidentes, já que a cerca na beira da rodovia estava em péssimo estado de conservação. 

O fazendeiro de Campanário, embora tenha confirmado que a cerca que margeia a estrada é de sua propriedade, alegou, em sua defesa, que no processo não foram anexadas fotos que mostrassem o animal atropelado, a fim de comprovar que se tratava de cria da sua propriedade, pois todos são marcados com suas iniciais. Alegou ainda que o veículo estava em alta velocidade.

Porém, o juiz de Itambacuri condenou o proprietário do gado ao pagamento de indenização no valor de R$ 8.720,66. O fazendeiro recorreu. No entanto, os desembargadores Guilherme Luciano Baeta Nunes (relator), Unias Silva e D. Viçoso Rodrigues entenderam que, se o fazendeiro assumiu não fazer a devida manutenção da cerca que protege sua propriedade, deve responder pela sua omissão. Partindo dessa premissa, os desembargadores confirmaram, integralmente, a decisão de primeira instância.

O relator destacou, em seu voto, que a alegação de não comprovação de que o gado foi o causador do acidente não afasta a responsabilidade do fazendeiro, pois várias testemunhas viram os restos do animal na estrada e outros animais de igual raça pastando próximos à cerca rompida, paralela ao local do acidente.

Fonte: TJMG



Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.


Como garantir sua aposentadoria com tranquilidade em Portugal

Quando um cidadão brasileiro decide morar em Portugal, ou vice e versa, é preciso fazer diversos planos para que a sua qualidade de vida seja ainda melhor no país de destino.


Parecer da Receita pretende excluir o ICMS da base dos créditos de PIS e COFINS

O ICMS destacado na nota fiscal não pode ser considerado receita bruta por não representar acréscimo patrimonial do contribuinte.



O que mudou no Direito Condominial com o novo Código Civil?

O jurista Dalmo Dallari afirma que a sociedade humana pode ser considerada como um conjunto de pessoas que estão ligadas pela necessidade de se ajudarem com o intuito de garantir a continuidade da vida e satisfazer seus interesses e desejos.


A necessidade da LGPD na sociedade contemporânea

A lei de proteção de dados se tornou essencial diante todas as evoluções tecnológicas.


Posso comprar imóvel em leilão de forma parcelada?

Existem duas formas de se adquirir um imóvel em leilão: por meio de pagamento à vista ou de forma parcelada, conforme disciplina o artigo 895 do Código de Processo Civil.