Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Acordo extrajudicial e sua homologação sem restrições pelo Judiciário

Acordo extrajudicial e sua homologação sem restrições pelo Judiciário

22/02/2022 Paulo Sérgio João

A quitação de obrigações trabalhistas contratuais sempre foi carregada de insegurança jurídica em razão do fato de que se atribuía aos empregados a condição de hipossuficiente e vulnerabilidade na manifestação de sua vontade.

A jurisprudência trabalhista também se pacificou na Súmula 330 do TST reafirmando as limitações de quitação quanto aos valores liquidados por ocasião da liquidação de verbas trabalhistas.

Portanto, a regra sempre foi de que a quitação vale pelo que está escrito, permitindo que o ex-empregado procurasse a reparação de outros direitos e diferenças não pagas na ocasião de seu comparecimento perante o sindicato de classe, com as clássicas ressalvas da pretensão de postular outros direitos, muitas vezes ainda desconhecidos.

A nova legislação trabalhista da reforma de 2017 (Lei nº 13.467), com a finalidade de eliminar litigiosidade, entre as novidades que trouxe, em homenagem à autonomia da vontade e à boa-fé, permitiu a possibilidade de que as partes celebrassem acordo extrajudicial, dando ao Judiciário trabalhista a possibilidade, quando provocado, de decidir sobre a homologação de acordo extrajudicial de sua competência (artigo 652, "f").

A nova lei cuidou também de apontar os requisitos necessários e essenciais para a validade do negócio jurídico: representação de advogado a fim de assegurar a livre manifestação da vontade, observando que não pode ser o mesmo causídico para as mesmas partes (Capítulo III-a do Processo de Jurisdição Voluntária para Homologação de Acordo Extrajudicial, artigo 855-B, -§1º e 2º).

A nova disposição estabeleceu prazo de 15 dias para que o juiz do Trabalho, instado a se manifestar, decida sobre a homologação.

E, nesse caso, o juiz analisará os requisitos de validade do acordo extrajudicial, ou seja, representação e capacidade das partes e condições intrínsecas das condições da negociação submetida a homologação.

O que se tem visto, no entanto, é a homologação parcial de tais acordos em vários casos e o magistrado importa a insegurança jurídica para a avença, transformando os acordos extrajudiciais em ações intermináveis, com desprezo absoluto da capacidade de manifestação da autonomia da vontade das partes e dos advogados que representam seus clientes.

Nesse sentido, o sítio o TST publicou no último dia 14, notícia de que a 5ª Turma, em voto da lavra do ministro Breno Medeiros, reconheceu sem ressalvas acordo extrajudicial (RR-10738-41.2019.5.15.0098).

Portanto, o dispositivo legal não retira do Judiciário trabalhista a oportunidade de averiguar o conteúdo do acordo, inclusive com designação de audiência para se convencer da licitude do convencionado e, uma vez convencido de que não atende princípios morais, éticos ou de direito material, rejeitar a homologação do acordo na sua integralidade, não cabendo, segundo o ministro, a homologação parcial, com ressalvas que as próprias partes não fizeram.

Caberia, ainda, um aspecto de rejeição de acordos extrajudiciais e que diz respeito aos seus aspectos intrínsecos de moralidade e de licitude aos quais o Judiciário não pode se furtar da análise e, se apuradas violações, o remédio deve ser o da rejeição total da transação por ofensa a valores fundamentais nas relações de trabalho.

* Paulo Sergio João é advogado e professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Para mais informações sobre legislação trabalhista clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Vera Moreira



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.