Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Amante tem direito à pensão?

Amante tem direito à pensão?

03/03/2021 Dr. Marcelo Campelo

Antes de responder à pergunta propriamente dita, é necessária uma contextualização.

O presente texto é escrito no ano de 2021, no qual o casamento, união estável e as relações afetivas sofreram muitas mudanças.

Atualmente se estuda, no espectro jurídico, famílias paralelas, famílias com vários cônjuges, famílias com cônjuges do mesmo sexo, cujos direitos devem ser resguardados.

Independente da formação moral ou de crenças religiosas, as pessoas têm direito de serem felizes e assim nossa Constituição determina.

No Art. 226, fica declarado que “A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado”. Portanto, no Brasil, a família, seja como ela seja constituída, terá especial proteção do Estado.

Mas o que significa casamento? Casamento é um contrato formal entre duas pessoas, unidas pelo afeto, para a vida inteira, no qual estas têm direito e deveres iguais, cujo objetivo é construir uma vida juntos.

Nessa empreitada, se pode construir patrimônio, ter filhos e até se separar. O casamento, oriundo de crenças religiosas, é dividido entre homem e mulher.

O casamento é o mesmo que família? Não. Família tem um conceito mais amplo. Inclusive podemos utilizar o exemplo da Lei Maria da Penha que define família como: “comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa”.

Ou ainda, outra definição, do Professor Paulo Lôbo, “os tipos de entidades familiares expressamente definidas na Constituição brasileira não encerram numerus clausus, as entidades familiares assim entendidas, as que preencham os requisitos de afetividade, estabilidade e ostentabilidade, estão constitucionalmente protegidas, como tipo próprios, tutelando-se os efeitos jurídicos pelo Direito de Família.”

O que o professor quer ensinar, é que a Constituição deixa uma brecha para que o Direito de Família proteja as diversas formas de família adotadas pela sociedade brasileira, desde que estejam presentes os requisitos de afeto, duração e sejam reconhecidas entre todos.

Antes da resposta à questão inicial, outro ponto importante é a fidelidade. Para muitos, inexiste casamento sem fidelidade, inclusive, protegido por lei, Art. 1566, I do Código Civil.

Porém, existem relações que permitem o descumprimento deste dever? Sim, muitas. Estas pessoas vivem felizes? Ninguém pode se intrometer, a questão aqui é jurídica.

Em um casamento dividido entre um homem e uma mulher, por exemplo, imagine que eles se permitiram quebrar o dever de fidelidade.

Uma das questões jurídicas que podem surgir nesses casos é: Os companheiros da relação paralela teriam direito à herança?

Os filhos têm sempre esse direito garantido. O companheiro, também conhecido como amante, os estudiosos do direito ainda não estão seguros e partem para a decisão no caso concreto.

Numa das decisões, o Superior Tribunal de Justiça, reconheceu a relação da companheira, na hipótese de separação de fato ou jurídica do casal, “A orientação jurisprudencial desta Corte é firme no sentido de que a relação concubinária, paralela ao casamento, não pode ser reconhecida como união estável,  salvo se configurada separação de fato ou judicial entre os cônjuges.” (STJ AgRg no Resp 1235648 RS).

O caso é a regra, mas já se julgou a hipótese em que um longa relação extraconjugal, aceita pelo cônjuge, gerou o pagamento de uma pensão: Caso Peculiaríssimo. Preservação da Família X Dignidade e Solidariedade humana.

Sustento da alimentada pelo alimentante por quatro décadas. Não há como negar, que, neste caso, por mais que se tratasse de uma relação extraconjugal, com violação de um dispositivo legal, dever de fidelidade, a relação tida por quatro décadas deve ser protegida pelo direito, pois havia uma família constituída, e a amante, recebeu a pensão.

Como conclusão, em direito, mas principalmente no direito de família, não se pode firmar regras, pois sempre serão apresentadas exceções.

O melhor é estudar, analisar o caso e entender o que o legislador e a sociedade desejam. Neste caso, proteger a família, independente da origem e forma.

* Dr. Marcelo Campelo é advogado especialista em Direito Criminal.

Para mais informações sobre " pensão " clique aqui…

Fonte: Toda Comunicação



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani