Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Aprovada a nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos

Aprovada a nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos

11/12/2020 Caio de Souza Loureiro

Em Sessão Plenária, o Senado Federal aprovou o PL 4253/20, que estabelece uma nova Lei geral de licitações e contratos administrativos.

Após quase três décadas, a legislação sobre a matéria sofre sua primeira grande inovação e a nova lei irá consolidar os regimes hoje previstos na Lei nº 8.666/93, no pregão e no Regime Diferenciado das Contratações – RDC.

Com a sanção presidencial, a Lei nova terá amplo alcance, restrito apenas às Estatais, às PPPs, concessões, serviços de publicidade, que continuarão a observar legislação específica.

Será, pois, o diploma a regulamentar uma parcela significativa do mercado de contratações governamentais, no Brasil e, por essa razão, é relevante identificar suas principais inovações.

De início, é clara a preocupação do texto com a eficácia das contratações, hoje sujeitas a um percentual alto de inexecução – total ou parcial.

Muitos dos pontos novos têm foco no planejamento e na provisão de instrumentos de saneamento de falhas, que permitam à Administração contornar eventuais problemas evidenciados durante a execução do contrato.

No primeiro caso, há maior cuidado com a etapa de decisão e fundamentação da contratação, estabelecidos documentos e procedimentos obrigatórios que orientam a atuação da Administração.

Os elementos do anteprojeto, projeto básico, projeto executivo e termo de referência são mais bem delineados, de modo a antecipar a análise e elaboração de elementos essenciais da contratação.

No segundo, há uma ampla revisão da alocação de riscos hoje praticada no regime geral. Incorpora-se a matriz de riscos como uma cláusula contratual, responsável por prever e alocar os eventos supervenientes que possam comprometer a execução contratual.

A divisão dos riscos será, a partir de agora, elemento definidor do equilíbrio econômico-financeiro e, com isso, permitir que os riscos sejam mais bem mitigados pelo contrato e na sua gestão.

A preocupação com o sucesso das contratações influencia, também, a revisão dos seguros garantia de execução.

Aproximando-o da performance bond, comum no exterior e em grandes obras privadas, o texto prevê o aumento do percentual garantido e a possibilidade de a seguradora assumir a execução na hipótese de inadimplemento do contratado original.

Reservada às obras de grande vulto (conceito incorporado ao texto legal), essa previsão confere conforto adicional à Administração, que poderá encaminhar de modo mais célere e eficiente eventual descumprimento, sem prejudicar a conclusão do contrato.

O texto se apropria de inovações trazidas em leis mais recentes e setoriais. É o que ocorre com o regime da contratação integrada, que une o projeto e a obra num mesmo contrato, diminuindo os riscos e custos de transação.

Da mesma forma com o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), já utilizado nas concessões, que permite à Administração contar com o conhecimento do particular na realização dos estudos necessários à contratação, suprindo deficiências de pessoal e de recursos.

De matiz europeia e com o mesmo objetivo, o diálogo competitivo foi incorporado à legislação nacional e permite um processo de construção transparente dos elementos de contratações complexas.

A transparência é outro tema recorrente, a começar pela criação do Portal Nacional de Contratações Públicas (PNCP), repositório das informações de licitações e contratos de todos os entes federativos, não apenas da União.

A utilização de sistemas de informática é, aliás, estimulada pelo texto, de modo a conferir maior eficiência na condução das licitações.

Além da ampliação da contratação integrada e da semi-integrada, previstas no RDC e na Lei das Estatais, a futura Lei contempla modalidades novas de contratos e que tendem a ampliar o leque de soluções para as necessidades da Administração.

O contrato de eficiência passa a contar com regulamentação mais detalhada e permite que a remuneração do contratado esteja diretamente atrelada aos benefícios trazidos para a Administração.

O contrato de fornecimento e prestação associada, por sua vez, possibilita que o fornecedor do bem ou executor da obra assuma, também, tarefas relacionadas à manutenção e operação, numa espécie de mini concessão.

Há, enfim, menção a contratos de sistemas estruturantes de tecnologia, cuja previsão se limita a permitir prazo maior de execução, consentâneo com as necessidades de objetos dessa natureza.

Em termos de controle, a lei proposta endurece os crimes relacionados à licitação por meio de alteração no Código Penal – aqui, importa mencionar que essa previsão alcança todas as licitações, não apenas aquelas sujeitas ao novo regime geral.

Também é relevante a previsão que criminaliza omissões nos projetos de engenharia entregues à Administração, o que deve trazer consequências para o setor de engenharia consultiva.

Há, também, a positivação dos conceitos de sobrepreço e superfaturamento, em linha com a jurisprudência do Tribunal de Contas da União (TCU).

De modo geral, enfim, a futura lei tem mais méritos do que críticas – ainda que essas existam e sejam relevantes.

Ao consolidar inovações trazidas desde a edição da Lei n.º 8.666/1993, incorporando tantas outras, o diploma aprovado pelo Congresso consegue prover um regramento mais atual, saneando alguns pontos críticos do regime atual.

Poderia ir além? Sem dúvida. Mas é inegável que se alcança uma perspectiva de melhoria na legislação vigente.

* Caio de Souza Loureiro.

Fonte: Manesco



Legalidade ou ilegalidade: o falso impasse das empresas offshores

Apesar de pouco utilizadas pela maior parte dos indivíduos, as empresas offshores são bastante conhecidas, face à intensa profusão de material acerca delas, seja com conteúdo fictício ou não.


As controvérsias do acesso aos dados de vacinação dos trabalhadores

Ainda existem muitas controvérsias sobre a exigência de vacinação de trabalhadores aqui no Brasil.


Efeitos do plano de demissão voluntária na quitação geral do contrato de trabalho

As relações individuais e coletivas produzem efeitos diferentes nas relações de trabalho e, ao que parece, ainda vão ocupar as discussões jurídicas nas questões envolvendo os direitos atingidos no âmbito de cada uma e a adequação instrumental que permita sua compreensão e redução da litigiosidade.


Está proibida a venda de remédios para emagrecer

O Supremo Tribunal Federal derrubou a lei que autorizava a produção, a venda e o consumo de 4 medicamentos para emagrecer: a sibutramina, a anfepramona, o femproporex e o mazindol.


Por que fazer um planejamento previdenciário

O primeiro argumento para convencer você a fazer um planejamento previdenciário é o tempo.


As vantagens (e os perigos) das contratações temporárias

A chegada do fim do ano, com as festas de Natal e do Réveillon, abre a temporada de contratações temporárias no varejo.


Direitos autorais na pichação e no grafite

Você sabe qual é a diferença entre pichação e grafismo? As pichações são as escritas nas fachadas e nos muros, e muito presente nos anos 80 quando ainda não tinha uma lei específica para a prática.


A restituição do dinheiro aos investidores no caso GAS Consultoria

Recentemente, uma ação conjunta entre Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal denominada Operação KRYPTOS, com ampla cobertura midiática, encerrou as operações da GAS Consultoria, sob acusação dos responsáveis pela empresa supostamente cometerem crimes contra o sistema financeiro nacional.


Stalking: o que você precisa saber

Nas últimas semanas, liderou o Top 10 da Netflix o seriado Você (You), cujo roteiro romantiza a vida de um personagem charmoso e carismático que pratica o denominado “stalking” em pessoas de seu círculo social.


O dilema do reconhecimento da paternidade

O pedido de reconhecimento de paternidade muitas vezes é constrangedor para a mulher e assustador para o homem.


Doença mental adquirida no exercício profissional pode ser considerada acidente de trabalho

Alguns tipos de transtornos mentais podem estar relacionados ao ambiente de trabalho.


Os paradigmas legais da greve dos jogadores do Cruzeiro

Os jogadores do elenco profissional do Cruzeiro anunciaram no dia 13 de outubro que estão em greve por conta do atraso no pagamento dos salários.