Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As controvérsias do acesso aos dados de vacinação dos trabalhadores

As controvérsias do acesso aos dados de vacinação dos trabalhadores

08/11/2021 Eduardo Pragmácio Filho e Ana Virginia Moreira Gomes

Ainda existem muitas controvérsias sobre a exigência de vacinação de trabalhadores aqui no Brasil.

É fato que a Lei 13.979/20, que dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da covid-19, torna a vacinação compulsória (art. 13), o que não é novidade, pois desde 1975 já existe a previsão de vacinação compulsória no programa nacional de imunizações (Lei 6.259/75).

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar as ADI 6586 e 6587 e no recurso extraordinário 1267879, firmou entendimento que a vacinação é obrigatória, mas não forçada, o que significa dizer, em resumo, que o cidadão pode recusar a vacina, mas pode sofrer restrição ao exercício de certas atividades ou à frequência de determinados lugares, desde que previstas em lei.

Uma das questões conflituosas que a pandemia também trouxe é a possibilidade de a empresa ter acesso a dados pessoais de trabalhadores vacinados, por meio de plataformas virtuais das secretarias de saúde.

Em Fortaleza, por exemplo, com o número de CPF e a data de nascimento – dados que toda empresa possui em relação aos seus empregados –, é possível ter acesso ao cartão de vacinação virtual de uma pessoa.

O Ministério do Trabalho editou a Portaria 620/2021, em 1º de novembro de 2021, que, em linhas gerais, determina que ao empregador é vedado exigir comprovante de vacinação para acesso ou manutenção no emprego, configurando-se tal prática como discriminatória (art. 1º, §1º e 2º), facultando-se alternativamente a testagem para acesso ao local de trabalho.

A questão controvertida é que o comprovante de vacinação é um dado pessoal sensível, de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), por se tratar de um dado relativo à saúde do trabalhador (art. 5º, II).

A pesquisa que a empresa faz a esse banco de dados, de fácil acesso, para extrair um dado pessoal sensível, configura-se como violação da privacidade do trabalhador?

Há casos que tratam de questões semelhantes, ainda em julgamento, no âmbito do TST, sobre, por exemplo, a (im)possibilidade de empresas consultarem dados financeiros de candidatos a emprego, em banco de dados creditícios.

Na lei dos transportadores autônomos de carga, por exemplo, há restrição clara a esse tipo de consulta (art. 13-A da Lei 11.442/07).

O respeito ao direito fundamental à privacidade do trabalhador impõe que seja o trabalhador a decidir informar ou não (e nesse caso arcar com o ônus dessa decisão) acerca da sua vacinação.

O debate que propomos levantar, portanto, não se refere especificamente à exigência ou não da vacinação para fins de acesso ou permanência no local de trabalho, mas à possibilidade de acesso fácil a dados pessoais sensíveis das pessoas, sobre sua saúde e vacinação, o que viola a intimidade do empregado, fere a LGPD e deve ser urgentemente readequado de modo que somente o titular do dado tenha acesso a esse.

* Eduardo Pragmácio Filho é advogado, membro da Academia Brasileira de Direito do Trabalho.

* Ana Virginia Moreira Gomes é professora do Centro de Ciências Jurídicas e do Programa de Pós-graduação em Direito Constitucional da Unifor.

Para mais informações sobre vacinação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.


ITBI justo! Decisão do STJ estabelece cobrança baseada no mercado

Uma contradição envolvendo o mercado imobiliário em todo o Brasil foi derrubada por unanimidade no julgamento de um recurso especial analisado na 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Isenção do IR para aposentados e pensionistas: como obter o benefício?

Reduzir o valor a ser pago no imposto de renda é um desejo comum.