Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As controvérsias do acesso aos dados de vacinação dos trabalhadores

As controvérsias do acesso aos dados de vacinação dos trabalhadores

08/11/2021 Eduardo Pragmácio Filho e Ana Virginia Moreira Gomes

Ainda existem muitas controvérsias sobre a exigência de vacinação de trabalhadores aqui no Brasil.

É fato que a Lei 13.979/20, que dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da covid-19, torna a vacinação compulsória (art. 13), o que não é novidade, pois desde 1975 já existe a previsão de vacinação compulsória no programa nacional de imunizações (Lei 6.259/75).

O Supremo Tribunal Federal, ao julgar as ADI 6586 e 6587 e no recurso extraordinário 1267879, firmou entendimento que a vacinação é obrigatória, mas não forçada, o que significa dizer, em resumo, que o cidadão pode recusar a vacina, mas pode sofrer restrição ao exercício de certas atividades ou à frequência de determinados lugares, desde que previstas em lei.

Uma das questões conflituosas que a pandemia também trouxe é a possibilidade de a empresa ter acesso a dados pessoais de trabalhadores vacinados, por meio de plataformas virtuais das secretarias de saúde.

Em Fortaleza, por exemplo, com o número de CPF e a data de nascimento – dados que toda empresa possui em relação aos seus empregados –, é possível ter acesso ao cartão de vacinação virtual de uma pessoa.

O Ministério do Trabalho editou a Portaria 620/2021, em 1º de novembro de 2021, que, em linhas gerais, determina que ao empregador é vedado exigir comprovante de vacinação para acesso ou manutenção no emprego, configurando-se tal prática como discriminatória (art. 1º, §1º e 2º), facultando-se alternativamente a testagem para acesso ao local de trabalho.

A questão controvertida é que o comprovante de vacinação é um dado pessoal sensível, de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), por se tratar de um dado relativo à saúde do trabalhador (art. 5º, II).

A pesquisa que a empresa faz a esse banco de dados, de fácil acesso, para extrair um dado pessoal sensível, configura-se como violação da privacidade do trabalhador?

Há casos que tratam de questões semelhantes, ainda em julgamento, no âmbito do TST, sobre, por exemplo, a (im)possibilidade de empresas consultarem dados financeiros de candidatos a emprego, em banco de dados creditícios.

Na lei dos transportadores autônomos de carga, por exemplo, há restrição clara a esse tipo de consulta (art. 13-A da Lei 11.442/07).

O respeito ao direito fundamental à privacidade do trabalhador impõe que seja o trabalhador a decidir informar ou não (e nesse caso arcar com o ônus dessa decisão) acerca da sua vacinação.

O debate que propomos levantar, portanto, não se refere especificamente à exigência ou não da vacinação para fins de acesso ou permanência no local de trabalho, mas à possibilidade de acesso fácil a dados pessoais sensíveis das pessoas, sobre sua saúde e vacinação, o que viola a intimidade do empregado, fere a LGPD e deve ser urgentemente readequado de modo que somente o titular do dado tenha acesso a esse.

* Eduardo Pragmácio Filho é advogado, membro da Academia Brasileira de Direito do Trabalho.

* Ana Virginia Moreira Gomes é professora do Centro de Ciências Jurídicas e do Programa de Pós-graduação em Direito Constitucional da Unifor.

Para mais informações sobre vacinação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Legalidade ou ilegalidade: o falso impasse das empresas offshores

Apesar de pouco utilizadas pela maior parte dos indivíduos, as empresas offshores são bastante conhecidas, face à intensa profusão de material acerca delas, seja com conteúdo fictício ou não.


Efeitos do plano de demissão voluntária na quitação geral do contrato de trabalho

As relações individuais e coletivas produzem efeitos diferentes nas relações de trabalho e, ao que parece, ainda vão ocupar as discussões jurídicas nas questões envolvendo os direitos atingidos no âmbito de cada uma e a adequação instrumental que permita sua compreensão e redução da litigiosidade.


Está proibida a venda de remédios para emagrecer

O Supremo Tribunal Federal derrubou a lei que autorizava a produção, a venda e o consumo de 4 medicamentos para emagrecer: a sibutramina, a anfepramona, o femproporex e o mazindol.


Por que fazer um planejamento previdenciário

O primeiro argumento para convencer você a fazer um planejamento previdenciário é o tempo.


As vantagens (e os perigos) das contratações temporárias

A chegada do fim do ano, com as festas de Natal e do Réveillon, abre a temporada de contratações temporárias no varejo.


Direitos autorais na pichação e no grafite

Você sabe qual é a diferença entre pichação e grafismo? As pichações são as escritas nas fachadas e nos muros, e muito presente nos anos 80 quando ainda não tinha uma lei específica para a prática.


A restituição do dinheiro aos investidores no caso GAS Consultoria

Recentemente, uma ação conjunta entre Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal denominada Operação KRYPTOS, com ampla cobertura midiática, encerrou as operações da GAS Consultoria, sob acusação dos responsáveis pela empresa supostamente cometerem crimes contra o sistema financeiro nacional.


Stalking: o que você precisa saber

Nas últimas semanas, liderou o Top 10 da Netflix o seriado Você (You), cujo roteiro romantiza a vida de um personagem charmoso e carismático que pratica o denominado “stalking” em pessoas de seu círculo social.


O dilema do reconhecimento da paternidade

O pedido de reconhecimento de paternidade muitas vezes é constrangedor para a mulher e assustador para o homem.


Doença mental adquirida no exercício profissional pode ser considerada acidente de trabalho

Alguns tipos de transtornos mentais podem estar relacionados ao ambiente de trabalho.


Os paradigmas legais da greve dos jogadores do Cruzeiro

Os jogadores do elenco profissional do Cruzeiro anunciaram no dia 13 de outubro que estão em greve por conta do atraso no pagamento dos salários.


Nova Lei de Improbidade Administrativa separa o joio do trigo

Recentemente seguiu para sanção presidencial o projeto de lei, aprovado pelo Congresso Nacional, que modifica substancialmente a Lei 8429/90, conhecida como a Lei de Improbidade Administrativa.