Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Até que ponto empregados podem falar das empresas na internet

Até que ponto empregados podem falar das empresas na internet

25/06/2021 Divulgação

O assunto ganhou destaque depois que um empregado de uma multinacional alimentícia de Rio Verde (GO), fez uma live com xingamentos contra a empresa onde trabalhava.

“As leis devem ser aplicadas em todos os ambientes. Não há, na internet, o quesito de ‘terra sem lei’. Não se pode fazer tudo sem ter consequência dos atos praticados. Difamar, atacar uma empresa na rede, por exemplo, pode provocar danos morais que se convertem em prejuízos irreparáveis”, pontua Ricardo Barbosa, advogado especialista em direito do trabalho.

O assunto ganhou destaque nesta semana, depois que um empregado de uma multinacional alimentícia de Rio Verde (GO), fez uma live no Facebook com xingamentos contra a empresa onde trabalhava.

O funcionário, diagnosticado com Covid-19, estava afastado das funções quando fez a transmissão ao vivo. O vídeo chegou a 11 mil visualizações.

De acordo com o processo, na internet, o funcionário disse que a empresa não cumpria com as recomendações para o controle da doença. Segundo o colegiado, para nenhuma delas, haviam provas.

O advogado ainda comenta sobre a geração conectada. “Hoje existe a necessidade de se acompanhar o que está sendo dito na internet pelos funcionários de uma empresa. Formular um protocolo de ética, dentro da lei, é de extrema importância”.

E o que está previsto em lei

Existem duas maneiras de vermos funcionários que falam da empresa nas redes. Neste quesito há o contraponto da liberdade de expressão do empregado e o direito à imagem e reputação da empresa.

“Ao ser contratado por uma empresa séria, o funcionário recebe as missões, valores, o código de ética da instituição que prestará seu serviço. Reclamar do salário, falar mal do chefe, dizer que um cliente é chato nas redes sociais, é uma falta grave que pode sim gerar uma demissão por justa causa (artigo 482 da CLT)”, explica o especialista.

“É importante destacar que não há nenhum impedimento para que as empresas possam, na hora da contratação, estipular um regulamento interno para a postura adequada em relação ao uso das tecnologias. A liberdade de expressão é importante, mas há a necessidade de se prevalecer o respeito ao código de ética para que nenhuma das partes acabe lesada”, Barbosa finaliza.

Para mais informações sobre direito do trabalho clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Abrange Comunicação e Marketing



Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.


ITBI justo! Decisão do STJ estabelece cobrança baseada no mercado

Uma contradição envolvendo o mercado imobiliário em todo o Brasil foi derrubada por unanimidade no julgamento de um recurso especial analisado na 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Isenção do IR para aposentados e pensionistas: como obter o benefício?

Reduzir o valor a ser pago no imposto de renda é um desejo comum.