Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Até que ponto empregados podem falar das empresas na internet

Até que ponto empregados podem falar das empresas na internet

25/06/2021 Divulgação

O assunto ganhou destaque depois que um empregado de uma multinacional alimentícia de Rio Verde (GO), fez uma live com xingamentos contra a empresa onde trabalhava.

“As leis devem ser aplicadas em todos os ambientes. Não há, na internet, o quesito de ‘terra sem lei’. Não se pode fazer tudo sem ter consequência dos atos praticados. Difamar, atacar uma empresa na rede, por exemplo, pode provocar danos morais que se convertem em prejuízos irreparáveis”, pontua Ricardo Barbosa, advogado especialista em direito do trabalho.

O assunto ganhou destaque nesta semana, depois que um empregado de uma multinacional alimentícia de Rio Verde (GO), fez uma live no Facebook com xingamentos contra a empresa onde trabalhava.

O funcionário, diagnosticado com Covid-19, estava afastado das funções quando fez a transmissão ao vivo. O vídeo chegou a 11 mil visualizações.

De acordo com o processo, na internet, o funcionário disse que a empresa não cumpria com as recomendações para o controle da doença. Segundo o colegiado, para nenhuma delas, haviam provas.

O advogado ainda comenta sobre a geração conectada. “Hoje existe a necessidade de se acompanhar o que está sendo dito na internet pelos funcionários de uma empresa. Formular um protocolo de ética, dentro da lei, é de extrema importância”.

E o que está previsto em lei

Existem duas maneiras de vermos funcionários que falam da empresa nas redes. Neste quesito há o contraponto da liberdade de expressão do empregado e o direito à imagem e reputação da empresa.

“Ao ser contratado por uma empresa séria, o funcionário recebe as missões, valores, o código de ética da instituição que prestará seu serviço. Reclamar do salário, falar mal do chefe, dizer que um cliente é chato nas redes sociais, é uma falta grave que pode sim gerar uma demissão por justa causa (artigo 482 da CLT)”, explica o especialista.

“É importante destacar que não há nenhum impedimento para que as empresas possam, na hora da contratação, estipular um regulamento interno para a postura adequada em relação ao uso das tecnologias. A liberdade de expressão é importante, mas há a necessidade de se prevalecer o respeito ao código de ética para que nenhuma das partes acabe lesada”, Barbosa finaliza.

Para mais informações sobre direito do trabalho clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Abrange Comunicação e Marketing



Licença e afastamento do servidor público: Como funciona?

Você já sabe que para o servidor público, existem várias leis e regras diferentes dos trabalhadores da iniciativa privada; por isso, é importante ficar atento a essas normas.


Fraudes podem diminuir a chance do Green Card

Advogado especialista em direito internacional, Daniel Toledo explica o que fazer ao suspeitar de problemas com o investimento.


Queda do WhatsApp pode gerar indenização aos usuários que tiveram prejuízo

Para o especialista em Direito do Consumidor, Marco Antonio Araujo Junior, comunicador instantâneo se enquadra como serviço pelo Código de Defesa do Consumidor.


Revista de empregados: os limites do poder diretivo e disciplinar do empregador

A relação de emprego tem características inconfundíveis.


O STF desprestigiado pelas ações políticas

Realmente, tornou-se um nefasto hábito, os políticos acionarem o Judiciário quando não conseguem bem encaminhar seus projetos ou perdem votações no âmbito do Legislativo.


Trabalho escravo da fé e a relação entre pastores e igrejas no Brasil

Os tribunais brasileiros estão recebendo uma série de ações de pastores e ministros de igrejas contra o chamado “trabalho escravo da fé”.


Embate entre condomínio e proprietário para locação por aplicativo vai parar no STJ

Para especialista, muitas vezes as multas condominiais aplicadas aos usuários da locação por aplicativo não são suficientes para coibir abusos.


Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.