Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cesare Battisti, Petistas e Pesolistas

Cesare Battisti, Petistas e Pesolistas

17/01/2019 Bady Curi Neto

A insistência da esquerda em defender bandidos condenados.

Cesare Battisti, terrorista italiano, condenado por quatro assassinatos em seu país de origem à pena de prisão perpétua, finalmente foi enviado para a Itália para cumprir sua condenação. Battisti fugiu para o Brasil em 2004 e, preso em 2007, foi beneficiado por um refúgio político pelo então Ministro da Justiça do governo petista Tarso Genro.

Naquele ano, a Itália pediu sua extradição, sendo o processo julgado favoravelmente pela Suprema Corte Brasileira, deixando a palavra final para o Presidente da República, Luiz Inácio da Silva, que negou a extradição.

No ano de 2017, o Governo Italiano requestou ao presidente Michel Temer a revisão da decisão de Lula. Temer autorizou a extradição do terrorista, ex-ativista da esquerda e assassino condenado em seu país.

O Supremo Tribunal Federal (STF), mediante a decisão de Temer, expediu mandado de prisão em desfavor de Battisti, que fugiu para Bolívia. Após a colaboração da Polícia Federal Brasileira, das autoridades Bolivianas, Italianas e da Interpol, o terrorista foi preso na Bolívia, por ter entrado no país ilegalmente e deportado para a Itália, onde, por óbvio, cumprirá sua pena.

Apesar do governo brasileiro ter dado todo o apoio para a prisão do terrorista, não foi o Brasil que o extraditou. A extradição é o ato mediante o qual um Estado entrega a outro Estado, indivíduo acusado de ter cometido crime de certa gravidade e que se acha condenado por aquele, após certificar-se que os direitos humanos do extraditando serão respeitados.

O que chama atenção não é mais a deportação do terrorista da Bolívia para Itália, mas a insistência da esquerda em defender bandidos condenados, sejam pela Justiça Brasileira ou a de outros países.

Os esquerdopatas brasileiros insistem que a justiça somente age com correção e retidão quando as decisões lhes são favoráveis, do contrário o que há é uma perseguição política/ideológica.

Segundo este entendimento, o ex-presidente Lula é um preso político, não havia provas para condená-lo. O que houve foi uma perseguição da Polícia Federal, do Ministério Público e da Justiça (em todas suas instâncias), em um conluio contra o injustiçado ex-presidente.

Agora, por incrível que pareça, com a prisão do terrorista, o deputado Paulo Pimenta do PT, formado em jornalismo, afirmou ao jornal Folha de São Paulo que “Não se trata de uma discussão ideológica e sim jurídica constitucional. Quando você politiza as decisões jurídicas você fragiliza o Estado democrático.” Será que o deputado não se apercebeu que quem o deportou foi o país vizinho e não o Brasil?

Já o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, com formação em história e ciências políticas, foi além. Em 04 linhas em seu Twitter, desconsiderou a decisão da Justiça Italiana ao dizer, “Conheci Cesare Battisti e li muito sobre o processo que levou a sua condenação. Acredito que 99% das pessoas que o atacam o fazem porque desconhece os detalhes do processo ou porque odeiam ativistas de esquerda. Creio na inocência de Cesare. Espero que a Bolívia não o extradite”.

A célebre frase de Machado de Assis, “De médico e louco todo mundo tem um pouco”, poderia ser adaptada para os esquerdopatas, “De Juiz e Juristas, nós temos muito”.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.


Quando uma empresa é excluída do Simples Nacional?

Irregularidades fiscais e alto faturamento resultam em penalidades e mudanças no regime de tributação.