Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Choque de capitalismo

Choque de capitalismo

29/07/2018 Amadeu Garrido de Paula

Ao contrário do que muitos pensam, o Brasil nunca teve capitalismo de verdade.

Choque de capitalismo

Um memorável homem público, comprometido com a defesa dos interesses sociais, certa feita surpreendeu a nação com o repto acima. Poucos lhe renderam atenção; no Brasil as mudanças profundas são temidas por empresários e sindicalistas medrosos e conservadores.

Não vivemos sob o capitalismo idealizado por Adam Smith e mesmo por Karl Marx. A verificação vertical da obra do primeiro permitirá observar que sua propositura era profundamente compromissada com a evolução dos trabalhadores, cujo pressuposto era o crescimento das empresas, enquanto fonte da riqueza das nações. O segundo reiterava que a conquista de seu idealismo socialista somente seria possível depois do absoluto amadurecimento das condições econômicas capitalistas.

De lado as teorias, certificamo-nos concreta e historicamente que as nações mais desenvolvidas e beneficiadas por alto nível de bem-estar social fundam-se no radicalismo democrático liberal, tanto no plano político como no econômico.

Nesse quadro, o Estado é o menor possível, não é inimigo de seus cidadãos e, embora, neste momento histórico, seja mais que o "Estado gendarme", é propulsor da atividade econômica, desempenha essa função sem nela imiscuir-se para travar as forças de mercado. Impulsiona-as, apenas.

O direito tributário é o mais singelo possível, não é repleto de becos escuros onde se perdem os empreendedores. As alíquotas são as menores possíveis, o que possibilita o recolhimento imediato e espontâneo dos tributos. Nem de longe passa por tal concepção o fenômeno grotesco de guerra fiscal no espectro de uma federação desarranjada.

Antes mesmo da declaração dos direitos e liberdades individuais - imprescindível - arruma-se a Federação, porquanto não se pode falar em liberdade e garantias numa casa torta de pau a pique. Consequência disso tudo é o alívio do Judiciário.

As agências reguladores do mercado são indispensáveis ante a complexidade do capitalismo moderno, mas devem ser efetivas, no sentido de sancionar severamente os abusos; em pouco tempo uma elite voltada a praticar atos antissociais verificará que esse não é o cenário sadio ao desenvolvimento sustentável.

Sem endividar-se, esse tipo de Estado ficará dispensado de empréstimos e do intervencionismo. Seu peso de chumbo, erradicado, proporcionará a viagem não interrompida da atividade humana.

Ao contrário do que muitos pensam, o Brasil nunca teve capitalismo de verdade; e aquele repto nunca foi tão atual. Seu autor, um homem iluminado, deixou-nos poderoso recado, que somente poderá ser implementado se eleito em outubro o candidato de seu Partido Político, em que pesem as mazelas que recentemente sofreu, juntamente com todas as agremiações de nossa representação política.

Passou da hora de nos libertarmos do passivismo seguidor da corte imperial e das cerimônias de beija-mão dos poderosos da coisa pública. Liberdade é encarar os desafios, tanto da parte de empresários como de seus empregados. É no campo privado que os servidores públicos de um estado mastodôntico deverão buscar seus ideais. Em torno desses ideais fundamentais fará sentido um programa político.

* Amadeu Garrido de Paula é Advogado, sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.

Fonte: De León Comunicações



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.