Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Consórcio terá de restituir montante a cliente que desistiu

Consórcio terá de restituir montante a cliente que desistiu

10/09/2008 Divulgação

Uma decisão da Justiça local vai beneficiar um consorciado que desistiu do grupo em virtude de dificuldades financeiras. Decisão da juíza da 8ª Vara Cível de Brasília, Keila Cristina de Lima Alencar Ribeiro, condenou a Bancorbrás a restituir ao cliente imediatamente e em parcela única os valores pagos por ele na aquisição do consórcio para aquisição de um imóvel, determinando ainda a rescisão do contrato. Do montante, devem ser duduzidos 10% a título de taxa de administração.

Segundo os autos, o cliente aderiu ao contrato de consórcio almejando um imóvel pela Bancorbrás em maio de 2001, onde ficou acertado o pagamento de 150 parcelas de R$ 339,25, mais taxas de adesão no valor de R$ 400,00, R$ 204,28 e R$ 204,20, respectivamente. Somado a isso, o cliente se comprometeu a pagar 37 parcelas de R$ 471,71, totalizando R$ 18.261,75. No entanto, em virtude de dificuldades econômica, se viu impossibilitado de continuar honrando o pagamento das parcelas, e ao desfazer o negócio foi informado pela administradora que não poderia receber de volta os valores pagos, tendo direito apenas a um percentual no fim do grupo.

Nos documentos de defesa, a Bancorbrás alega que o ressarcimento das parcelas pagas encontra oposição legal e contratual, sendo necessário aguardar o término do grupo para o ressarcimento do dinheiro, sob pena de ferir o contrato e o ato jurídico perfeito. Argumenta também que do valor devem ser deduzidos a taxa de administração, do seguro, e a cláusula penal, de acordo com o pactuado.

Ao apreciar o caso, diz a juíza que a controvérsia deve ser decidida à luz do Código de Defesa do Consumidor (CDC), já que a relação discutida é nitidamente de consumo. Diz que o contrato questionado é um contrato tipicamente “adesivo” ou de adesão, onde se subtrai do contratante qualquer possibilidade de discussão ou modificação substancial de seu conteúdo.

Sobre o contrato de adesão, cita a juíza trecho do CDC comentado: “O contrato de adesão é oferecido ao público em um modelo uniforme, geralmente impresso, faltando apenas preencher os dados...aqueles que desejarem adquirir produtos ou serviços já receberão prontos os termos e as condições mais importantes do contrato”.

Por fim, sustenta a magistrada que a estipulação contratual em que se baseia a Bancorbrás é abusiva e contrária aos princípios que orientam o Código de Defesa do Consumidor (CDC), já que o coloca em exagerada desvantagem, mormente por se ter em conta que a parte autora ingressou em grupo com prazo de duração de 180 meses. Outros julgados do TJDFT também têm entendido dessa forma: “Verificada a desistência do consorciado antes do encerramento do grupo ao qual havia aderido, devem lhe ser, imediatamente, restituídas as parcelas pagas, restando iníqua, abusiva e extremamente onerosa, por isso mesmo nula, a cláusula ou condição ajustada quanto à possibilidade de restituição somente por ocasião do encerramento do correspondente grupo”.

A decisão é de 1ª istância, e cabe recurso.

Nº do processo: 2007.01.1.012848-4

Fonte: www.endividado.com.br



Legalidade ou ilegalidade: o falso impasse das empresas offshores

Apesar de pouco utilizadas pela maior parte dos indivíduos, as empresas offshores são bastante conhecidas, face à intensa profusão de material acerca delas, seja com conteúdo fictício ou não.


As controvérsias do acesso aos dados de vacinação dos trabalhadores

Ainda existem muitas controvérsias sobre a exigência de vacinação de trabalhadores aqui no Brasil.


Efeitos do plano de demissão voluntária na quitação geral do contrato de trabalho

As relações individuais e coletivas produzem efeitos diferentes nas relações de trabalho e, ao que parece, ainda vão ocupar as discussões jurídicas nas questões envolvendo os direitos atingidos no âmbito de cada uma e a adequação instrumental que permita sua compreensão e redução da litigiosidade.


Está proibida a venda de remédios para emagrecer

O Supremo Tribunal Federal derrubou a lei que autorizava a produção, a venda e o consumo de 4 medicamentos para emagrecer: a sibutramina, a anfepramona, o femproporex e o mazindol.


Por que fazer um planejamento previdenciário

O primeiro argumento para convencer você a fazer um planejamento previdenciário é o tempo.


As vantagens (e os perigos) das contratações temporárias

A chegada do fim do ano, com as festas de Natal e do Réveillon, abre a temporada de contratações temporárias no varejo.


Direitos autorais na pichação e no grafite

Você sabe qual é a diferença entre pichação e grafismo? As pichações são as escritas nas fachadas e nos muros, e muito presente nos anos 80 quando ainda não tinha uma lei específica para a prática.


A restituição do dinheiro aos investidores no caso GAS Consultoria

Recentemente, uma ação conjunta entre Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal denominada Operação KRYPTOS, com ampla cobertura midiática, encerrou as operações da GAS Consultoria, sob acusação dos responsáveis pela empresa supostamente cometerem crimes contra o sistema financeiro nacional.


Stalking: o que você precisa saber

Nas últimas semanas, liderou o Top 10 da Netflix o seriado Você (You), cujo roteiro romantiza a vida de um personagem charmoso e carismático que pratica o denominado “stalking” em pessoas de seu círculo social.


O dilema do reconhecimento da paternidade

O pedido de reconhecimento de paternidade muitas vezes é constrangedor para a mulher e assustador para o homem.


Doença mental adquirida no exercício profissional pode ser considerada acidente de trabalho

Alguns tipos de transtornos mentais podem estar relacionados ao ambiente de trabalho.


Os paradigmas legais da greve dos jogadores do Cruzeiro

Os jogadores do elenco profissional do Cruzeiro anunciaram no dia 13 de outubro que estão em greve por conta do atraso no pagamento dos salários.