Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Dia do Panificador, o pão e a fome

Dia do Panificador, o pão e a fome

08/07/2020 João Baptista Herkenhoff

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.

Entretanto, merece exaltação porque é uma profissão nobre. Existe maior grandeza do que fabricar o pão que alimenta e mata a fome? Creio que não.

Existem presentemente cerca de um bilhão de pessoas subnutridas no mundo. A maioria das pessoas que passam fome são mulheres e crianças.

As mortes por fome, segundo dados da ONU, suplantam as mortes por sida, malária e tuberculose somadas.

Insuficiência alimentar na infância provoca danos irrecuperáveis para sempre. Por este motivo a fome é a mais violenta negação dos direitos humanos.

Não tem coerência afirmar que todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos, se a expectativa  média de vida nos países ricos é, em dobro ou em triplo, a expectativa média de vida em alguns países pobres;

se mesmo no seio dos países pobres, a expectativa média de vida dos ricos da população é, em dobro ou em triplo, a expectativa média de vida dos pobres da população.

Aparecem recursos para acabar com doenças transmissíveis que, nos países pobres, ameaçam, pela contaminação, a saúde dos ricos. Por que não se tomam medidas para acabar com a fome?

Por que a Humanidade terá de transpor um novo milênio carregando, nos ombros, a imoralidade e a antijuridicidade da fome?

Grande Josué de Castro, que merece estátuas modeladas em ouro, em bronze, ou simplesmente em pão, em todos os Horizontes e em todos os Continentes, inclusive na sede da ONU!

Belo profeta brasileiro que denunciou, com pioneirismo, as causas sociais da Fome. Josué de Castro mostrou a fome como “problema social”. 

Graciliano Ramos, nos seus romances, retratou a fome como problema político. A fome não brota do céu.

A fome tem causas na terra, nas injustiças imperantes. Josué e Graciliano sofreram exílio e prisão por dizer uma verdade óbvia.

No Brasil contemporâneo, a grande figura profética, na luta contra a fome, foi o sociólogo Herbert de Souza, ou simplesmente o Betinho, como ficou carinhosamente conhecido.

A fome tem pressa, disse Betinho, com extrema racionalidade. Condenado a morrer, Betinho lutou, até o último momento, pela vida. Mas não tanto pela sua vida.

Lutou muito mais pela vida do povo brasileiro, dos marginalizados e oprimidos, dos que são massacrados pela injustiça brutal que é a fome.

Não poderia haver, na sociedade brasileira contemporânea, figura que pudesse simbolizar melhor esse grito contra a fome.

Betinho estava predestinado para ser o líder da cruzada que empunhou.

* João Bapista Herkenhoff é juiz de Direito aposentado (ES) e escritor.

Fonte: João Bapista Herkenhoff



Seguro M&A como garantia em operações de Fusões e Aquisições

As operações de Fusões e Aquisições (Mergers and Acquisitions – M&A) multiplicaram-se significativamente nos últimos anos, tanto no plano internacional quanto no Brasil.


As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).