Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Dia do Panificador, o pão e a fome

Dia do Panificador, o pão e a fome

08/07/2020 João Baptista Herkenhoff

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.

Entretanto, merece exaltação porque é uma profissão nobre. Existe maior grandeza do que fabricar o pão que alimenta e mata a fome? Creio que não.

Existem presentemente cerca de um bilhão de pessoas subnutridas no mundo. A maioria das pessoas que passam fome são mulheres e crianças.

As mortes por fome, segundo dados da ONU, suplantam as mortes por sida, malária e tuberculose somadas.

Insuficiência alimentar na infância provoca danos irrecuperáveis para sempre. Por este motivo a fome é a mais violenta negação dos direitos humanos.

Não tem coerência afirmar que todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos, se a expectativa  média de vida nos países ricos é, em dobro ou em triplo, a expectativa média de vida em alguns países pobres;

se mesmo no seio dos países pobres, a expectativa média de vida dos ricos da população é, em dobro ou em triplo, a expectativa média de vida dos pobres da população.

Aparecem recursos para acabar com doenças transmissíveis que, nos países pobres, ameaçam, pela contaminação, a saúde dos ricos. Por que não se tomam medidas para acabar com a fome?

Por que a Humanidade terá de transpor um novo milênio carregando, nos ombros, a imoralidade e a antijuridicidade da fome?

Grande Josué de Castro, que merece estátuas modeladas em ouro, em bronze, ou simplesmente em pão, em todos os Horizontes e em todos os Continentes, inclusive na sede da ONU!

Belo profeta brasileiro que denunciou, com pioneirismo, as causas sociais da Fome. Josué de Castro mostrou a fome como “problema social”. 

Graciliano Ramos, nos seus romances, retratou a fome como problema político. A fome não brota do céu.

A fome tem causas na terra, nas injustiças imperantes. Josué e Graciliano sofreram exílio e prisão por dizer uma verdade óbvia.

No Brasil contemporâneo, a grande figura profética, na luta contra a fome, foi o sociólogo Herbert de Souza, ou simplesmente o Betinho, como ficou carinhosamente conhecido.

A fome tem pressa, disse Betinho, com extrema racionalidade. Condenado a morrer, Betinho lutou, até o último momento, pela vida. Mas não tanto pela sua vida.

Lutou muito mais pela vida do povo brasileiro, dos marginalizados e oprimidos, dos que são massacrados pela injustiça brutal que é a fome.

Não poderia haver, na sociedade brasileira contemporânea, figura que pudesse simbolizar melhor esse grito contra a fome.

Betinho estava predestinado para ser o líder da cruzada que empunhou.

* João Bapista Herkenhoff é juiz de Direito aposentado (ES) e escritor.

Fonte: João Bapista Herkenhoff



Adequação das empresas à Lei Geral de Proteção de Dados

Para a correta adequação da empresa à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), todos os departamentos da empresa devem ser avaliados inicialmente de forma isolada.


Explosão em Beirute

Resultado de armazenamento inadequado de produtos químicos?


Como adequar o departamento de Recursos Humanos à LGPD?

Para a correta adequação da empresa à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), todos os departamentos da empresa devem ser avaliados inicialmente de forma isolada.


O Direito Autoral e a Propriedade Intelectual

Todas as criações da mente podem e devem ser protegidas pelo Direito Autoral.


STF – Não mate o mensageiro

A expressão “não mate o mensageiro”, proveniente do provérbio latino “Ne nuntium necare”, surgiu, segundo a história, quando Dario III, rei da Pérsia, derrotado na guerra, determinou a morte do mensageiro que o informara que seus guerreiros sucumbiram ao exército de Alexandre, o Grande.


O adicional de insalubridade

A segurança e o bem-estar social também são assegurados pela Constituição Federal dentro do ambiente de trabalho.


A utilização de áreas comuns e a realização de reuniões em condomínios

No dia 10 de junho deste ano, entrou em vigor a Lei Federal n. 14.010, que trata acerca do Regime Jurídico Emergencial e Transitório das relações jurídicas de Direito Privado (RJET) no período de pandemia do novo coronavírus.


Entregadores de delivery, a criação de cooperativa e a luta por melhores remunerações

Com o aumento da demanda de serviços e dos riscos provocados pela pandemia de coronavírus, entregadores de aplicativos se mobilizaram nas últimas semanas para pressionar grandes empresas como iFood, Uber Eats e Rappi a aumentarem os valores das corridas e melhorarem as suas condições de trabalho.


Revisões de aposentadoria pós-reforma da Previdência

A reforma da Previdência, que está em vigor desde novembro do ano passado, dificultou o acesso dos segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a alguns benefícios, como, por exemplo, a aposentadoria.


Telemedicina não é carta branca para atendimentos

Normas limitam o uso e estabelecem regras que médicos devem seguir.


Startup brasileira cria solução citada por juízes

Solução de coleta de prova online ajuda advogados em meio a crise.


Violência contra a mulher

A ineficácia da lei e a falta de comprometimento do Poder Executivo.