Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Direito: arte do bem, do justo e do belo

Direito: arte do bem, do justo e do belo

10/06/2021 Wagner Dias Ferreira

O trabalho jurídico, principalmente do advogado, é, na sua essência, de comunicação e transmissão de mensagens.

O profissional do Direito precisa comunicar, transmitir sua mensagem, intenções, argumentos, pedidos e pleitos, buscando sempre convencer o interlocutor. E por isso muitas vezes pode ser visto como uma arte.

Não raro se ouve: “O júri é um teatro”. Dando a entender que os profissionais que ali atuam são atores encenando uma peça, porque é comum se observar Advogados e Promotores que digladiam ferozmente no curso do plenário e depois de finalizado o julgamento conversam harmoniosamente, porque o conjunto da controvérsia que os movia no “coliseu” de argumentos não é de caráter pessoal, mas técnico e profissional.

É sempre necessário se fazer no âmbito profissional: elaborar texto escrito, escolhendo cuidadosamente as palavras para garantir que o interlocutor compreenda com clareza o sentido do que o advogado precisa comunicar. Atento ao sentido técnico de todas elas.

Falar com boa dicção e impostação correta da voz, elevando o nível para grifar proposições e abaixando quando precisa que o interlocutor aumente seu nível de atenção no que está sendo dito, de modo a conduzi-los à melhor compreensão de suas teses, ainda que dessa compreensão advenha a frustração de uma negativa.

Um exemplo ocorreu quando, assistindo a uma sustentação oral do saudoso advogado Sidney Safe no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, ouvia-se múltiplas vezes: “… posso estar enganado…” ou “… no meu humilde entendimento…”, isso de um professor universitário, que chegara a ocupar o posto de Secretário de Segurança Pública Estadual, e após o término da exposição ouvir os Desembargadores renderem suas homenagens ao ilustre professor da UFMG e um deles pedir vista para reavaliar o voto que trazia sob os braços. Situações que entusiasmam qualquer advogado.

Então, sim. O direito tem esse mister artístico motivador de “arte do bem e do justo”. No Brasil, muitas vezes se pode deparar com pessoas analfabetas ou de pouca formação.

Com grande dificuldade para a compreensão do linguajar técnico jurídico. Traduzir essa linguagem para compreensão imediata do cidadão que procura o advogado é uma obrigação, para o aperfeiçoamento da cultura e da cidadania brasileira.

É, claro, sem abrir mão do mister artístico da profissão, que tem uma liturgia própria, e de sua liberdade na busca de justiça.

Será fácil constatar que muitas vezes ao findar a escuta das queixas do cliente e restituir-lhe a primeira impressão de seu caso, com as possibilidades processuais de resolvê-lo, ao indagar se o cliente entendeu, ele consente que sim.

Mas se solicitar que ele explique o que foi que entendeu, muitas vezes dirá “… entendi, não precisa se preocupar” ou “… o senhor é muito engraçado” ou “… então repete só pra eu memorizar os detalhes”. Assim, passo a passo, cliente a cliente, vai sendo firmando o exercício da cidadania.

Nem tudo são flores. As adversidades acontecem com mais frequência do que se pode confessar. Divergências cliente e advogado, advogado e promotor, advogado e juiz. Mas é possível trabalhar com dignidade e respeito.

Construir a cada conversa, a cada trabalho, em cada relacionamento que se estabelece ao longo da vida profissional, laços que são um privilégio para o advogado, que deve sim executar as liturgias da profissão, transmitindo sempre sua mensagem, para não deixar desaparecer de seu trabalho juntamente com o bem e o justo, o belo.

* Wagner Dias Ferreira é advogado criminalista.

Para mais informações sobre direito clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.