Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empresa aérea antecipa vôo e responde por danos morais

Empresa aérea antecipa vôo e responde por danos morais

29/01/2009 Divulgação

Por decisão da juíza do 6º Juizado Especial Cível de Brasília, a BRA Transportes Aéreos Ltda terá de indenizar em R$ 3 mil, a título de danos morais, um passageiro que se sentiu prejudicado com a antecipação em 18 horas do vôo que o levaria de Natal a Brasília. A sentença é de 1ª Instância, e cabe recurso.Dados do processo informam que o autor celebrou um contrato de prestação de serviço aéreo com a BRA, objetivando o transporte da cidade de Natal para a capital do país no dia 4 de abril de 2007, às 00h40. No entanto, narra a peça inicial que o referido vôo foi antecipado pela empresa em 18 horas, acarretando inúmeros constrangimentos ao passageiro.

Por conta do ocorrido, passou a madrugada inteira no aeroporto, dormindo em bancos de espera, tendo, segundo ele, sua dignidade violada. Tal conduta da empresa gerou revolta na sua esfera subjetiva, vindo a suportar transtornos que merecem a devida reparação. Por tais motivos, ingressou na Justiça pedindo a condenação da empresa pelos danos morais e materiais (compra de duas outras passagens) sofridos.

Em sua defesa, a BRA alega que o vôo contratado estava previsto para as 6h40 do dia 4 de abril de 2007, e não para 00h40, como alegado. Sustenta que o vôo não pôde ser realizado por motivo de força maior, ou seja, em virtude de pane inesperada no sistema elétrico da aeronave, sendo incabível a indenização por danos morais. Diz que ofereceu outra opção de vôo ao autor (que não foi aceita), já que os reparos necessários levariam horas.

Mesmo devidamente intimada para comparecer à audiência de conciliação, a empresa não enviou preposto, e nem apresentou justificativa, aplicando-se, neste caso, os efeitos da revelia. O art. 20 da Lei 9.099/90 diz que a revelia está não na ausência de contestação, mas na ausência da parte a qualquer audiência para a qual foi devidamente intimada.

A magistrada, ao decidir a questão, sustentou que está incontroverso no processo o defeito na prestação dos serviços de transporte aéreo. O art. 14 do Código de Defesa do Consumidor (CDC) dispõe que o fornecedor de serviço responde, de forma objetiva, pela reparação de todos os danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação de serviços.

Nesse sentido, diz que o não cumprimento dos horários prejudica os consumidores e, por esse motivo, surge a necessidade de arcar com todos os danos que lhes forem acarretados.`Constatada a falha na prestação de serviço pelo oferecimento do serviço no tempo e modo contratados, resta evidente o dever de indenizar da empresa aérea`. Quanto aos danos materiais, entende a juíza não serem devidos por falta de provas.

Fonte: www.endividado.com.br



Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.