Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Encerramento do julgamento sobre incidência do ICMS na transferência é urgente para evitar a insegurança jurídica

Encerramento do julgamento sobre incidência do ICMS na transferência é urgente para evitar a insegurança jurídica

08/12/2021 Sarah Mila Barbassa

O Supremo Tribunal Federal deve retomar em dezembro o julgamento dos embargos de declaração opostos nos autos da ADC 49, que diz respeito à não incidência do ICMS nas transferências.

O julgamento foi interrompido por conta de um pedido de vista do ministro Dias Toffoli e deverá ir a plenário entre 10 e 17 de dezembro.

O STF já declarou, em abril desse ano, a inconstitucionalidade da cobrança, mas até agora nada decidiu sobre o pedido de modulação dos efeitos apresentado pelo estado do Rio Grande do Norte e pelo COMSEFAZ (Comitê Nacional de Secretários da Fazenda, Finanças, Receitas ou Tributação dos Estados e Distrito Federal).

Essa incerteza acarreta grande insegurança jurídica aos contribuintes, sobretudo agora que os Estados começam a legislar de sobre o tema, sem uniformidade. Enquanto não há uma decisão por parte do tribunal, as reações dos estados têm sido diversas.

Alguns, como São Paulo e Espírito Santo, se posicionaram pela manutenção das regras atuais com base no art. 12, inciso I, da Lei Complementar nº 87/96 (Lei Kandir), que já não têm suporte constitucional, até que os embargos de declaração nos quais houve pedido de modulação sejam julgados. Já outros como Goiás acataram a decisão e não reconhecem a incidência do imposto nessas operações.

Os contribuintes que confiaram no judiciário e deixaram de recolher o tributo inconstitucional podem vir a ser penalizados, pois não ingressaram com ação judicial própria no passado.

Se fizerem isso agora provavelmente não terão êxito, caso o critério que tem sido adotado pela Corte para modular os efeitos de suas decisões seja mantido.

Uma das opções, já propostas por ministros da Corte, como Roberto Barroso, é que o entendimento do STF passe a ser válido a partir de 2022.

Mas a polêmica não para por aí. Se o STF tem razão ao decidir que o ICMS não deve ser cobrado porque não há a transferência da propriedade nesses casos, a falta dessa cobrança impede que os créditos vinculados àquela operação sejam enviados para o destino, o que pode onerar a venda ao consumidor final.

Anteriormente, o contribuinte podia recolher o ICMS na saída em transferência e esse crédito poderia ser usado por aquele que recebeu o produto em transferência para compensar contra o imposto devido por ocasião da venda.

Agora, por mais que ele possa manter os créditos na origem, na maioria dos casos não terá como dar vazão a esses créditos, o que representará um custo cujo ônus certamente será repassado ao consumidor final.

Uma das possibilidades de solução para o problema é a aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 148/21, que ainda aguarda parecer da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, que versa que o contribuinte tem a faculdade, e não a obrigação, de pagar o ICMS na transferência e com isso poderá levar o crédito para o destino.

Outros projetos semelhantes também tramitam na Câmara. Dessa maneira, são evitadas distorções que tornariam o ICMS cumulativo.

Contribuintes de todo o país esperam por uma decisão em breve a respeito dessas duas questões por parte do STF e, caso isso não aconteça, que o Congresso Nacional possa decidir sobre a questão do crédito.

De qualquer maneira, é preciso acabar com a insegurança jurídica existente e também dar tratamento uniforme ao tema, evitando-se interpretações unilaterais dos Estados, além de oferecer opções que não onerem os contribuintes, tampouco os consumidores finais, mormente nesse momento em que a situação econômica se revela tão afetada pelos efeitos negativos da pandemia do Coronavírus.

* Sarah Mila Barbassa é sócia da área tributária do Cescon Barrieu Advogados.

Para mais informações sobre ICMS clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Tree Comunicação



A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.


Inventário negativo: proteção dos herdeiros de dívidas do falecido

Quando ocorre o falecimento de uma pessoa, há a necessidade de se promover o inventário e a partilha de bens a serem transmitidos ao cônjuge e aos herdeiros do falecido.


Trabalhador com sequela tem direito a auxílio-acidente mesmo que volte à função

É bastante comum que o trabalhador desconheça o direito básico de receber o auxílio-acidente durante toda a vida profissional, sempre que sofra algum tipo de ocorrência que gere sequela e torne a realização da atividade laboral um pouco mais difícil.


Prorrogada suspensão de desocupações e despejos até outubro

O Ministro Luís Roberto Barroso do Supremo Tribunal Federal prorrogou até 31 de outubro a suspensão de despejos e desocupações coletivas, para áreas urbanas e rurais, devido a pandemia da covid-19, conforme os critérios estabelecidos na Lei nº 14.216/2021.