Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ex-esposa vai usar nome do marido após o divórcio

Ex-esposa vai usar nome do marido após o divórcio

14/05/2006 Divulgação

O sobrenome do ex-marido pode ser mantido pela mulher mesmo após o divórcio. O entendimento da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. De acordo com a Turma, haveria dano grave à personalidade da esposa e prejuízo à sua identificação em face do longo tempo, 45 anos, desde que adotou o sobrenome do ex-marido. A Turma considerou, ainda, a idade avançada da ex-mulher, quase 80 anos.

Da sentença que decretou o divórcio do casal, tanto a ex-esposa quanto o ex-marido recorreram à Justiça novamente. O ex-marido, autor da ação, mostrando-se inconformado com a parte da sentença que facultou à mulher a continuação do uso do nome de casada. A ex-mulher, por sua vez, pleiteando a reforma integral da sentença, com a improcedência do pedido, pelos seguintes fundamentos: o ex-marido não conseguiu demonstrar que a separação do casal se dera há mais de dois anos, foi ele quem abandonou o lar conjugal, essa ação seria uma espécie de "vingança" ao pedido de ação de alimentos e o ex-marido pretende o divórcio sem a devida partilha dos bens do casal, em frontal prejuízo aos interesses da ex-esposa.

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) negou provimento a ambas apelações. De acordo com o entendimento do TJ, a mulher pode continuar a usar o nome do marido mesmo após o divórcio, pois, se foi casada durante 45 anos e já com 70 anos de idade à época, o nome se incorporou à sua personalidade. Quanto à partilha dos bens, é possível que seja deixada para a fase de execução.

Inconformado, A.G. de M. entrou com recurso especial para o STJ tentando anular o acórdão do tribunal estadual. Ele explica que, ao pedir o divórcio, requereu que a ex-esposa voltasse a usar o nome de solteira e que esse fato, especificamente, não foi contestado. Dessa forma, entende que a sentença não poderia ter mantido o uso do nome de casada pela ex-esposa. Isso contraria, a seu ver, a Lei n. 6.515/1977, pois caberia à ex-esposa provar as situações excepcionais que lhe permitiriam permanecer usando o nome de casada, o que não fez, já que sequer contestou essa parte do pedido.

A defesa de M. do C. G. de M. afirma que os argumentos apresentados pelo ex-marido não foram apreciados pelas instâncias ordinárias. No mérito, destaca ter ela quase 70 anos de idade, de sorte que os pressupostos que autorizariam a retirada do nome de casada não se justificam no caso, destacando que o patronímico (sobrenome derivado do nome do pai) do ex-marido integra a sua personalidade após 45 anos do matrimônio.

Em sua decisão, o relator do processo, ministro Aldir Passarinho Junior, manteve a decisão do TJ-RJ ao não conhecer do recurso especial. O relator verificou, entre outras coisas, constar nos autos que, ao inverso do que sustenta o ex-marido, houve o expresso entendimento do Tribunal de Justiça de haver dano grave à personalidade da ex-esposa, assim como prejuízo à sua identificação, diante do longo tempo passado desde a adoção do sobrenome do marido, ainda considerando a sua idade avançada, presentemente quase oitenta anos. Essas conclusões do TJ são tiradas da apreciação dos elementos informativos dos autos, que não têm como ser revistas em sede especial, ao teor da Súmula n. 7 do STJ, que impede a análise de fatos e provas. Dessa forma, mantém-se a continuidade do uso do nome de casada pela ex-esposa.

Processo:  Resp 241200

Fonte: STJ



Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.


Como garantir sua aposentadoria com tranquilidade em Portugal

Quando um cidadão brasileiro decide morar em Portugal, ou vice e versa, é preciso fazer diversos planos para que a sua qualidade de vida seja ainda melhor no país de destino.


Parecer da Receita pretende excluir o ICMS da base dos créditos de PIS e COFINS

O ICMS destacado na nota fiscal não pode ser considerado receita bruta por não representar acréscimo patrimonial do contribuinte.



O que mudou no Direito Condominial com o novo Código Civil?

O jurista Dalmo Dallari afirma que a sociedade humana pode ser considerada como um conjunto de pessoas que estão ligadas pela necessidade de se ajudarem com o intuito de garantir a continuidade da vida e satisfazer seus interesses e desejos.


A necessidade da LGPD na sociedade contemporânea

A lei de proteção de dados se tornou essencial diante todas as evoluções tecnológicas.


Posso comprar imóvel em leilão de forma parcelada?

Existem duas formas de se adquirir um imóvel em leilão: por meio de pagamento à vista ou de forma parcelada, conforme disciplina o artigo 895 do Código de Processo Civil.