Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Exclusão do ISS da base de cálculo do PIS e da COFINS

Exclusão do ISS da base de cálculo do PIS e da COFINS

05/07/2022 Rafaella Almeida

TRF determina a exclusão do ISS da base de cálculo do PIS e da COFINS.

O escritório BLJ Direito e Negócios, por meio de sua equipe de especialistas tributários, em 2018 impetrou Mandado de Segurança para empresa do segmento de engenharia viárias para que fosse declarado o seu direito líquido e certo à exclusão do ISS das bases de cálculo do PIS e da COFINS, por entender que o ISS não constitui receita ou faturamento da empresa, mas sim receita do fisco municipal.

A referida ação foi julgada procedente em primeira instância e teve seu mérito confirmado pela 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, com decisão já transitada em julgado, não cabendo mais recurso, garantindo à empresa a exclusão do ISS das bases de cálculo do PIS e da COFINS, bem como o direito de ter restituídos os valores pagos indevidamente nos cincos anos anteriores ao ajuizamento da ação.

A Turma julgadora fundamentou sua decisão no julgamento do RE 574.706/PR (tema nº 69), conhecida como a tese do século, em que o STF analisou os conceitos de receita bruta e faturamento, definindo que o ICMS não integra a base de cálculo do PIS e da COFINS, por não se caracterizar como faturamento da empresa.

Segundo o STF, o ICMS é grandeza que apenas transita na contabilidade do contribuinte, sendo que este apenas atua como responsável pelo recolhimento e repasse desse valor ao Fisco Estadual, portanto, jamais poderia o contribuinte ser tributado por valores que não constituem sua receita ou faturamento.

Assim sendo, seguindo o mesmo raciocínio empregado pelo STF e levando em consideração que o ISS é imposto de natureza semelhante ao ICMS, por não integrarem o conceito de faturamento do contribuinte, ficando a empresa como mera responsável pelo repasse destes valores ao fisco, configura-se indevida, também, a inclusão do ISS na base de cálculo do PIS e da COFINS.

Essa decisão do TRF1 é um importante precedente para todas as empresas do Brasil que também são prestadoras de serviços e pleiteiam a redução de sua carga tributária, além de ser instrumento para previsibilidade do direito, assegurando aos contribuintes em mesma situação, a mesma solução jurídica.

Atualmente, essa tese de exclusão especificamente do ISS das bases de cálculo do PIS e da COFINS foi definida no Tema 118 do STF e está aguardando julgamento pelo RE 592.616, em sede de repercussão geral já reconhecida.

Além disso, a decisão possibilita a recuperação dos valores recolhidos indevidamente dos últimos cinco anos, bem como cessa a obrigatoriedade de pagamento no presente e futuro.

Como os valores recolhidos a esse título têm a natureza de indébito, a empresa também tem o direito de realizar a compensação tributária, utilizando os valores recolhidos indevidamente para quitar parcelas de tributos federais vencidos ou vincendos.

* Rafaella Almeida é advogada do escritório BLJ Direito e Negócio.

Para mais informações sobre imposto clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.