Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Morte de vereadora vira notícia, de pobre estatística

Morte de vereadora vira notícia, de pobre estatística

19/03/2018 Bady Curi Neto

A violência que assola o país não é novidade.

O Rio de Janeiro, há décadas, vive em uma verdadeira guerra civil travada entre policiais e traficantes dos morros cariocas. Os dados da ferocidade, da selvageria, em nosso cotidiano são estarrecedores.

O Brasil está entre os vinte países mais violentos do mundo, segundo a Global Peace Index de 2017. O mesmo instituto apurou que das cinquentas cidades mais perigosas do planeta, 19 são brasileiras.

Entre os anos de 2011 e 2015, a violência matou mais pessoas no Brasil que, pasmem, a guerra da Síria. O nosso país tropical registrou, em média, 135 estupros por dia, e estes dados são considerados muito inferiores à realidade. Isso porque, nos crimes de abuso sexual, as vítimas, na maioria das vezes, por preconceito, por medo e por vergonha, preferem não comunicar o crime às autoridades competentes, guardando o seu sofrer para si. (Dados levantados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública do ano de 2016)

Outro dado estarrecedor, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cita que o número de assassinatos de mulheres chega a 4,8 para cada 100 mil. O Mapa da Violência de 2015 aponta que, entre 1980 e 2013, 106.093 pessoas morreram por sua condição de ser mulher.

Entre 2003 e 2013, houve aumento de 54% no registro de mortes, passando de 1.864 para 2.875 nesse período. A taxa de feminicídio (assassinato de mulheres em razão de seu sexo) em nosso país é a quinta maior do mundo. A pequena amostra dos dados apontados demonstra, claramente, o verdadeiro terror que estamos submetidos e que infelizmente, acostumamos.

O sangue que brota das estatísticas e das páginas policiais não nos comove, não porque nos tornamos insensíveis às dores alheias, mas porque passaram a ser corriqueiras de nosso cotidiano. Este mês, morreram assassinados a vereadora carioca Marielle Franco e seu motorista Anderson Pedro Gomes. A imprensa toda se mobilizou para comentar o assassinato da vereadora.

Políticos de diversos partidos, Ministros da Suprema Corte, artistas, como Elza Soares, Caetano Veloso entre outros também se pronunciaram. A ex-presidente Dilma Rousseff, em um espetáculo à parte, em sua “incontinência verbal”, em que não pensa para falar, no Fórum Social Mundial, chegou a dizer que o assassinato “faz parte do golpe que desencadeado no Brasil em 2016. (...) Porque o golpe não é um ato, é um processo...”.

Será que não seria a hora de fazermos a mesma mobilização pela morte de tantos brasileiros, mulheres e homens, anônimos assassinados diariamente? Será que a importância da morte se dá pelo cargo e não pelo ser humano? Será que não seria a hora de revermos a visão distorcida dos direitos humanos no Brasil, que defende o bandido e não a vítima?

Será que não seria a hora de defendermos uma atuação da Policia Militar mais rígida? Será que não seria hora de defendermos uma intervenção federal na segurança dos Estados? A vereadora assassinada pensava que não.

Ela era uma conhecida defensora dos direitos humanos, contra a intervenção federal no Rio de Janeiro, atacava a atuação da Polícia Militar, favorável a liberação das drogas, apoiava a invasão do Movimento dos Sem-Terra (MST), como ocorrera no parque gráfico do Globo, dizendo ser isto forma de defesa da democracia.

Com a palavra, o leitor!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.