Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Muito além da Maria

Muito além da Maria

26/02/2022 Cida Vidigal

Ser mulher no Brasil há muito é sinônimo de desigualdade, desrespeito, insegurança e medo.

E brotam quase todos os dias novas estatísticas que reforçam os riscos de viver numa sociedade onde a proteção à mulher nem sempre é suficientemente eficaz.

Tomando uma pesquisa em especial, elaborada pelo Instituto Patrícia Galvão e pelo Instituto Locomotiva, com o apoio da Uber e da ONU Mulheres, em outubro de 2021, é possível constatar que a exceção simplesmente virou regra.

O estudo ouviu 1.194 mulheres com idade mínima de 18 anos, especificamente sobre o deslocamento delas pelas cidades brasileiras.

Os números são avassaladores: 7 em cada 10 delas alegaram já ter recebido olhares insistentes e cantadas inconvenientes durante seus trajetos, e 81% já sofreram algum tipo de violência na mesma circunstância.

Além disso, 36% das entrevistadas sofreram importunação ou assédio sexual; 34% foram vítimas de assalto, furto ou sequestro e 9% revelaram ter sido vítimas de estupro.

Esses dados são apenas a pequena ponta de um imenso iceberg que esconde diversas outras formas de violência que a mulher sofre, seja na locomoção dentro do transporte público, nas ruas, no trabalho ou até mesmo dentro de casa.

Hoje existem dispositivos legais que têm por objetivo protegê-la de potenciais agressores. Mas foi à base de muita luta e sacrifício.

A lei que se tornou referência em favor das mulheres é a 11.340/06, mais conhecida por Lei Maria da Penha. Ela estabelece que todo caso de violência doméstica é crime e deve ser apurado por inquérito policial e encaminhado ao Ministério Público.

As vítimas têm acesso a política de proteção e assistência social e a pena para os agressores, que antes era de 6 meses a 1 ano, a partir da lei passou a ser de 3 meses a 3 anos. Se a vítima for portadora de deficiência, acrescenta-se mais 1/3 ao período de detenção.

Ironicamente, sua existência se deu ao custo da mobilidade da mulher que assina a norma, depois de ter sido vítima de duas tentativas de feminicídio pelo ex-marido, o colombiano Marco Antonio Heredia Viveros.

Tetraplégica, Maria da Penha é símbolo de quem lutou por quase 20 anos até que o agressor fosse preso, ainda assim por apenas dois anos.

Mas, embora menos badaladas, existem outras legislações que propõem dar mais condições de vida digna às mulheres brasileiras.

Em 2012, entrou em vigor a Lei 12.737, também chamada Lei Carolina Dieckmann, em referência à atriz, que foi vítima de um hacker que invadiu seu computador pessoal e divulgou diversas fotos íntimas.

Hoje, a invasão a aparelhos eletrônicos para ter acesso a dados pessoais, incluindo conteúdo íntimo, tem penas que podem levar de três meses a até um ano, além de pagamento de multa.

No ano seguinte, em 2013, foi sancionada a Lei do Minuto Seguinte (12.845/13), que dá direito a assistência a mulheres vítimas de agressões ou violência sexual, antes mesmo de o boletim de ocorrência ser registrado.

A partir da legislação, as mulheres têm acesso a atendimento médico, psicológico e social imediato, além de contraceptivo para conter um eventual risco de gravidez e a contaminação de doenças sexualmente transmissíveis.

Também existem legislações que dão maior suporte e tempo de tolerância para as denúncias, como é o caso da Lei Joanna Maranhão (12.650/15), que estabelece o início da contagem de tempo para a denúncia apenas quando a vítima completa 18 anos. O prazo para denúncia é de 20 anos.

As leis do Stalker (14.1232/21), do Sinal Vermelho (14.188/21), de Importunação Sexual (13.718/18) e do Stealthing (Art. 215, do Código Penal) também visam à proteção da mulher.

Contudo, é importante que a mulher se reforce com toda a coragem para denunciar o seu carrasco, amparando-se no seu direito de defesa e proteção com base nas leis que hoje seguem em vigor.

Muitos dos números da violência contra ela não aparecem nas pesquisas porque são jogados para debaixo do tapete. Ou por medo ou por constrangimento.

Mas a sociedade dá mostras de uma evolução que indica: apesar de tudo e do longo caminho que ainda temos a percorrer, ela está mais protegida do que antes.

* Cida Vidigal é advogada, professora de direito da Faculdade Batista de Minas Gerais e diretora acadêmica do Grupo Ipemig.

Para mais informações sobre violência contra a mulher clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.


ITBI justo! Decisão do STJ estabelece cobrança baseada no mercado

Uma contradição envolvendo o mercado imobiliário em todo o Brasil foi derrubada por unanimidade no julgamento de um recurso especial analisado na 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Isenção do IR para aposentados e pensionistas: como obter o benefício?

Reduzir o valor a ser pago no imposto de renda é um desejo comum.