Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Multiparentalidade: a possibilidade da múltipla filiação

Multiparentalidade: a possibilidade da múltipla filiação

02/10/2020 Dra. Catia Sturari

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) reconhece desde 2016, pelo provimento número 63, a existência da multiparentalidade ou o parentesco socioafetivo que se caracteriza como o reconhecimento de uma pessoa que não é o pai ou mãe biológica da criança, mas criou um laço afetivo com ela devido à convivência.

No Brasil, podemos pegar como exemplo a multiparentalidade no caso de um padrasto ou madrasta, um tio, ou até mesmo um amigo, que tem relação socioafetiva com determinada criança e identifica-se como pai ou mãe dela.

O estopim para essa decisão do CNJ foi na Paraíba a partir de uma ação que reconheceu o vínculo sociofetivo de uma criança criada por um casal que tinha falecido.

Na ocasião, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que eles eram pais dessa criança e, então, ela teria direitos sucessórios nos bens, ou seja, direito à herança deles.

A partir dessa decisão, o CNJ editou o provimento número 63 em 2016, autorizando os cartórios de todo o Brasil a reconhecerem extrajudicialmente estas relações.

Nesse tipo de reconhecimento, é inserido na certidão de nascimento, além dos nomes dos pais biológicos, o nome da pessoa que também é considerada pai ou mãe dessa criança.

No entanto, essa decisão gerou polêmica, uma vez que todos enquadrados nesse direito poderiam ir aos cartórios fazer esse reconhecimento, independentemente da idade dos filhos.

Entre 2016 e 2019, mais de 44 mil pessoas tiveram nome de um segundo pai ou mãe inseridos na certidão de nascimento.

A partir de 14 de agosto do ano passado, com o provimento número 83, o CNJ junto com Ministério Público inseriu algumas regras para esse tipo de situação e agora não se pode mais reconhecer extrajudicialmente filhos sociofetivos menores de 12 anos.

Para a Justiça, com a idade de 12 anos a criança já entende o que é um pai e mãe. Além disso, também é preciso demonstrar para a sociedade que essas pessoas vivem numa situação de pai e filho ou mãe e filho, por meio de foto de aniversários juntos, de passeios, entre outras ações.

Esse tipo de reconhecimento também acontece para casal homossexual. Por exemplo, um deles teve filho fruto de um casamento heterossexual, mas a relação não deu certo e essa pessoa casa-se novamente, mas com um outro homem que tem convívio e ligação afetiva com a criança. É possível fazer esse reconhecimento como outro pai da criança.

Apesar da Justiça ainda não ter determinado claramente a questão da divisão da herança na multiparentalide também está incluído a questão inversa, ou seja, quando o filho falece primeiro, o ascendente tem direito a herança até o fim.

Outro fato importante é que os avós e irmãos ainda não estão incluídos nesse reconhecimento de situação de pai ou mãe.

Portanto, esse direito é legítimo para quem convive com uma criança e tem uma relação socioafetiva e uma afinidade com ela há um bom tempo.

É bem diferente da adoção em que a criança não tem pais biológicos vivos ou em condições de dar os devidos cuidados a ela. Na adoção, o processo é muito mais complicado e não há convivência com a pessoa que o deseja adotar.

Além disso, ao término do processo de adoção, a criança herda o sobrenome dos pais adotivos, assim como a certidão de nascimento inclui apenas o nome dos pais adotivos.

* Dra. Catia Sturari é advogada especializada em Direito de Família, atuando há 12 anos na área.

Fonte: Case Comunicação Integrada



A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.


Como garantir sua aposentadoria com tranquilidade em Portugal

Quando um cidadão brasileiro decide morar em Portugal, ou vice e versa, é preciso fazer diversos planos para que a sua qualidade de vida seja ainda melhor no país de destino.


Parecer da Receita pretende excluir o ICMS da base dos créditos de PIS e COFINS

O ICMS destacado na nota fiscal não pode ser considerado receita bruta por não representar acréscimo patrimonial do contribuinte.