Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Não há força tarefa maior que o Ministério Público

Não há força tarefa maior que o Ministério Público

15/07/2020 Bady Curi Neto

A decisão do presidente da Suprema Corte, ministro Dias Toffoli, determinando que os procuradores da Lava Jato compartilhassem dados e informações das investigações com a Procuradoria Geral da República (PGR), expôs o conflito existente entre os membros do Ministério Público.

Segundo a PGR, o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, estava tendo dificuldades de acesso às informações dos dados das operações realizadas pela Força Tarefa da Lava Jato.

Afirmara, ainda, que pessoas com foro privilegiado, constavam de denúncia oferecida à justiça do Paraná.

Os procuradores da operação Lava Jato se dizem indignados com a decisão que determinou o compartilhamento de dados, chegando a emitir nota dizendo que irão cumprir a decisão judicial, mas criticando seu teor.

Fato é que não há razões para impor uma restrição do compartilhamento de dados da Força Tarefa com a Procuradoria Geral da República, notadamente quando requisitada pelo seu representante maior.

A independência funcional do Ministério Público e de seus membros não o torna divisível, a teor do artigo 129 da Constituição Federal.

A Força Tarefa não pode ser vista como um órgão apartado, independente e soberano à própria Instituição.

Ela foi criada como um auxílio e para fortalecer o trabalho desenvolvido nas apurações dos escândalos denominados de Lava Jatou e/ou Petrolão, no intuito facilitador para os Procuradores designados para exercerem aquele mister.

Não se pode deixar de reconhecer o trabalho hercúleo desenvolvido pelos procuradores da Lava Jato, mas isto não os intitula acima do bem e do mal, permitindo insubordinação aos ditames do Procurador-Geral da República, como a recusa de compartilhar os dados colhidos pela Força Tarefa.

A sede na persecução criminal, a busca de aplausos e de reconhecimento social, o desejo de se manter como protagonista de uma Força Tarefa pode desvirtuar o enfoque da própria Força Tarefa, para permitir perseguições e ilegalidades, que, ao final, tornariam nulos toda a persecução criminal.

A Lava Jato já foi alvo de várias críticas, seja pelo excesso de exposição midiática, pelos espetáculos pirotécnicos de suas operações, seja por outros Procuradores da República.

Recentemente, conforme revelado pelo site “Conjur”, a Força Tarefa de São Paulo (SP) atuou como unidade que concentra e distribui processos, segundo ofício assinado pela Procuradora da República, Viviane de Oliveira Martinez, e enviando em 18 de maio à PGR.

“O documento reafirma que os feitos que geram manchetes e munição para subjugar figurões da República escapam da livre distribuição e são centralizados nas mãos de um grupo de lavajistas”, (Conjur 09/07/20), levando o CNMP determinar à Lava Jato de São Paulo cessar distribuição viciada de processos.

Maquiavel disse: “Dê o poder ao homem, e descobrirá quem ele é”, hoje diria, dê o poder e os holofotes midiáticos ao homem, que com o tempo, a luz da vaidade ofuscará sua própria imagem.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Licença e afastamento do servidor público: Como funciona?

Você já sabe que para o servidor público, existem várias leis e regras diferentes dos trabalhadores da iniciativa privada; por isso, é importante ficar atento a essas normas.


Fraudes podem diminuir a chance do Green Card

Advogado especialista em direito internacional, Daniel Toledo explica o que fazer ao suspeitar de problemas com o investimento.


Queda do WhatsApp pode gerar indenização aos usuários que tiveram prejuízo

Para o especialista em Direito do Consumidor, Marco Antonio Araujo Junior, comunicador instantâneo se enquadra como serviço pelo Código de Defesa do Consumidor.


Revista de empregados: os limites do poder diretivo e disciplinar do empregador

A relação de emprego tem características inconfundíveis.


O STF desprestigiado pelas ações políticas

Realmente, tornou-se um nefasto hábito, os políticos acionarem o Judiciário quando não conseguem bem encaminhar seus projetos ou perdem votações no âmbito do Legislativo.


Trabalho escravo da fé e a relação entre pastores e igrejas no Brasil

Os tribunais brasileiros estão recebendo uma série de ações de pastores e ministros de igrejas contra o chamado “trabalho escravo da fé”.


Embate entre condomínio e proprietário para locação por aplicativo vai parar no STJ

Para especialista, muitas vezes as multas condominiais aplicadas aos usuários da locação por aplicativo não são suficientes para coibir abusos.


Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.