Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O monitoramento no trabalho

O monitoramento no trabalho

17/07/2019 Maria Inês Vasconcelos

Não tem o que negar que, os avanços tecnológicos trouxeram benefícios para o mundo do trabalho.

Mas ao mesmo tempo, um cenário de alienação se faz presente. Isto porque a tecnologia criou possibilidades inimagináveis para o monitoramento e o controle do empregado, além do que o indivíduo pode suportar.

Nesse cenário, nos deparamos com distorções e desvirtuamentos da função empresarial frente aos empregados. Com a justificativa da otimização de resultados e aumento do lucro, as empresas praticam abusos constantes, ultrapassando as esferas constitucionalmente protegidas da vida privada, contrariando a honra e dignidade do trabalhador. Aquilo que antes se chamava de “follow-up up”, hoje é o comércio da loucura.

Para ilustrar a extensão desse desvirtuamento, observamos a situação de um bancário, que relata ao menos 100 ligações diárias recebidas de seus superiores durante a jornada de trabalho, para cobrar e incentivar o batimento das metas. A regra é atender, mesmo que esteja executando outra atividade.

Quando as chamadas não são atendidas, o gestor da empresa dispara uma mensagem por WhatsApp, referente às tentativas de contato do empregador, mantendo uma pressão contínua e progressiva.

Assim, quando as chamadas não são atendidas e respondidas, um emoji é encaminhado como aviso de acordo com sua cor. O amarelo corresponde a primeira tentativa, seguido pelo vermelho e pelo preto.

O uso dos emojis pretos evidenciam uma gestão deformada e anacrônica, que utilizam o terror e o medo para controlar seus funcionários. Essa estratégia, no entanto, também tem um custo humano e é psiquiatrizante.

Em outros casos, os empregadores já informam quanto a obrigatoriedade de manter os aparelhos móveis ligados até duas horas depois do encerramento da jornada, para que a comunicação e oportunidades não sejam perdidas.

Desta forma, se o vendedor estiver dentro de um determinado local, ao qual o sistema de rastreamento e localização indiquem potenciais clientes para a empresa, o funcionário poderá ser compelido a contatá-lo. Essa dinâmica alienante impõe ao indivíduo estar completamente em alerta e impedido de se desconectar do trabalho.

Os monitoramentos empresariais chegam a incluir o uso da internet, tablet, telefones corporativos, câmeras e até questionáveis gravações das conversas telefônicas.

Hoje em dia, a exploração cibernética é a nova chibata na linha de montagem, já que tais abusos estão cristalizados na neurose institucional de algumas empresas.

Trabalhar é uma dádiva, mas a liberdade e a privacidade são essenciais para que possamos viver com sentido e equilibradamente.

Em razão disso, é evidente que as empresas observem os limites constitucionais, que busca a proteção da privacidade, honra e dignidade do funcionário, e possibilita o ajuizamento de indenizações trabalhistas e, muitas vezes, sanções penais.

Dito isso, poderíamos apontar fatores etiológicos e antropológicos para recriminar a cultura de exploração do homem pelo homem, mas seria como chover no molhado.

Isto porque o alienismo existe e reproduz o pensamento da sociedade ao seu redor. No caso, a ideação de que os trabalhadores são os responsáveis pelo declínio econômico do país é o pensamento dominante.

Como dizia Freud, faz parte da natureza humana a ignorância de enxergar certas realidades, pois a indolência e a covardia fazem parte do homem.

Um dia, espero que seja possível olhar para esse tema de modo menos “míope”, com a certeza de que estamos produzindo uma legião de psquiatrizados.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada trabalhista, palestrante, pesquisadora e escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O uso do banheiro no ambiente de trabalho

Um dos temas mais polêmicos da relação entre patrão e empregado é a restrição para o uso do banheiro no ambiente de trabalho.


A greve dos correios e outras greves: sociedade refém

Destaca-se ainda o fato de que, tal qual ocorre em algumas outras categorias.


MP do Agro facilita o crédito para o agronegócio

Foi publicada no Diário Oficial da União, no dia 02 de outubro de 2019, a Medida Provisória nº 897/2019, denominada “MP do Agro”, que institui o Fundo de Aval Fraterno (FAF).


LGPD para gestores: dúvidas comuns e suas respostas

Algumas incertezas precisam ser esclarecidas com assertividade.


A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e os contratos de trabalho

A LGPD promete trazer grande impacto às empresas e à população em geral.


A proteção dada pela “Lei Maria da Penha” aos idosos

A violência contra a pessoa idosa no Brasil faz parte de uma realidade triste.


Os direitos dos animais ganham espaço no Judiciário brasileiro

No dia 04 de outubro será comemorado o Dia Mundial dos Animais.


Fim das restrições à publicidade médica?

Lei da Liberdade Econômica tem como objetivo de reduzir a burocracia para empresários, estimular o empreendedorismo e gerar mais empregos.


LGPD no viés trabalhista

Os reflexos da nova Lei de Proteção de Dados na esfera Trabalhista.


Candidatas laranjas: até quando veremos isso no Brasil?

As primeiras eleições foram palco de candidatas “fake”, ou seja, candidaturas que serviram única e exclusivamente para cumprir a exigência legal.


A justiça e a injustiça são antagônicas, não se misturam?

“Há mais coragem em ser justo, parecendo ser injusto, do que injusto para salvaguardar as aparências da Justiça”.


Código Florestal

O emaranhado no direito ambiental brasileiro.