Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que você precisa saber sobre pensão alimentícia

O que você precisa saber sobre pensão alimentícia

26/06/2024 Divulgação

A pensão alimentícia é um direito fundamental garantido pela legislação brasileira, assegurando que dependentes, especialmente filhos menores, recebam o suporte financeiro necessário para seu sustento, educação e bem-estar.

Com uma compreensão clara sobre como esse direito é aplicado, podemos observar os impactos diretos na vida de muitas famílias.

O que é pensão alimentícia?

O advogado especialista em direito de família, Dr. Issei Yuki, explica que pensão alimentícia é uma obrigação financeira imposta a um dos genitores ou a outro responsável legal, destinada a cobrir as necessidades básicas de alimentação, saúde, educação, lazer, vestuário e moradia dos filhos ou dependentes.

Em algumas circunstâncias, a pensão também pode ser concedida a ex-cônjuges ou outros parentes que comprovem a necessidade de suporte.

Quem tem direito à pensão alimentícia?

- Filhos menores: A principal categoria beneficiada pela pensão alimentícia são os filhos menores de idade, que têm direito ao sustento até completarem 18 anos, ou até 24 anos se estiverem cursando ensino superior.

- Ex-cônjuges: Em certos casos, ex-cônjuges também podem ter direito à pensão alimentícia, especialmente quando há dependência financeira comprovada durante o casamento.

- Outros parentes: Em situações específicas, outros parentes próximos, como pais idosos, podem solicitar pensão alimentícia se comprovarem a necessidade.

Como é calculado o valor da pensão alimentícia?

O valor da pensão alimentícia é determinado pelo juiz com base no binômio necessidade-possibilidade, ou seja, na necessidade do beneficiário e na possibilidade financeira do pagador.

Fatores como o padrão de vida anterior à separação e os custos específicos com educação, saúde e lazer são considerados. 

A legislação brasileira prevê diversas medidas para garantir o pagamento da pensão alimentícia:

1. Prisão para devedores: A possibilidade de prisão para aqueles que não cumprem com o pagamento da pensão alimentícia é uma medida coercitiva prevista em lei. A prisão pode ser decretada por até 3 meses, com possibilidade de regime fechado.

2. Penhora de bens: Outra medida importante é a possibilidade de penhora de bens dos devedores de pensão alimentícia, incluindo bloqueio de contas bancárias e penhora de imóveis e veículos.

3. Desconto em folha de pagamento: A lei também facilita o desconto automático da pensão alimentícia diretamente na folha de pagamento do pagador, agilizando o processo de recebimento pelo beneficiário.

Impactos na sociedade

- Para os pagadores: As regras vigentes impõem uma responsabilidade significativa sobre os pagadores, incentivando o cumprimento das obrigações financeiras.

Entretanto, também geram preocupação sobre a viabilidade financeira de manter o pagamento em situações de desemprego ou dificuldades econômicas.

- Para os beneficiários: As medidas legais trazem maior segurança para os beneficiários, garantindo que as necessidades básicas sejam atendidas de forma mais eficiente e contínua.

- Para a justiça: A aplicação das leis de pensão alimentícia busca reduzir a morosidade dos processos, proporcionando uma resposta mais rápida e eficaz aos conflitos.

Casos recentes têm mostrado a importância da efetividade dessas medidas. Em situações onde o pagamento da pensão é atrasado ou negligenciado, a justiça tem atuado de forma rigorosa para assegurar que os direitos dos beneficiários sejam respeitados.

“A pensão alimentícia é um instrumento essencial para garantir o bem-estar de muitas famílias, equilibrando as necessidades dos beneficiários com a capacidade financeira dos pagadores. Entender as regras e as medidas aplicáveis é crucial para assegurar que todos os envolvidos cumpram seus direitos e deveres de maneira justa e responsável.”, conclui o Dr. Issei Yuki.

Para mais informações sobre pensão alimentícia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X

Quem somos

Fonte: Roneia Forte Assessoria



Home care, os planos de saúde e os direitos do paciente

O conceito de home care é uma prática que vem ganhando cada vez mais espaço no cenário da saúde, especialmente no Brasil.

Autor: José Santana Junior


Segurança de elevadores em xeque: quem é responsável?

Mortes e ferimentos levam a questionamentos sobre manutenção e fiscalização.

Autor: Divulgação


Você contribui a mais com INSS?

Ela está lá, presente no contracheque de qualquer trabalhador com carteira assinada e nas cobranças mensais referentes ao funcionamento do MEI.

Autor: Marcelo Maia


Planejamento patrimonial ou sucessório? Na verdade, os dois!

Preocupar-se com o presente, o agora, é algo inerente a qualquer empresa. Até porque são as decisões deste instante, do hoje, que ajudam a determinar o amanhã.

Autor: Mariella Bins Santana


Aposentado pode permanecer em plano de saúde empresarial

Decisão recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que ex-funcionários aposentados devem assumir a integralidade da mensalidade do plano de saúde, em modalidade de coparticipação.

Autor: Natália Soriani


Desafios e soluções para condomínios com a legalização da maconha

Advogado Dr. Issei Yuki aponta aspectos críticos para a administração condominial.

Autor: Divulgação


Hiperjudicialização da saúde no Brasil: gargalos e soluções

A hiperjudicialização da saúde no Brasil é um fenômeno crescente que tem gerado preocupações significativas no sistema Judiciário.

Autor: Natália Soriani


Obra analisa direitos familiares sob o viés da afetividade

Com o intuito de aprofundar os aspectos constitutivos da afetividade familiar, o doutor em Direito Caio Morau assina livro em que analisa modelos de uniões cujo reconhecimento é reivindicado por setores da sociedade, como as poligâmicas, concubinárias e incestuosas.

Autor: Divulgação


Terrenos de marinha são diferentes de praia

A Proposta de Emenda à Constituição dos terrenos de marinha (PEC 3/2022), a chamada PEC das Praias, tem fomentado debates.

Autor: Fabricio Posocco


A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco


Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix