Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

29/04/2022 Henri Navesuh

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Recentemente, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) aprovou novas regras para os escritórios da área jurídica utilizarem as redes sociais. Isso aconteceu principalmente após a pandemia e a fase de isolamento, quando ficou evidente que a internet se tornou um dos principais meios para a divulgação de serviços e para a publicidade.

“O mais importante é que o mundo jurídico agora pode ter uma visibilidade maior nas mídias sociais. E é preciso estar mesmo presente nestes canais, afinal, apenas no Instagram, hoje, são mais de um bilhão de usuários”, indica a especialista em marketing digital Aline Bak.

Aline Bak ressalta, ainda, que o marketing jurídico é muito voltado para a autoridade, sendo que o relacionamento é essencial para os advogados. Além disso, a consultora explica que, com a nova regulamentação, é possível que estes profissionais tenham seus perfis nas redes sociais e produzam conteúdos informativos. “Vale a pena propor uma conversa com os seguidores, mas respeitando-se os limites das regras da OAB, claro”.

Confira oito estratégias para advogados que buscam ganhar autoridade e se tornar referência nas suas redes sociais:

1 - Saiba o que postar em cada rede social. O ponto inicial é sempre seguir a regulamentação da OAB. A partir daí as estratégias devem ser a base do marketing jurídico. “É essencial escolher as melhores redes sociais e saber o que postar em cada uma”, diz Aline. “Enquanto o Instagram deve ser explorado para a produção de conteúdos informativos e de valor, o LinkedIn pode ser utilizado para a publicação de artigos e para o fortalecimento de imagem no geral”, conclui a especialista.

2 - Defina um nicho. Para o profissional de Direito se tornar um criador de conteúdo, é fundamental que se estabeleça um nicho de atuação específico nas mídias sociais. “Ao escolher uma vertente dentro do meio jurídico, isso traz especialização, o que garante um conteúdo personalizado, com credibilidade e que não é definido de maneira genérica “, avalia Aline. “Quanto mais e focado, mais presença e confiança o profissional passará para as pessoas que acompanham o seu perfil”, diz.

3 - Planeje seus posts e crie uma agenda de postagens. É necessário construir um plano de comunicação para as redes sociais, definindo a periodicidade das postagens e a linguagem que vai utilizar com os seguidores. “Daí em diante, o próximo passo é o planejamento de posts e conteúdo”, diz Aline. “Quando se faz essa lição de casa, o perfil fica mais coeso e organizado, e, como consequência, as postagens vão fluir melhor, o que vai também engajar mais o público”, diz.

4 - Selecione bem seu público alvo. “Ao focar bem no potencial cliente, o profissional consegue segmentar seu conteúdo e, consequentemente, construir postagens direcionadas e que vão dar maior destaque para sua conta”, orienta Aline.

5 - Capriche na escolha de conteúdo. Aline Bak destaca que o estudo da área como um todo, e principalmente, do nicho escolhido, é essencial para a construção de um perfil de sucesso. “Com a globalização, as informações correm muito rápido, por isso os conteúdos devem estar sempre atualizados e repercutindo o que acontece na área; isso vai garantir muito mais reputação”, afirma a especialista.

6 - Tenha constância nas publicações. Uma das questões importantes nas mídias sociais é ter frequência nas postagens, e isso vale também para os advogados. Por isso, a especialista reforça que um bom planejamento deve levar em consideração a assiduidade. “Produzir conteúdo de modo sistemático é uma regra de ouro para se ter um perfil forte”, explica a especialista. “O Instagram, por exemplo, possui um algoritmo que direciona para as publicações mais recentes e, também, com mais curtidas, comentários e visualizações, assim que foram publicados. Por isso, a constância é fundamental para se ter sucesso nas mídias sociais”.

7 - Varie nos formatos. “É interessante alternar a forma da entrega de conteúdo para que o perfil tenha o papel de uma revista eletrônica; ou seja, precisa haver dinamismo”, explica. “Eu recomendo conteúdos que mostrem bastidores, respondam a dúvidas do público-alvo, e, ainda, forneçam dicas de utilidade pública. Esse tipo de abordagem, sempre respeitando a regulamentação da OAB, claro, costuma funcionar muito bem nas mídias sociais dos escritórios de advocacia”, afirma Aline.

8 - Fazer bem feito é fundamental. “Se for para escolher, recomendo que o advogado tenha uma mídia social que consiga nutrir periodicamente. Não adianta ter vários canais e não ter frequência nas postagens”, alerta Aline.

Para mais informações sobre rede social clique aqui.

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Key Press Comunicação



As polêmicas da urna eletrônica

Importante ressaltar que este artigo não tem viés político – partidário e não pretende esgotar o assunto, tendo apenas a intenção de contribuir para o debate sobre a segurança das urnas eletrônicas.


Planejamentos tributários abusivos

STF reconhece a constitucionalidade da norma limitadora.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.