Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os impactos financeiros do novo coronavírus nas relações familiares

Os impactos financeiros do novo coronavírus nas relações familiares

15/06/2020 Rafael Baeta Mendonça

As pensões alimentícias em tempos de pandemia.

Quando estamos diante de famílias cujos pais não convivem em um mesmo núcleo familiar, fixa-se uma prestação mensal, denominada pensão alimentícia, direcionada ao suprimento das necessidades da criança ou do adolescente, seja por acordo ou imposição judicial.

Para o arbitramento da pensão, o Código Civil determina que o valor a ser fixado, deve considerar a proporção entre as necessidades do filho e a possibilidade financeira dos pais.

Ou seja, a obrigação alimentar, ao mesmo tempo em que deve suprir o necessário para o sustento integral da criança ou do adolescente, não pode ultrapassar o limite daquilo que os pais podem pagar sem o prejuízo do próprio sustento.

Após a fixação da pensão alimentícia, caso não realizado o pagamento, o obrigado estará sujeito à penhora de seus bens e, ainda, à decretação de sua prisão civil, pelo prazo de 1 a 3 meses, em regime fechado.

Em março de 2020, a Organização Mundial de Saúde (OMS) caracterizou a Covid-19 como uma pandemia, reconhecendo a sua disseminação mundial.

No Brasil, o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus foi confirmado em 26 de fevereiro deste ano.

Desde então, na tentativa de conter a disseminação da doença, os governos têm adotado uma série de medidas restritivas para aumentar o índice de isolamento social, como, por exemplo, o fechamento de estabelecimentos e a suspensão de diversas atividades, o que impactou profundamente a rotina e, principalmente, a condição financeira de grande parte da população.

Infelizmente, não é possível prever até quando essa situação de instabilidade financeira irá perdurar, visto que nem mesmo os especialistas nos diversos aspectos da pandemia, conseguem determinar uma data em que a vida humana poderá voltar à normalidade.

Contudo, é certo que as manutenções das medidas restritivas, que visam o distanciamento social, ainda deverão se alongar no tempo.

Diante desse contexto, repentinamente, grande parte dos devedores de pensão alimentícia se deparou com uma realidade em que não consegue arcar com os valores das pensões anteriormente fixados, em virtude dos impactos financeiros ocasionados pelo novo coronavírus.

Considerando que a pensão alimentícia é fixada com base nas necessidades do filho e nas possibilidades financeiras dos pais, quando um desses parâmetros se modifica, também pode ser alterado o valor da obrigação alimentar, nos termos do artigo 1.699 do Código Civil.

Portanto, a depender do caso concreto, a pensão alimentícia anteriormente fixada pode ser revista, por meio de determinação judicial, para que o valor seja adequado à nova conjuntura fática provocada pela pandemia.

Além disso, nos casos em que for decretada a prisão civil do devedor de pensão durante a pandemia, pode ser feito um requerimento para que esta seja cumprida em regime domiciliar, evitando o risco de contaminação.

Como em todas as questões relacionadas ao Direito de Família, a pensão alimentícia em tempos de pandemia deve ser tratada com bom senso e razoabilidade, considerando que, embora não se admita a imposição de uma obrigação alimentar incompatível com a drástica realidade que se apresenta, não se desconsidera que a criança ou o adolescente continuam tendo despesas, que não podem ficar descobertas.

Caberá às partes, advogados, magistrados e demais profissionais do direito, a difícil missão de pacificar as relações sociais em tempos de pandemia, adequando-se à nova realidade que se apresenta.

* Rafael Baeta Mendonça é advogado e professor de Direito de Família na Faculdade de Direito Milton Campos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.


Inventário negativo: proteção dos herdeiros de dívidas do falecido

Quando ocorre o falecimento de uma pessoa, há a necessidade de se promover o inventário e a partilha de bens a serem transmitidos ao cônjuge e aos herdeiros do falecido.


Trabalhador com sequela tem direito a auxílio-acidente mesmo que volte à função

É bastante comum que o trabalhador desconheça o direito básico de receber o auxílio-acidente durante toda a vida profissional, sempre que sofra algum tipo de ocorrência que gere sequela e torne a realização da atividade laboral um pouco mais difícil.


Prorrogada suspensão de desocupações e despejos até outubro

O Ministro Luís Roberto Barroso do Supremo Tribunal Federal prorrogou até 31 de outubro a suspensão de despejos e desocupações coletivas, para áreas urbanas e rurais, devido a pandemia da covid-19, conforme os critérios estabelecidos na Lei nº 14.216/2021.