Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Planeje seus tributos para fazer de 2022 seu melhor ano

Planeje seus tributos para fazer de 2022 seu melhor ano

02/12/2021 Leandro de Souza

É chegado o final do ano e, para muito além dos preparativos das festas natalinas, o empresário autônomo, em especial, dentistas, médicos, fisioterapeutas, farmacêuticos e tantos outros profissionais da área da saúde se deparam com algumas perguntas.

Será que para 2022 eu devo manter a atual forma de apuração dos meus impostos? Abro uma empresa ou pago tudo na “pessoa física”? Simples Nacional ou Lucro Presumido?

Essas são apenas algumas questões (dentre outras que surgem) que, ao serem respondidas de forma equivocada, poderão gerar prejuízos ao profissional, acarretando o pagamento a mais de impostos do que realmente deveria, ou até pior, gerar obrigações desnecessárias em virtude da adoção de um regime tributário errado. Mas, antes de tudo, vamos entender sobre o que é um Regime Tributário.

No Brasil, podemos afirmar que existem 4 tipos principais de regimes tributários que se adequam ao profissional autônomo: Simples Nacional, Lucro Presumido, Lucro Real e a Tributação direta na Pessoa Física.

Em todas elas há inúmeras variações e detalhes, que vão desde o montante a pagar de impostos até a forma de como tais informações são enviadas aos fiscos (municipal, estadual e federal).

O regime do Simples Nacional consiste, basicamente, em pagar todos (ou quase todos, pois há exceções) os impostos de uma única vez, por meio de apenas uma guia de recolhimento, o DAS – Documento de Arrecadação do Simples.

Nesta modalidade, os impostos federais (PIS, COFINS, IRPJ, CSLL, INSS Patronal), estaduais (ICMS) e municipal (ISS) são calculados sobre o faturamento declarado pela empresa, não havendo, via de regra, deduções a serem realizadas.

O FGTS é pago sobre a folha de salários. Somente empresas que faturam até R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais) por ano é que podem se manter neste regime. Acima deste valor, são obrigados a adotarem o regime do Lucro Presumido ou do Lucro Real.

No Lucro Presumido há divisão na apuração e pagamento dos impostos, sendo que o PIS, COFINS, CSLL e IRPJ são apurados e pagos de formas separadas. O ISS, igualmente, é apurado e pago ao município em guia própria.

O INSS Patronal e o FGTS, por sua vez, são calculados e pagos levando em conta a folha de salários (independe do faturamento).

Nesta modalidade de tributação há diversas obrigações acessórias a serem entregues pela contabilidade, embora que para fins de cálculo dos impostos, não se podem utilizar créditos sobre as suas compras ou despesas incorridas.

Podem adotar este regime de tributação as empresas que faturem até R$ 78.000.000,00 (setenta e oito milhões) por ano, mesmo que faturem abaixo do teto do Simples Nacional (4,8 milhões), sendo que nestes casos, a adoção é opcional.

Superado o faturamento de 78 milhões anuais, há obrigatoriedade da adoção do regime do Lucro Real, o qual é de longe, a mais complexa forma de apuração dos impostos.

Motivo? Porque cada tributo tem uma base de cálculo diferente, sendo permitido o crédito sobre determinadas despesas/compras (PIS/COFINS), no entanto, com pagamento do IRPJ e CSLL sobre o lucro efetivamente obtido.

O INSS Patronal e o FGTS também são calculados e pagos levando em conta a folha de salários (independente do faturamento).

Neste regime de apuração as obrigações acessórias a serem entregues aos fiscos demandam ainda mais atenção da contabilidade, por ser o regime em que mais há fiscalização fazendária.

Por último, embora tecnicamente não possa ser chamado de “regime de tributação”, há a apuração dos impostos diretamente na Pessoa Física.

Aqui, o profissional não precisa ter um CNPJ, sendo que as suas receitas e despesas são todas informadas no seu CPF, tendo que pagar, nestes casos, o IRPF, INSS Patronal, FGTS e ISS.

Mesmo sendo, de fato, mais simples a forma de apuração e recolhimento dos impostos, há uma gama de dados e documentos que devem ser analisados para que o profissional não pague mais do que o devido.

Nesses casos, de forma simplificada, o INSS Patronal e o FGTS são pagos sobre a folha de salários (caso tenha empregados), embora o INSS também incide sobre os rendimentos do profissional.

O ISSQN (em alguns municípios chamados apenas ISS), a depender da cidade e da forma de trabalho, possui um valor fixo anual, o denominado ISSQN-Fixo. Mas, não raro, o recolhimento do ISS é sobre os rendimentos do trabalho.

No que diz respeito ao Imposto de Renda (IRPF), via de regra, ele é calculado sobre o total dos rendimentos do profissional, sejam tais valores provenientes do seu trabalho ou de outra fonte (ex.: aplicações financeiras).

No entanto, o profissional da saúde pode, obedecida a legislação e orientações da Receita Federal, deduzir da base do imposto determinadas despesas necessárias para a execução dos serviços.

Nesta modalidade há menos obrigações acessórias a serem entregues, sendo o carnê-leão e a Declaração de Ajuste Anual, a famosa Declaração do Imposto de Renda (entregue até 30 de abril), as duas mais importantes fontes de informações que o fisco exige.

Mas afinal, qual das formas de apuração eu devo adotar? A resposta certa a esta pergunta somente poderá ser dada por um profissional habilitado que analisará não apenas a legislação, mas, principalmente, a sua realidade.

Como é que você presta os serviços? Quais valores? Como recebe? Quantos funcionários? Sede própria ou atende em ambiente de terceiro? Quais materiais e despesas possui para exercer a atividade? São inúmeros questionamentos.

Tire um tempo para pensar no seu negócio. O ano de 2022 tem tudo para ser um ano desafiador, então por que prejudicar a sua empresa? Procure ajuda de especialista no assunto e comece o ano tranquilo.

* Leandro de Souza é advogado do escritório Juk Cattani Advogados

Para mais informações sobre tributação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ricardo Macuco – RMC



Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.


Quando uma empresa é excluída do Simples Nacional?

Irregularidades fiscais e alto faturamento resultam em penalidades e mudanças no regime de tributação.