Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Probidade e Responsabilidade

Probidade e Responsabilidade

09/03/2021 Wagner Dias Ferreira

O estudo do Direito Penal sempre desafia o estudante a compreender a palavra subsunção.

A maioria das pessoas olha para as leis e se manifesta sobre elas concordando ou discordando de seu conteúdo.

A mãe do rapaz preso por crime hediondo ou tráfico de drogas se revolta contra o fato da lei tratar de modo diferenciado o cumprimento de pena ao qual seu filho está sujeito. Mas apesar de uma opinião pessoal sobre a lei, ela se subsume.

Muitas vezes, a família da vítima de um crime hediondo quando vê a lei que permite a progressão de regime depois de dois quintos da pena cumprida se revolta com tamanha injustiça em um benefício desta ordem. Mas também ela se subsume.

O fato da realidade é diferente. Um é familiar do acusado e o outro, da vítima do crime. Independente do fato que acomete a pessoa ela se subsume à lei. A subsunção é em relação à lei, não ao fato.

As teorias que explicam a norma sempre dizem que ela é um “dever ser”. A norma convida, ou convoca, ou obriga o fato a se adaptar à norma.

Quando uma pessoa furta o patrimônio de outra, este é um fato da realidade e a lei diz que não deve acontecer. Por isso, este fato “deve ser” conduzido a uma adequação ao que impõe a lei.

E é por esta razão que o agente do furto é punido com prisão. Para que ele saiba que não deve fazer isso mais. A lei busca produzir modificações na realidade, para que cada vez mais a realidade seja como diz a lei.

Neste sentido, a lei retira a pessoa de uma realidade confortável e a conduz para um novo patamar proposto pela lei. O que o país precisa é buscar se amoldar à lei. E muitas vezes ampliar o “dever ser” proposto pela lei, para que se produza uma constante evolução social real.

Se considerarmos o que dizem as leis que falam como deve ser a probidade e a responsabilidade do Presidente da República, por exemplo, claramente se observa que a realidade deste momento precisa se amoldar à lei e melhorar.

A Lei nº 8.429/1992 diz muito sobre como deve ser a probidade de um homem público ao proclamar no “art. 11: constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente:”

Ora, se o agente público tem dever de honestidade e lealdade, com certeza mentir publicamente, afirmando em entrevistas fatos que se sabe notoriamente inverídicos, viola a probidade esperada do agente público.

Por sua vez, a  Lei nº 1.079/1950 quando propõe no seu “art. 9º São crimes de responsabilidade contra a probidade na administração: 7 - proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo.”

O fato de um agente público proferir publicamente palavrões e expressões de baixo calão constitui crime, que deve ser apurado e punido com a perda do cargo.

Os órgãos públicos encarregados de fiscalizar as ações de agentes públicos precisam agir sob pena de eles próprios estarem faltando com a probidade e a responsabilidade de seus cargos.

Não se pode, portanto, cessar as cobranças para que os agentes públicos brasileiros contenham seus ímpetos e comecem a proceder com probidade e responsabilidade.

* Wagner Dias Ferreira é advogado criminalista.

Para mais informações sobre probidade clique aqui…



Licença e afastamento do servidor público: Como funciona?

Você já sabe que para o servidor público, existem várias leis e regras diferentes dos trabalhadores da iniciativa privada; por isso, é importante ficar atento a essas normas.


Fraudes podem diminuir a chance do Green Card

Advogado especialista em direito internacional, Daniel Toledo explica o que fazer ao suspeitar de problemas com o investimento.


Queda do WhatsApp pode gerar indenização aos usuários que tiveram prejuízo

Para o especialista em Direito do Consumidor, Marco Antonio Araujo Junior, comunicador instantâneo se enquadra como serviço pelo Código de Defesa do Consumidor.


Revista de empregados: os limites do poder diretivo e disciplinar do empregador

A relação de emprego tem características inconfundíveis.


O STF desprestigiado pelas ações políticas

Realmente, tornou-se um nefasto hábito, os políticos acionarem o Judiciário quando não conseguem bem encaminhar seus projetos ou perdem votações no âmbito do Legislativo.


Trabalho escravo da fé e a relação entre pastores e igrejas no Brasil

Os tribunais brasileiros estão recebendo uma série de ações de pastores e ministros de igrejas contra o chamado “trabalho escravo da fé”.


Embate entre condomínio e proprietário para locação por aplicativo vai parar no STJ

Para especialista, muitas vezes as multas condominiais aplicadas aos usuários da locação por aplicativo não são suficientes para coibir abusos.


Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.