Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Probidade e Responsabilidade

Probidade e Responsabilidade

09/03/2021 Wagner Dias Ferreira

O estudo do Direito Penal sempre desafia o estudante a compreender a palavra subsunção.

A maioria das pessoas olha para as leis e se manifesta sobre elas concordando ou discordando de seu conteúdo.

A mãe do rapaz preso por crime hediondo ou tráfico de drogas se revolta contra o fato da lei tratar de modo diferenciado o cumprimento de pena ao qual seu filho está sujeito. Mas apesar de uma opinião pessoal sobre a lei, ela se subsume.

Muitas vezes, a família da vítima de um crime hediondo quando vê a lei que permite a progressão de regime depois de dois quintos da pena cumprida se revolta com tamanha injustiça em um benefício desta ordem. Mas também ela se subsume.

O fato da realidade é diferente. Um é familiar do acusado e o outro, da vítima do crime. Independente do fato que acomete a pessoa ela se subsume à lei. A subsunção é em relação à lei, não ao fato.

As teorias que explicam a norma sempre dizem que ela é um “dever ser”. A norma convida, ou convoca, ou obriga o fato a se adaptar à norma.

Quando uma pessoa furta o patrimônio de outra, este é um fato da realidade e a lei diz que não deve acontecer. Por isso, este fato “deve ser” conduzido a uma adequação ao que impõe a lei.

E é por esta razão que o agente do furto é punido com prisão. Para que ele saiba que não deve fazer isso mais. A lei busca produzir modificações na realidade, para que cada vez mais a realidade seja como diz a lei.

Neste sentido, a lei retira a pessoa de uma realidade confortável e a conduz para um novo patamar proposto pela lei. O que o país precisa é buscar se amoldar à lei. E muitas vezes ampliar o “dever ser” proposto pela lei, para que se produza uma constante evolução social real.

Se considerarmos o que dizem as leis que falam como deve ser a probidade e a responsabilidade do Presidente da República, por exemplo, claramente se observa que a realidade deste momento precisa se amoldar à lei e melhorar.

A Lei nº 8.429/1992 diz muito sobre como deve ser a probidade de um homem público ao proclamar no “art. 11: constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente:”

Ora, se o agente público tem dever de honestidade e lealdade, com certeza mentir publicamente, afirmando em entrevistas fatos que se sabe notoriamente inverídicos, viola a probidade esperada do agente público.

Por sua vez, a  Lei nº 1.079/1950 quando propõe no seu “art. 9º São crimes de responsabilidade contra a probidade na administração: 7 - proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo.”

O fato de um agente público proferir publicamente palavrões e expressões de baixo calão constitui crime, que deve ser apurado e punido com a perda do cargo.

Os órgãos públicos encarregados de fiscalizar as ações de agentes públicos precisam agir sob pena de eles próprios estarem faltando com a probidade e a responsabilidade de seus cargos.

Não se pode, portanto, cessar as cobranças para que os agentes públicos brasileiros contenham seus ímpetos e comecem a proceder com probidade e responsabilidade.

* Wagner Dias Ferreira é advogado criminalista.

Para mais informações sobre probidade clique aqui…



Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação