Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Querendo morar em Portugal? Saiba qual é o passo a passo para tirar a cidadania

Querendo morar em Portugal? Saiba qual é o passo a passo para tirar a cidadania

10/02/2022 Divulgação

Uma nova onda de emigração brasileira para Portugal tem acontecido nos últimos anos.

Somente em 2020, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) apontou que mais de 180 mil residentes brasileiros estavam vivendo no país, excluindo da estatística aqueles em situação irregular e os que possuem cidadania de outro país europeu.

Nem sempre é fácil encontrar informações sobre o que é preciso fazer para conseguir ser um cidadão português. Mas com o encaminhamento correto, acredita-se que milhares de brasileiros podem ter a chance de realizar esse sonho.

Segundo Itay Mor, fundador do Clube do Passaporte, empresa especialista em cidadania portuguesa que assessora interessados, o primeiro passo é escolher por qual via o processo será iniciado: por atribuição (transmitida de geração para geração quando o requerente é até neto de português) ou por naturalização, como ocorre pela via sefaradita (um direito concedido por Portugal) além da possibilidade concedida por meio do Golden Visa português.

Mor explica que para cada um dos processos há a necessidade de apresentar documentos diferentes. No caso de quem busca o processo por atribuição, se faz necessário fazer um levantamento de todos os documentos necessários para comprovação do direito à cidadania. “É preciso recolher as certidões e documentos para a entrada com o pedido de cidadania”, conta.

No caso da opção Golden Visa, o programa oferece vistos de residência em Portugal e em toda a Europa em troca de investimentos no país ibérico.

Já para aqueles que buscam a cidadania portuguesa pela via sefaradita é preciso realizar um estudo genealógico, com preparação de toda documentação familiar até a descoberta do ancestral judeu.

Nessa opção, a lei que concede a nacionalidade portuguesa a descendentes de judeus de comunidades sefarditas, cujos antepassados foram expulsos ou forçados à conversão entre os séculos XV e XIX, possibilita pular inúmeras gerações.

“Para se ter uma ideia, estima-se que mais de 30 milhões de pessoas no Brasil descendem de judeus e não sabem que têm direito à cidadania. Isso porque, segundo a atual lei portuguesa, qualquer descendente judeu da época da Inquisição, independentemente se este tenha se convertido ao cristianismo ou conseguido fugir para outros países, tem direito à cidadania”, explica.

O fundador do Clube do Passaporte comenta que, para saber se tem direito à cidadania através da lei que abrange cristãos novos, é preciso estabelecer um parecer sobre a viabilidade do processo, realizando um estudo genealógico, com preparação de toda documentação familiar até a descoberta do ancestral judeu.

“Com resultado positivo, os documentos são enviados para a Comunidade Judaica de Portugal, que irá emitir o certificado oficial”, destaca.

O último passo, que vale para todos os meios, é a entrada com pedido de cidadania no Ministério da Justiça de Portugal. “Percorrer esse caminho sozinho nem sempre é viável e percebemos que muitos desistem. Mas é possível contar com ajuda especializada para isso”, fala Mor.

Números

De maio de 2020 até o fim do mesmo ano, 950 pessoas procuraram o Clube do Passaporte para dar entrada no processo de cidadania portuguesa. De janeiro de 2021 até o momento, esse número saltou para 2.500 pessoas.

“Temos observado um aumento exponencial de interessados que têm os mais diferentes motivos para irem embora do Brasil e viver legalmente na Europa. Muitos nem sabiam que poderiam ter esse direito”, conta Victor Coifman, sócio do Clube do Passaporte no Brasil.

Para mais informações sobre cidadania portuguesa clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Agência Maverick



Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.


ITBI justo! Decisão do STJ estabelece cobrança baseada no mercado

Uma contradição envolvendo o mercado imobiliário em todo o Brasil foi derrubada por unanimidade no julgamento de um recurso especial analisado na 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ).