Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Responsabilidade do estabelecimento por furtos ocorridos em seus estacionamentos

Responsabilidade do estabelecimento por furtos ocorridos em seus estacionamentos

14/06/2019 Lorena Fadel e André Enrique S. Lubascher

O espaço ofertado para os clientes estacionarem seus veículos corresponderia a um instrumento para a captação de clientela.

Responsabilidade do estabelecimento por furtos ocorridos em seus estacionamentos

Desde a publicação da Súmula nº 130, em 1995, o STJ tem mantido o entendimento de que “a empresa responde, perante o cliente, pela reparação de dano ou furto de veículo ocorridos em seu estacionamento”. Mencionada Súmula foi editada com base nas relações consumeristas estabelecidas entre shoppings centers, supermercados e bancos (por exemplo), pois entendeu que o espaço ofertado para os clientes estacionarem seus veículos corresponderia a um instrumento para a captação de clientela, por criar uma expectativa de ambiente seguro.

Contudo, embora sumulado, o entendimento sobre o assunto não é pacífico - REsp 1.606.360/SC, julgado em 19/10/17.

Na década de 90, as decisões do STJ que reconheciam a existência de responsabilidade da empresa se baseavam na existência de um contrato de depósito voluntário tácito entre as partes., aplicando-se os artigos 627 e seguintes do Código Civil que regem tal espécie de contratação - passando a existir o dever de guarda e vigilância da empresa, previsto no art. 629.

A controvérsia começou a surgir com a seguinte questão: quando o contrato de depósito se aperfeiçoaria nesse caso? Isso porque, muito embora a legislação exija que esta modalidade de contrato seja realizada na forma escrita para fins de prova, vide o art. 646 do Código Civil, o STJ dispensou tal exigência em casos de estacionamento disponibilizado por empresas, conforme acordão proferido no REsp 4.582/SP, julgado em 16/10/1990.

Na tentativa de contornar a questão, a jurisprudência passou a fundamentar a teoria do risco-proveito. De acordo com essa teoria, aquele que lucra com uma situação deve responder pelos riscos e prejuízos dela resultantes.

Defende a Ministra Nancy Andrighi que esta linha de entendimento merece ponderação, pois “sob o ponto de vista econômico, a sistemática atribuição de responsabilidade ao estabelecimento pelos veículos subtraídos ou danificados em seu estacionamento tem por consequência o aumento dos preços dos produtos ou serviços oferecidos, na medida em que a empresa ou instituição, naturalmente, distribuirá o prejuízo em seus próprios custos operacionais”, conforme voto proferido no REsp 1426598/PR, julgado em 19/10/2017. Além disso, trata-se de imputação desmedida e irrestrita da responsabilidade, o que se entendeu não ser razoável.

Logo, para evitar que se transferisse integralmente a responsabilidade da guarda e vigilância do bem do proprietário para o estabelecimento comercial, estabeleceu-se na jurisprudência que a existência de responsabilidade da empresa somente se concretizaria se verificados alguns critérios: a relação existente entre a empresa que fornece estacionamento e aquele que ali estaciona – consumerista, comercial/empresarial ou meramente fática - ; as condições físicas do estacionamento; e a existência de excludentes de responsabilidade.

Com relação as condições do estacionamento, a Ministra, no julgamento do RESP nº 1.606.360/SC, ocorrido  em 19/10/2017, e do RESP nº 1.431.606/SP,  ocorrido em 15/08/2017, numerou (de forma exemplificativa) os seguintes: (a) pagamento direto pelo uso do espaço para estacionamento; (b) natureza da atividade exercida (se empresarial, de interesse social, o ramo do negócio, etc); (c) porte do estabelecimento; (d) nível de acesso ao estacionamento (fato de o estacionamento ser ou não exclusivo para clientes ou usuários do serviço); (e) controle de entrada e saída por meio de cancelas ou entrega de tickets; (f) aparatos físicos de segurança na área de parqueamento, tais como muros, cercas, grades, guaritas e sistema de vídeo-vigilância; (g) presença de guardas ou vigilantes no local; e (h) nível de iluminação.

Não há como se assegurar que a ausência desses critérios, em um eventual litígio, seria suficiente para afastar integralmente a responsabilidade da empresa, mas mostram-se como elementos acautelatórios.

Quanto à culpa exclusiva da vítima, os Tribunais afastam totalmente a responsabilidade do estabelecimento comercial. Exemplos desses casos são quando a vítima: (a) deixa o veículo no estacionamento, de forma espontânea, após o seu período de funcionamento; (b) deixa o veículo aberto; e/ou (c) sai do estacionamento, não se utilizando, visitando ou consumindo no estabelecimento.

É importante que o empresário consiga identificar quais são as peculiaridades de seu estacionamento e qual o tipo de relação que estabelece com aqueles que ali estacionam, para que seja possível mensurar os riscos aos quais está exposto e, a partir disso, adotar as medidas preventivas que julgue como as mais adequadas.

* Lorena Fadel e André Enrique S. Lubascher são integrantes da Área Corporativa do Marins Bertoldi Advogados.

Fonte: PG1 Comunicação



A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.


Inventário negativo: proteção dos herdeiros de dívidas do falecido

Quando ocorre o falecimento de uma pessoa, há a necessidade de se promover o inventário e a partilha de bens a serem transmitidos ao cônjuge e aos herdeiros do falecido.


Trabalhador com sequela tem direito a auxílio-acidente mesmo que volte à função

É bastante comum que o trabalhador desconheça o direito básico de receber o auxílio-acidente durante toda a vida profissional, sempre que sofra algum tipo de ocorrência que gere sequela e torne a realização da atividade laboral um pouco mais difícil.


Prorrogada suspensão de desocupações e despejos até outubro

O Ministro Luís Roberto Barroso do Supremo Tribunal Federal prorrogou até 31 de outubro a suspensão de despejos e desocupações coletivas, para áreas urbanas e rurais, devido a pandemia da covid-19, conforme os critérios estabelecidos na Lei nº 14.216/2021.