Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Supremo, o caso Lula e o respeito ao devido processo legal

Supremo, o caso Lula e o respeito ao devido processo legal

27/04/2021 Marcelo Aith

As recentes decisões proferidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) envolvendo o ex-presidente Lula reacenderam a discussão sobre a prevalência da impunidade na Suprema Corte do país.

Muitos têm proferido desinformações sobre o conteúdo das referidas decisões. Sem a pretensão de esgotar o assunto, procurarei por jogar alguma luz sobre as definições da 2ª Turma e pelo Pleno do Supremo.

Ressalte-se, por oportuno, que as decisões exaradas pelo STF primaram pela integral preservação do devido processo legal.

O devido processo legal é a alma do sistema processual brasileiro. E sem sua alma o processo morre! Isso mesmo morre!

Mas o que é o devido processo legal? É o estabelecimento de regras prévias, que, em síntese, determinam os limites de atuação do Ministério Público, sobre o direito ao exercício pleno pela defesa, bem como impõe ao juiz uma atuação imparcial.

Atuação imparcial que se exige do julgador é aquela em que ele fica em uma posição equidistante das partes e preservando a isonomia entre os contendores. E foi exatamente isso que a Suprema Corte preservou nas decisões envolvendo o ex-presidente Lula.

As decisões do ministro Edson Fachin reconhecendo a incompetência da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba para julgar os processos envolvendo o ex-presidente Lula estão em harmonia com o disposto no artigo 70, do Código de Processo Penal.

Cumpre destacar que o próprio ex-juiz Sergio Moro, ao proferir sentença em uma das ações penais contra o ex-presidente Lula, reconheceu que a matéria trazida na denúncia do Ministério Publico Federal não estava relacionada com supostos favorecimentos em contratos entre o “cartel” de empreiteiras e a Petrobras. Dessa forma, diversamente do que muitos têm falado, a decisão foi absolutamente técnica.

Além disso, não podemos perder de vista que os grandes culpados pelo retrocesso dos processos do ex-presidente Lula a estaca zero foram o ex-juiz Moro e os procuradores da Lava Jato, que na sanha condenatória contra o ex-presidente, passaram por cima de uma regra básica do devido processo legal: a competência para julgar, ferindo o caro princípio do juiz natural, criando um verdadeiro tribunal de exceção contra Lula.

Já no que concerne ao julgamento da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal que, por maioria de votos, reconheceu a parcialidade de Sergio Moro, o julgamento também foi totalmente técnico e buscou, novamente, preservar o devido processo legal.

No sistema acusatório, previsto na Constituição da República como garantia fundamental de qualquer cidadão, o julgador deve atuar com imparcialidade, ou seja, deixando de lado suas ideologias, crenças, etc., e se ater exclusivamente nas provas produzidas no processo. O juiz tem que se manter equidistante das partes justamente para não se contaminar por eles.

Imaginem a seguinte situação: em um jogo de futebol, envolvendo o seu time de coração, contra seu arquirrival, o árbitro da partida combina com o atacante do time adversário para ele se jogar na área que irá marcar pênalti.

Você gostaria dessa situação? Você acharia justo? Você protestaria contra essa “roubalheira”? Vamos colocar mais um ingrediente nesse angu: imaginem que o outro time está jogando muito melhor que o seu e o arbitro decide ajudar marcando o pênalti narrado acima de forma fraudulenta, fora das regras do devido processo futebolístico.

Você mesmo assim acharia injusto? Ou o que vale é ganhar dentro das regras estabelecidas para uma partida de futebol? Foi exatamente isso que levou o Supremo Tribunal Federal a decidir pela suspeição de Sergio Moro.

Para recordarmos um pouco das ações pouco republicanas de Moro, que contaminaram a regra do jogo, destaco trecho de mensagens trocadas pelo ex-juiz e os representantes da Força-Tarefa:

"15:58:17 [Moro] Caro. A PF deve juntar relatório preliminar sobre os bens encontrados em depósito no Banco do Brasil. Creio que o melhor é levantar o sigilo dessa medida.

16:03:20 [Moro] Abri para manifestação de vcs mas permanece o sigilo. Algum problema?

17:20:53 [Deltan] Temos receio da nomeação de Lula sair na segunda e não podermos mais levantar o sigilo. Como a diligência está executada, pense só relatório e já há relatório preliminar, seria conveniente sair a decisão hoje, ainda que a secretaria operacionalize na segunda. Se levantar hoje, avise por favor porque entendemos que seria o caso de dar publicidade logo nesse caso.

17:25:28 [Moro] Bem já despachei para levantar. Mas não vou liberar chave por aqui para não me expor. Fica a responsabilidade de vcs.

17:26:19 [Moro] Meu receio são novas polêmicas agora e que isto tb reverta negativamente. Mas pode ser que não.

17:51:33 Deltan: vamos dar segunda, embora fosse necessária a decisão hoje para caso saia nomeação (eDOC 178)."

Sergio Moro nada mais disse do que: “Deltan cai na área que eu dou o pênalti”. Isso é justo? Houve respeito as regras do jogo no comportamento promiscuo entre Sergio Moro e a turma da Lava Jato?

Não podemos olvidar que somente haverá Justiça com a preservação do devido processo legal. Situações de aproximação indevida e consequente injustiça e desrespeito ao devido processo legal tem ocorrido às escâncaras no Brasil afora.

Hoje, você pode pensar que os fins justificam os meios, pois há indícios de corrupção envolvendo o ex-Presidente. Mas o injustiçado um dia pode ser você! Pensem nisso.

* Marcelo Aith é advogado especialista em Direito Público e professor convidado da Escola Paulista de Direito (EPD).

Para mais informações sobre suspeição clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.