Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Taxas abusivas cobradas na atividade de mineração

Taxas abusivas cobradas na atividade de mineração

02/12/2021 Henrique Costa de Seabra e Tiago Maluf

O setor minerário está atento ao julgamento das Ações Diretas de Inconstitucionalidade nº 4.785 e nº 4.786, propostas pela Confederação Nacional das Indústrias, tem como base a Inconstitucionalidade e a desproporcionalidade das taxas que fiscalizam a exploração dos recursos minerais nos estados de Minas Gerais e do Pará.

Como base para a propositura das ações, a CNI apresentou estudos produzidos pela Consultoria EY, que evidenciam a desproporcionalidade da arrecadação em relação aos gastos necessários para a manutenção da fiscalização.

Sabe-se que, para o Direito Tributário e Financeiro, as taxas são tributos nos quais o fato gerador é configurado por uma atuação estatal específica, a título de contrapartida pelo seu pagamento, é prestado um serviço público.

Trata-se de atividade estatal, divisível e destinada a um indivíduo ou grupo. Portanto, a contraprestação do estado está vinculada ao objetivo pelo qual a taxa foi criada, diferentemente dos impostos.

No que se refere aos fatos supracitados, o estudo comprova que em Minas Gerais, entre os anos de 2013 e 2019, o órgão fiscalizador arrecadou valor 431% superior ao necessário para pagamento de custos que garantem o funcionamento geral da fiscalização.

Acrescesse-se a isso, o fato de que somente no ano de 2019, o estado de Minas Gerais arrecadou R$ 317 milhões, decorrentes da TRFM, e cerca de R$ 186 milhões, com outras taxas ambientais, fato que evidencia os valores exorbitantes arrecadados pelo estado, em função das taxas abusivas cobradas sobre a exploração mineral.

No estado do Pará, a situação é semelhante, visto que o mesmo estudo mostra que decorrente da TFRM, a arrecadação do estado é 72 vezes maior do que os gastos efetivos para a fiscalização.

Um agravante desse estado em relação ao de MG, é que ele conta com a Serra dos Carajás, um dos mais importantes e conhecidos pontos de exploração mineral do mundo, entretanto, as altas taxas de ambientais acabam afastando investidores, o que afeta negativamente a economia do país.

No início de 2021, o Supremo Tribunal Federal julgou como inconstitucionais as leis que determinavam taxas de fiscalização sobre atividades hídricas e energéticas nos estados do Rio de Janeiro e no Pará (ADI’s 5.374 e 5.489).

Tal julgado não se distancia das ADI’s referentes a mineração, visto que em ambos os casos, há de se levar em consideração o princípio da proporcionalidade, já que tais leis estaduais são na verdade impostos mascarados de taxas, o que acarreta uma arrecadação desproporcional milionária para o estado, e prejudica de forma desnecessária as atividades mineradoras do país.

Em síntese, os casos do PA e do RJ, são vistos como precedentes para o julgamento das ADI’s 4.785 e 4.786, visto que mesmo os casos se tratando de recursos naturais diferentes, a abusividade das taxas se repete.

Além disso, tendo em vista que as ADI’s 5.374 e 5.489 foram julgadas procedentes em unanimidade, é de se esperar que o entendimento do STF acerca do caso das mineradoras seja justo, no sentido da consideração da desproporcionalidade das taxas cobradas.

Fixado pelo STF após o julgamento do caso ocorrido no PA e no RJ: “viola o princípio da capacidade contributiva, na dimensão do custo/benefício, a instituição de taxa de polícia ambiental que exceda flagrante e desproporcionalmente os custos da atividade estatal de fiscalização”.

* Henrique Costa de Seabra é especialista e mestre em Direito Ambiental.

* Tiago Maluf é estudante de Direito da Faculdade Milton Campos.

Para mais informações sobre mineração clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


A digitalização no departamento jurídico

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.


Quando uma empresa é excluída do Simples Nacional?

Irregularidades fiscais e alto faturamento resultam em penalidades e mudanças no regime de tributação.