Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Autoconhecimento e o restart de cada jornada

Autoconhecimento e o restart de cada jornada

11/09/2020 Luiz Alexandre Castanha

Sempre ouvimos que a vida passa rápido como um sopro.

Autoconhecimento e o restart de cada jornada

Deixando os clichês de lado, estou próximo de completar meus 47 anos e, de fato, olho para trás e vejo como nossa jornada realmente vai se desenrolando em um piscar de olhos.

Nesses anos de vida, durante a minha própria jornada, passei por grandes alegrias, momentos de felicidade e também de problemas e tristeza. No mundo empresarial, nos últimos 30 anos, tive a sorte de trabalhar com várias empresas, cada uma com seu charme, seus desafios e seus deleites. 

Vivenciei diversas situações inusitadas, que nem de longe lembram os livros de TGA da minha graduação e muito menos os de RH e Marketing da minha pós-graduação.  A vida real e tão distante desses livros, que só mesmo contando todos os "causos” seria possível entender o peso que damos às coisas e importância momentânea de cada situação vivida.

Parece que se você não tomar a melhor decisão naquele momento, "cabeças rolarão!" como dizia minha professora Berenice, ainda no Ensino Fundamental.

A intensidade e a importância que damos aos fatos nesses momentos não deveriam ser relevantes se considerarmos a jornada de toda uma vida. Porém, vejo que viver nossa jornada intensamente faz com que cresçamos e tomemos decisões melhores a cada dia. Afinal, é preciso realmente viver cada situação imposta pela vida, provar o doce e o veneno, para conhecer todos os sabores e conhecer as consequências.

O ano de 2020 já começou repleto de desafios de mercado e corporativos. Pensei que seria um ano animado e que já tinha vivido um pouco de tudo nesta vida, mas quando chegou março: BUM! Os dias se tornaram pura ficção científica. 

O que é ir ao mercado vestido de astronauta?

O que é trabalhar sem ir ao escritório?

O que é não poder tomar um café com um amigo?

As pessoas te olharem feio enquanto caminha na rua com o seu cachorro?

Estar proibido de sair de casa e de viajar com sua cara metade?

Que loucura!

Mas o fato é que a gente se acostuma com tudo:

Aluguei uma bike pra pedalar na varanda - pura mentira usei 5 vezes.

Arrumava qualquer desculpa pra ir no mercado ou na farmácia - os "pecados permitidos" do momento.

No trabalho, veio uma avalanche de reuniões virtuais até conseguir estabelecer a nova ordem, à distância. E não é que funcionou?  Começaram também a febre das lives. Eu mesmo fiz umas cinco, pelo Instagram, Youtube e Facebook. No início foi até divertido, mas depois de 3 meses ninguém quer nem mais ouvir a palavra live.

E os eventos sociais? Passaram a acontecer via aplicativos de vídeo. Happy Hours, aniversários, novidades boas, notícias ruins, meditações, ginástica, e até missas virtuais de amigos que perderam a batalha para o tal Covid.

Com o passar do tempo, algumas fichas foram caindo e veio o meu restart:

De fato, preciso estar no escritório para trabalhar? Em apenas semana, ajustamos o necessário para fazer funcionar a equação do trabalho. E isso faz surgir a dúvida: Por que não fizemos isso antes? Quanto tempo da vida perdemos? Quanto recurso desperdiçado? Chega a ser absurdo pensar isso hoje.

Descobri que o simples funciona. Tomar atitudes simples e questionar processos e estruturas frente ao novo cenário, traz luz ao que realmente importa para os negócios e ajuda a trazer uma leitura enxuta sobre os processos. Nunca fazer mais com menos fez tanto sentido.

Com quem eu vou? Essa foi uma das maiores lições. Como disse Ernest Hemingway: Quem estará nas trincheiras ao teu lado? ‐ E isso importa? ‐ Mais do que a própria guerra.

Em grandes tempestades, precisamos ter confiança entre os tripulantes. Afinal, se algo nesta cadeia falha, o barco vira. 

Estes tempos difíceis que ainda vivemos nos trarão outro modo de encarar a vida e o trabalho - com a mesma seriedade ou mais -  porém a distância, mais perto dos seus, de forma mais clara, objetiva e, principalmente, com uma tripulação de confiança.

Eu estou pronto para o meu restart, e você?

* Luiz Alexandre Castanha é especialista em Gestão de Conhecimento e Tecnologias Educacionais.

Fonte: Conecte Comunicação



Os impactos colaterais da Reforma Tributária no ensino privado brasileiro

A Reforma tributária chegou para valer. O poder executivo finalmente demonstrou suas verdadeiras intenções.

Os impactos colaterais da Reforma Tributária no ensino privado brasileiro

Os resultados do PISA, liderança e o regime de colaboração

O Brasil participa do PISA desde 2000 e os principais avanços de aprendizagem dos alunos ocorreram até o ano de 2009.


O paradigma do Ensino Híbrido

Recordar é viver: “é preciso aprender a aprender”.

O paradigma do Ensino Híbrido

Cursos gratuitos para quem deseja empreender no segmento de doces

Os conteúdos são aplicados por confeiteiros e consultores de negócios, de maneira didática, com videoaulas, e-books e certificado de formação.

Cursos gratuitos para quem deseja empreender no segmento de doces

Dinossauros em transformação

O que nós professores podemos fazer é utilizar diferentes estratégias de transposição didática.

Dinossauros em transformação

Ser professor no Brasil

Somos em torno de 2,5 milhões de professores, atuando desde o fundamental até o ensino superior.

Ser professor no Brasil

Jovens fora das salas de aula custam caro ao país

A evasão escolar gera gasto 372 mil reais para o Brasil, por ano.

Jovens fora das salas de aula custam caro ao país

Educadores brasileiros ganham aplicativo gratuito para autodesenvolvimento

EducaBox usa microlearning para desenvolver competências digitais em professores e educadores sociais e corporativos.

Educadores brasileiros ganham aplicativo gratuito para autodesenvolvimento

Professora curitibana vence prêmio nacional com projeto pedagógico durante pandemia

Docente engaja famílias dos estudantes com atividades que unem filantropia aos conceitos das disciplinas.

Professora curitibana vence prêmio nacional com projeto pedagógico durante pandemia

Não existe ano letivo perdido

Devemos olhar como um período de aprendizagem.

Não existe ano letivo perdido

Na escola, dia das crianças é todo dia

Sempre que chega o 12 de outubro, as celebrações pelo Dia das Crianças se espalham por todo o país.

Na escola, dia das crianças é todo dia

O copo meio cheio ou meio vazio da Educação

Um copo com água pela metade pode estar meio cheio ou meio vazio, depende do ponto de vista.

O copo meio cheio ou meio vazio da Educação