Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Educação: a grama tão verde do vizinho

Educação: a grama tão verde do vizinho

27/05/2019 Norman de Paula Arruda Filho

Quem não se desprender da teoria, ficará estagnado em um mercado profissional cada vez mais dinâmico

Educação: a grama tão verde do vizinho

A Alemanha está nos noticiários por aprovar jornada de trabalho de 28 horas semanais, porém, ao lançar o olhar para este país outro dado me chama a atenção: o investimento em pesquisa e desenvolvimento. Dados de 2016 mostram que o governo federal e os setores econômico e científico alemães investiram 2,94% do Produto Interno Bruto em pesquisa e desenvolvimento contra 2,03% dos outros países da União Europeia e gerando um abismo quando comparado ao Brasil, que em 2015, investiu 0,63%, o equivalente a R$ 37,1 bilhões contra os 92,2 bilhões de euros da Alemanha.

Porém, mesmo sofrendo de um problema que nos é familiar: a mobilidade social (um aluno pertencente às classes sociais mais baixas terá poucas oportunidades para ascender socialmente em relação aos seus pais), o “pulo do gato” dos alemães atualmente está na atenção dada a transição do aluno ao mercado de trabalho.

Segundo uma pesquisa da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), o nível de desemprego entre adultos que se formaram no ensino secundário em um curso técnico chega a apenas 4,2%. Já para jovens entre 15 e 19 anos que não estão estudando ou trabalhando chega a 8,6%, um dos menores níveis entre os países-membros da organização. Além disso, eles têm uma classe média forte, com 58% da população ganhando entre € 2.400 e € 5.000, mesmo profissionais que se formam somente no ensino secundário têm um poder de compra considerado socialmente satisfatório, o que mantém a economia aquecida.

Investimento em pesquisa e desenvolvimento aliado a programas de aprendizagem que auxiliem na inserção dos jovens no mercado de trabalho nos distancia ainda mais da realidade alemã. Mas como podemos diminuir essa distância já que a projeção de investimento nessa área não nos é promissora? Devemos e podemos promover parcerias internacionais e incentivar o investimento da iniciativa privada para o preparo de nossos jovens para a profissionalização.

Como professor e gestor de uma instituição de ensino, sou inquieto e procuro sempre trazer inovações para a sala de aula. Hoje, mais do que nunca, é fundamental buscar continuamente a troca de conhecimento entre players internacionais e com as iniciativas globais, como a Organização das Nações Unidas (ONU). A sala de aula mudou. Nela, temos que incentivar os alunos a serem sedentos por conteúdos extraclasse, cases de sucesso e, principalmente, experiências reais. Quem não se desprender da teoria, ficará estagnado em um mercado profissional cada vez mais dinâmico.

Se não podemos investir, devemos não só abrir as fronteiras para a pesquisa científica como incentivar convites para parcerias em prol da sustentabilidade das nações em todas as suas nuances, sejam elas de primeiro mundo ou não. Quem sabe um dia, com muita criatividade e inspiração, chegaremos no padrão alemão.

* Norman de Paula Arruda Filho é Presidente do ISAE Escola de Negócios, conveniado à Fundação Getulio Vargas, professor do Mestrado em Governança e Sustentabilidade do ISAE/FGV, e Coordenador do Comitê de Sustentabilidade Empresarial da Associação Comercial do Paraná (ACP).

Fonte: P+G Comunicação Integrada



BH recebe 46° Congresso Brasileiro de Análises Clínicas

Evento acontecerá entre os dias 16 e 19 de junho, no Expominas, e é um dos mais importantes do calendário de profissionais de análises clínicas, e traz novidades científicas e em soluções para laboratórios


Mesmo com avanços tecnológicos, escolas não devem esquecer a formação humana dos estudantes

Segundo coordenador do Sistema de Ensino pH, é necessário se preocupar com uma educação ética, sustentável e que respeite a diversidade.

Mesmo com avanços tecnológicos, escolas não devem esquecer a formação humana dos estudantes

Cresce o número de adultos que querem concluir o Ensino Médio

Segundo o Inep, as inscrições para o Encceja aumentaram 75% este ano, em relação a 2018

Cresce o número de adultos que querem concluir o Ensino Médio

Como mediar conflitos nas escolas

Mediar um conflito de forma positiva, restaurando os sentimentos e as emoções usando modelos não punitivos responsabilizando os envolvidos.

Como mediar conflitos nas escolas

ProUni abre período de inscrições

O prazo para participar da seleção vai até 14 de junho.

ProUni abre período de inscrições

Os três pilares do aprendizado

A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular.

Os três pilares do aprendizado

60% das pessoas que procuram intercâmbio são mulheres

As mulheres, geralmente, procuram programas que possibilitam estudar e trabalhar

60% das pessoas que procuram intercâmbio são mulheres

Número de inscritos para o Encceja 2019 tem aumento de 75%

As provas serão aplicadas no dia 25 de agosto em 611 municípios

Número de inscritos para o Encceja 2019 tem aumento de 75%

Mestrado em Engenharia Elétrica da UFSCar está com inscrições abertas

Programa tem linhas de pesquisa em "Fotônica: materiais e dispositivos", "Processamento digital de sinais" e "Smart grids"


Os benefícios de estudar espanhol na Argentina

Brasil é o único país onde se fala português na América do Sul. Nos outros países, a língua oficial é o espanhol. Isso já seria suficiente motivo para tomar a decisão de estudar espanhol na Argentina. Mas, por que na Argentina?

Os benefícios de estudar espanhol na Argentina

Escolas, ensino e educação

Precisamos prestar mais atenção ao aproveitamento de nossos filhos na escola e cobrar de nossos governantes melhoras na nossa educação.


Erros que os pais cometem na hora de dar mesada

A mesada é uma ótima ferramenta para inserir as crianças e jovens no universo financeiro.

Erros que os pais cometem na hora de dar mesada