Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Educação para poucos é o avesso de si

Educação para poucos é o avesso de si

06/05/2022 Danilo Costa

Intitulado “Reimagining our futures together: A new social contract for education”, um estudo recente da Unesco é categórico logo nas primeiras páginas: “Nossa humanidade e Planeta Terra estão sob ameaça”.

O texto ainda segue com algo óbvio aos nossos olhos, porém necessário de ser registrado: “A pandemia apenas provou nossa fragilidade e nossa falta de interconexão”.

O documento em questão destaca quão crucial é expandir as oportunidades educacionais, bem como o estabelecimento de um novo Contrato Social que beneficie todas as crianças e os jovens. O protagonismo da Unesco na promoção de uma educação de qualidade para todos não é de hoje.

Não por acaso, o Dia Mundial da Educação – celebrado globalmente em 28 de abril – só foi instituído após a realização do Fórum Mundial da Educação, que aconteceu no Senegal, em 2000.

Nós, profissionais dessa área, temos sempre que pensar à frente. Como prever nossa realidade em 2050, considerando que temos um mundo cheio de desigualdades a serem corrigidas?

Esse documento da instituição, preparado por uma comissão chefiada pela presidente da Etiópia, Sahle-Work Zewde, propõe a elaboração desse novo Contrato Social, mencionado anteriormente.

Com isso, a sociedade pode atuar por benefícios comuns, como o acesso à educação de qualidade por toda a vida e fortalecimento do ensino como um bem comum.

Mais do que uma meta cravada na pedra, o relatório funciona como um convite para pensar e não necessariamente um projeto.

Há inúmeros pontos – e falaremos deles a seguir – que podem ser considerados regionalmente em cada nação, escola ou metodologia de aprendizagem. Nada deve ser empregado no formato de cima para baixo, tudo deve ser relativizado e contextualizado.

Segundo a publicação, ao longo do século 20, a educação visava, essencialmente, apoiar esforços de cidadania e desenvolvimento por meio da escolaridade obrigatória para crianças e jovens.

Mas isso mudou – e acho que todos concordamos a respeito. Atualmente, enfrentamos graves riscos para o futuro da humanidade e do próprio planeta vivo.

Com a pandemia, só pude notar que tivemos um despertador tocando bem alto, como quem brada: “Acorde rápido”.

Pensei que 2022 começaria mais otimista e altruísta, entretanto, fomos surpreendidos por uma guerra no leste europeu. É preciso melhorar. O ser humano ainda tem muito que ser polido e lapidado.

Sob uma perspectiva pedagógica, deve-se reinventar urgentemente a educação para nos ajudar a enfrentar desafios comuns.

O novo contrato da sociedade deve nos unir em torno de esforços coletivos e fornecer o conhecimento e a inovação necessária para moldar futuros sustentáveis e pacíficos para todos ancorados em questões sociais, econômicas e justiça ambiental. Deve-se defender o papel desempenhado pelos professores.

De acordo com o estudo da Unesco, há três perguntas essenciais a serem feitas à educação ao olharmos para 2050: O que devemos continuar fazendo? O que devemos abandonar? O que precisa ser inventado criativamente de novo?

As questões que surgem precisam ser tomadas e respondidas localmente nos países, nas escolas, nos programas e nos sistemas educacionais.

Há nações que iniciaram projetos elaborados de sustentabilidade – dentro e fora das salas de aula. Há outras que vivem diariamente ameaças constantes, sejam de guerra ou de queda da democracia.

Precisa-se avaliar com uma lupa cada realidade isoladamente e propor ações contínuas e estruturadas. Existe, entretanto, um denominador comum: grupos socialmente privilegiados continuam tendo acesso à qualidade superior.

O novo olhar educacional deve pensar em inclusão como ponto de partida. Como bem adiantei no título, uma educação para poucos é o oposto de si.

As escolas devem ser locais educacionais protegidos por causa da inclusão, equidade e bem-estar individual e coletivo que apoiam, também reimaginados para melhor promover a transformação do mundo para uma direção mais justa, equitativa e um futuro sustentável.

Devemos aproveitar e ampliar as oportunidades educacionais que ocorrem ao longo da vida e em diferentes espaços culturais e sociais.

É preciso polir essa pedra preciosa constantemente, deixando para trás os resíduos e aprimorando sua parte valiosa.

* Danilo Costa é ex-mantenedor escolar, advogado formado pela FGV-SP e fundador do Educbank, principal ecossistema financeiro dedicado às escolas brasileiras.

Para mais informações sobre educação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Sebastião Rinaldi



Matemática: como tornar a numeracia divertida?

Os primeiros anos de uma criança são um período de aprendizado e desenvolvimento.

Matemática: como tornar a numeracia divertida?

Saúde mental dos estudantes no pós-pandemia impõe maior acolhimento na rotina escolar

Casos de bullying e de violência se aprofundaram em resposta à pandemia.

Saúde mental dos estudantes no pós-pandemia impõe maior acolhimento na rotina escolar

O bullying retorna a sala de aula

Os últimos anos trouxeram intensa mudança para o universo escolar.

O bullying retorna a sala de aula

A importância da Educação para uma internet segura para todos

Há uma série de leis, regulamentos e normas técnicas que reforçam o valor da informação.

A importância da Educação para uma internet segura para todos

A educação é o caminho da liberdade

O atendimento socioeducativo ao adolescente em conflito com a lei é um desafio e necessita de um olhar resiliente e reflexivo, visto que é considerado um momento oportuno de mudanças.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Enem divulga datas das provas para os estudantes em 2022

As inscrições começam no dia 10 de maio e se encerram no dia 21.

Enem divulga datas das provas para os estudantes em 2022

Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Conspiração Mineira pelo Plantio de Árvores é apresentada pela ACMinas.

Projeto incentiva o plantio de 1 bilhão de árvores em Minas Gerais

Olimpíada Mirim de Matemática abrange alunos do 2º ao 5º do fundamental

Essa é a primeira competição nacional a incluir estudantes tão novos.

Olimpíada Mirim de Matemática abrange alunos do 2º ao 5º do fundamental

Enem 2021: 22 estudantes tiraram nota máxima na redação

Correções detalhadas podem ser conferidas na internet.

Enem 2021: 22 estudantes tiraram nota máxima na redação

Webinar gratuito apresenta oportunidades de estudo e trabalho na Irlanda

Evento será transmitido pela SEDA College, no dia 12 de abril.

Webinar gratuito apresenta oportunidades de estudo e trabalho na Irlanda

MEC lança projeto para aproveitamento de estudos de cursos técnicos

Primeira turma do curso de aperfeiçoamento tecnológico será em julho.

MEC lança projeto para aproveitamento de estudos de cursos técnicos