Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O Apocalipse da Educação no Brasil

O Apocalipse da Educação no Brasil

11/04/2019 Janaína Spolidorio

Pedagoga descreve em artigo a situação da educação no Brasil em meio a tantas mudanças.

O Apocalipse da Educação no Brasil

Imagine vários grupos diferentes. O grupo A sofre graves problemas de orientação, não sabe qual rumo tomar para chegar onde precisa e os caminhos que tomam revelam armadilhas incessantes. O grupo B percebe que não consegue continuar sua jornada no caminho que deveria e desiste de tentar. Um terceiro grupo, o C, ainda em treinamento, recebe informações que fogem da realidade que irão enfrentar quando estiverem “em campo”. O grupo D enfrenta um campo minado e recairá sobre ele total responsabilidade se houver falhas em suas estratégias.

Este cenário poderia facilmente ser parte de um dos muitos filmes que retratam o que aconteceria se vivêssemos um APOCALIPSE. Infelizmente, o cenário retrata, na verdade, a educação no Brasil.

O grupo A são escolas, coordenadores, professores e outros profissionais relacionados à educação que estão tentando lidar com um documento chamado BNCC ( Base Nacional Comum Curricular ) que tinha a intenção de regular um mínimo de aprendizagem nas escolas, mas em lugar disso acabou trazendo mais dúvidas do que respostas.

O grupo B são jovens que acabam desistindo dos estudos no Ensino Médio, porque quando participaram do grupo D tiveram defasagem na aprendizagem e a carregam até o momento. Já sem esperanças, cada vez mais jovens viram estatística no histórico de evasão escolar do país.

O grupo C são professores em formação, que são preparados para uma escola que não existe, com alunos que são utópicos e aprendem a usar estratégias ultrapassadas, que não têm relação com a necessidade que seus alunos terão, quando estiverem em sala de aula.

Finalmente, o grupo D, são todos os envolvidos no processo de alfabetização. O Brasil nunca esteve tão perdido neste quesito quanto nos últimos quatro ou cinco anos. Atualmente temos um índice assustador de crianças que não conseguem ser alfabetizadas na idade considerada ideal e temos também aquelas que parecem ser alfabetizadas, mas não conseguem interpretar textos simples, apenas decodificam letras para leitura. Poucas chegam a um nível satisfatório de alfabetização. Métodos milagrosos, falta de formação, orientação falha, estímulo insuficiente na Educação Infantil e utilização de recursos ultrapassados são alguns itens que contribuem para o panorama.

Para completar este obscuro cenário educacional, nos primeiros meses de 2019 tivemos várias entradas e saídas no Ministério da Educação, o que contribui para impactar ainda mais o cenário apocalíptico em que a educação se encontra.

Cada vez que alguém entra ou sai o mundo da educação “hiberna”. Em meio a período de implantação de uma Base Nacional e vários programas de governo que têm impacto tanto em redes públicas quanto particulares, isso é preocupante.

É como se a educação ficasse em uma espécie de transe. No caso da BNCC, em especial, há o documento, mas não há um “faça isso, faça aquilo” que dê uma orientação, é muito extensa e pouco prática, chega a ser generalizada e possui um sem-número de falhas. Muitas escolas estão em processo de implantação de algo que não receberam orientação adequada. Como fazer um plano baseado na BNCC? Devo ensinar somente o que está lá? Como divido os conteúdos? Na Educação Infantil devo retirar as carteiras da sala? Sim, são dúvidas reais, que estão se perguntando incessantemente enquanto quem deveria orientar é envolvido em escândalos e situações constrangedoras dentro do que deveria ser um dos ministérios mais estruturados do país, afinal, falamos de educação...

A tão polêmica reforma do Ensino Médio que nos persegue desde o governo Temer então, virou seriado! Não sabemos se será lançada a segunda temporada e nem quando. A intenção do projeto tem méritos e deméritos,  como se espera de uma alteração sempre, ainda mais desta magnitude. O fato de ser uma tentativa de manter a esperança dos alunos do Ensino Médio antes que haja uma maior evasão é válida; por outro lado, se for uma implantação sem-rumo como tem ocorrido com outros projetos ou programas, será mesmo que valeria a pena investir em uma segunda temporada? Fica aqui a dúvida...

Certamente há muito mais envolvido do que meramente o que foi descrito até aqui e a obscuridade da situação, mesmo com um bom resgate de estrutura na área de Educação é profunda. Bastante provável que levemos anos, até décadas, para conseguir trazer de volta o que se espera ou pelo menos um pouco do que se espera.

Como todo bom apocalipse cinematográfico, sempre há sobreviventes. Há sim os professores que buscam uma melhor formação e encontram novas maneiras de driblar o que não recebem de orientação. Há outros profissionais que seguem com passos firmes em suas jornadas diárias, ajudando casos específicos ou grupos menores, que conseguem ter êxito. Assim como há profissionais em campo que conseguem ter sucesso mesmo em tempos de crise educacional, certamente há aqueles que conseguiriam sim dar uma guinada na situação e começar a reverter o quadro. Cabe a nós esperar que sejam logo encontrados, pois o tempo não volta atrás.

Ações simples, sem tanta pompa e burocracia podem ajudar imensamente a dar um rumo melhor. Em vez de se preocuparem, por exemplo, se uma avaliação deve ou não ser aplicada na alfabetização, como ocorreu recentemente, por que não buscar programas que realmente resolvem e trabalhar para que os alunos cheguem ao objetivo da avaliação? Por que não usar uma equipe bem qualificada ( e alinhada! ) para investigar causas da crescente falha na alfabetização e propor ações que possam amenizar, ainda que minimamente, o problema?

Todos os problemas têm uma solução, ainda que de longa data. O que não podemos é continuar aceitando que um Ministério tão vital ao avanço da população e do país, como um todo, e uma área essencial à formação das pessoas para uma melhor sociedade demonstre imaturidade, irresponsabilidade, desestruturação e falta de visão, como tem sido recorrente em 2019.

* Janaína Spolidorio - Designer de atividades pedagógicas,  é formada em Letras, com pós-graduação em consciência fonológica e tecnologias aplicadas à educação e MBA em Marketing Digital. Ela atua no segmento educacional há mais de 20 anos e atualmente desenvolve materiais pedagógicos digitais que complementam o ensino dos professores em sala de aula, proporcionando uma melhor aprendizagem por parte dos alunos. Atua como influenciadora digital na formação dos profissionais ligados à área de educação e é colunista no site SP para Crianças.

Fonte: EVCOM



Aprendizagem digital: os dois lados da moeda

A criação de conteúdos interessantes e motivação para estudar mais.

Aprendizagem digital: os dois lados da moeda

4 tendências para se adaptar e ensinar melhor online

Especialista esclarece estratégias para melhorar a experiência de lecionar no ambiente virtual.

4 tendências para se adaptar e ensinar melhor online

Preparatório oferece cursos gratuitos para pessoas em vulnerabilidade social

Escola de preparação para concursos públicos disponibiliza mais de 19.000 cursos online.


Curso gratuito prepara estudantes de todo o país para o Enem

Uninter oferece 345 aulas gravadas e 55 aulas inéditas.

Curso gratuito prepara estudantes de todo o país para o Enem

Sisu abre inscrições para mais de 51 mil vagas em instituições do país

Segundo cronograma divulgado pelo Mec, o resultado do Sisu será divulgado no dia 14 de julho.

Sisu abre inscrições para mais de 51 mil vagas em instituições do país

Educação no isolamento social se torna oportunidade de aprendizado para qualquer idade

As aulas on-line das crianças têm requisitado uma maior participação dos familiares.

Educação no isolamento social se torna oportunidade de aprendizado para qualquer idade

Fatos sobre a lição de casa em tempos de aula à distância

Orientar de modo equivocado pode causar estragos na aprendizagem.

Fatos sobre a lição de casa em tempos de aula à distância

MEC define protocolo de segurança para volta às aulas

Cronograma das atividades deve ser orientado pelo governo local.

MEC define protocolo de segurança para volta às aulas

A vida depois da graduação

O resultado esperado é um aprofundamento de carreira dentro de uma profissão.

A vida depois da graduação

Educação, pandemia e juventude

Hoje proponho uma reflexão acerca dos rumos que estamos dando à educação no Brasil e o que, de fato, desejamos de nossa atual juventude em sua maturidade.


Ensino remoto: a nova via da educação superior

É bastante improvável que a educação tradicional e presencial retorne antes de 2021.


A herança da pandemia na educação

A esta altura da pandemia, já se sabe que ela vai deixar, além da crise econômica que todos estamos vivendo, uma herança baseada em mudanças de hábitos e no uso mais intenso da tecnologia.